Dor de barriga pode ser doença celíaca ou de Crohn

Dores na barriga e diarréia freqüentes são sinais de doenças sérias no intestino
 

<p>Subir no palco pode ser sinônimo de frio na barriga para muita gente. Mas o <strong>nervosismo</strong>, que às vezes gera até uma dor de barriga repentina, não foi o motivo que desconcentrou a bailarina Siana Subtil, de 26 anos, enquanto ela encenava um espetáculo de dança e teatro, em agosto do ano passado, em Campo Grande (MS). <br /><br />“A dor de barriga começou no meio da apresentação. Por quase meia hora, suei frio, e senti cólicas insuportáveis, mas consegui chegar ao fim do espetáculo. Meu rendimento caiu, mas acho que o público não percebeu. Deixei o palco tonta de dor na barriga”, recorda Siana, que foi direto para a Emergência da Clínica Campo Grande, no Centro da capital sul-mato-grossense, de onde saiu com uma receita de <strong>laxante natural</strong>. <br /><br />Desde os 18 anos, Siana vinha <strong>enfrentando situações constrangedoras por causa das dores de barriga</strong>. Mas sempre ouvira dos médicos o mesmo diagnóstico: <strong>intestino preso, estresse e gastrite</strong>. Em outubro de 2007, a bailarina deu entrada na Emergência do hospital três dias consecutivos, sempre saindo sem um diagnóstico correto. Fez vários exames, entre eles uma ultra-sonografia, que só acusou gases.</p> <p><br />“Cheguei ao meu limite. Não agüentava mais ficar no hospital sem saber o que eu tinha. Ainda <strong>pedi ao médico que fizesse uma endoscopia</strong>, pois temia uma infecção, mas não fui atendida”, lamenta Siana que, semanas depois, comentou o ocorrido com sua <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Hematologia" target="_blank" title="hematologista"><strong>hematologista</strong></a>. “Ela cuidava de uma anemia antiga, que, mais tarde descobri, já era um dos sintomas da doença que eu tinha. Minha médica então suspeitou de <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_cel%C3%ADaca" target="_blank"><strong>doença celíaca</strong></a> e me pediu que fizesse uma endoscopia.”<br /><br />Depois do exame, que indicou a necessidade de <strong>biópsia no intestino delgado</strong>, a bailarina finalmente conseguiu descobrir a causa das tenebrosas dores: <strong>intolerância alimentar permanente ao glúten, também conhecida como doença celíaca.</strong> <br /><br /><br /><strong>Tratamento para doença celíaca</strong><br /><br /><strong>Excluir da alimentação tudo que contém glúten</strong>, uma proteína encontrada no trigo, na aveia, na cevada, no centeio e em muitos derivados (pães, massas, bolos, pizzas, biscoitos, cerveja, uísque e vodca, entre outros). Em poucas semanas, Siana foi percebendo que sintomas da intolerância ao glúten, como <strong>prisão de ventre e gases já não incomodavam tanto,</strong> e também deu <strong>adeus às cólicas</strong>. <br /><br />Especialistas no Brasil estimam que cerca de 20% da população sofra com algum tipo de <strong>distúrbio gastrointestinal</strong>. Alguns são mais graves que outros. Mas todos podem ser dolorosos, desagradáveis, constrangedores e difíceis de diagnosticar e tratar. <br /><br />Sua dor de barriga é causada por um patógeno (agente biológico capaz de causar doenças), pelo excesso de comida, por estresse, alergias ou por alguma doença rara? <br /><br /><br /><strong>Você sente dor de barriga?</strong><br />“A dor é sinal de problema, um alerta do organismo, mas <strong>nem sempre dor é sinônimo de doença</strong>”, explica o Dr. Flávio Antônio Quilici, professor titular de <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Gastroenterologia" target="_blank" title="gastroenterologia">Gastroenterologia</a> da Faculdade de Medicina da PUC de Campinas. “Quando a dor de barriga é intensa demais ou aparece com freqüência, o ideal é consultar logo um médico”, alerta o Dr. Quilici.<br /><br />Muitas vezes, uma dor de barriga é só uma dor de barriga. Mas, se você sente dor há mais de duas ou três semanas, <strong>acompanhada de sintomas graves como sangue ou muco nas fezes, ou apresenta perda de peso inexplicável, procure um médico</strong>. Há mais de 100 causas possíveis para a sua dor. Veja aqui como reconhecer as mais comuns. <br /><br /><br /><strong>Dor de barriga pode ser causada por: Síndrome do intestino irritável (SII) ou Distúrbio funcional </strong><br /><br /><a href="http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?395" target="_blank" title="síndrome do intestino irritável">Síndrome do intestino irritável</a> acontece quando algo não está funcionando direito no organismo – sem causa evidente. Os <strong>sintomas da síndrome do intestino irritável</strong> são variados, e podem ou não ser concomitantes: <strong>dor de barriga recorrente, diarréia, prisão de ventre, distensão abdominal, ou excesso de gases.</strong> É possível que exames isolados não identifiquem o problema. Será que está tudo na cabeça? Não. Está no intestino, e não se resolve por si só. <br /><br />“Os exames são importantes para excluir doenças orgânicas que apresentam lesões. Mas, para se chegar ao diagnóstico de síndrome do intestino irritável, é fundamental ouvir o paciente”, ressalta o Dr. Flavio Steinwurz, presidente da Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn. <strong>Às vezes, a sindrome do intestino irritável começa depois de uma doença infecciosa, como uma gastroenterite, mas também pode surgir motivada por fatores psicossociais que causem instabilidade emocional (morte, separação, perda do emprego, depressão).</strong> <br /><br />Após o diagnóstico de síndrome do intestino irritável, o médico pode prescrever mudanças na alimentação – maior ou menor consumo de fibras – dependendo do paciente, pois muitos alternam sintomas como prisão de ventre e diarréia.</p> <p><br />Fazer um <strong>diário alimentar para descobrir o que provoca os sintomas</strong> e depois evitar esses alimentos também ajuda.</p> <p><br />A prescrição de medicação sintomática, pois ainda não existe cura para a síndrome do intestino irritável, auxilia a regularização dos movimentos intestinais.</p><p><strong>Dor de barriga pode ser causada por: doença celíaca<br /></strong><br />Só na última década, a <strong>doença celíaca, sinônimo de intolerância permanente ao glúten</strong>, começou a ganhar notoriedade no Brasil. A sensibilidade ou alergia ao glúten pode surgir na infância, com <strong>sinais como dor de barriga, diarréia, cólicas e irritabilidade</strong>. Quando aparece na fase adulta, a diarréia pode ser menos freqüente, mas é comum o paciente ter <strong>prisão de ventre, gases, desconforto abdominal ou <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Anemia" target="_blank" title="anemia">anemia</a></strong> de difícil cura. A prisão de ventre pode ocorrer em até 5% dos casos em adultos. <br /><br />“A parte interna do intestino delgado saudável é revestida por vilosidades, semelhantes a dedos, que absorvem os nutrientes importantes, como ferro, lactose e cálcio”, explica o Dr. Célio Salgado, do I<a href="http://www.hc.ufmg.br/iag" target="_blank" title="Instituto Alfa de Gastroenterologia">nstituto Alfa de Gastroenterologia</a> do Hospital das Clínicas da UFMG. A doença celíaca deforma as vilosidades, diminuindo a absorção dos nutrientes.</p> <p><br />Quando eliminamos o glúten da alimentação, as vilosidades se recuperam e voltam ao normal, e os sintomas desaparecem. “A intolerância (doença celíaca) <strong>pode ser resolvida com a retirada do glúten da dieta</strong>. <br /><br />Há conseqüências mais graves para quem passou anos com a doença celíaca sem receber o diagnóstico correto. Mulheres com menos de 50 anos podem apresentar <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Osteoporose " target="_blank" title="osteoporose"><strong>osteoporose</strong></a> <strong>precoce</strong>, e há maior predisposição ao <strong>câncer do intestino delgado</strong> em ambos os sexos”, adverte o Dr. Célio Salgado, acrescentando que até 27% dos diagnósticos de doença celíaca feitos em adultos ocorrem em pacientes com mais de 60 anos. <br /><br /><strong>Devo evitar alimentos com glúten ao ter uma dor de barriga?</strong><br /><br />Infelizmente, <strong>o glúten está presente em quase todos os alimentos: flocos de cereais, massas, pães, biscoitos e alimentos industrializados</strong>. Olhar o rótulo é indispensável: desde 2003, todos os produtos alimentícios são obrigados a estampar na embalagem a advertência “contém glúten”. Evitá-lo pode ser difícil, mas cada vez aparecem mais produtos sem glúten e há muitos livros de culinária para quem não tolera a substância. Se você acha que tem a doença, <strong>procure um médico antes de cortar alimentos com glúten</strong>. Os exames que confirmam o diagnóstico podem dar resultado negativo se você suspender o consumo de glúten. <br /><br /><br /><strong>Dor de barriga pode ser causada por: Doença de Crohn</strong><br /><br />A <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_de_Crohn" target="_blank" title="doença de Crohn">doença de Crohn</a> é uma doença inflamatória intestinal que pode provocar lesões dolorosas em qualquer região do trato intestinal (da boca ao ânus). Alguns <strong>sintomas da doença de Crohn</strong> podem ser parecidos com os da síndrome do intestino irritável, como <strong>dor de barriga crônica e diarréia</strong>, mas a inflamação também provoca <strong>excesso de gases, febre, náuseas e emagrecimento</strong>.</p> <p><br />A localização das lesões dificulta a passagem do bolo alimentar, provocando dor ou diarréia. “Há um estreitamento dessas regiões por causa da inflamação. Há casos em que as feridas se situam na boca ou no ânus, sendo muito doloroso para o paciente se alimentar ou evacuar”, revela o Dr. Quilici. <br /><br /><strong>As causas da Doença de Crohn</strong><br /><br /><strong>Predisposição genética, fatores ambientais e problemas imunológicos</strong> são apontados como causas prováveis da doença de Crohn. Ela atinge principalmente homens e mulheres entre os 15 e 30 anos, mas também pode acometer crianças. “A doença pode ser detectada por meio de exames de sangue, colonoscopia, raios X do trânsito intestinal, cápsula endoscópica e, em apenas 20% dos casos, a biópsia pode ajudar. Quando em estado adiantado, é possível identificar a lesão com exame de palpação do abdome”, explica o Dr. Steinwurz.</p> <p><br />Hoje <strong>a doença de crohn pode ser controlada com medicamentos sulfaderivados, corticóides (imunossupressores) e drogas biológicas (anticorpos obtidos a partir de organismos vivos)</strong>, que podem provocar menos efeitos colaterais. Não existe um padrão para a dieta alimentar. A restrição de alguns alimentos vai depender do local das lesões. <br /> <br /><strong>Dor de barriga pode ser causada por: estresse</strong><br /><br />Você está prestes a falar em público; ou acabou de marcar uma entrevista de emprego. De repente, sente uma dor de barriga terrível e a necessidade de correr para o banheiro. De quem é a culpa? Do seu <strong>sistema nervoso entérico (SNE)</strong>, um segundo cérebro que funciona no intestino. É o sistema nervoso entérico – uma das subdivisões do sistema nervoso autônomo, que inclui ainda o <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_nervoso_simp%C3%A1tico" target="_blank" title="sistema nervoso simpático">simpático</a> e o <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_nervoso_parassimp%C3%A1tico" target="_blank" title="sistema nervoso parassimpático">parassimpático</a> – que diz ao intestino para empurrar seu conteúdo pelo corpo.</p> <p><br />“Há uma ligação direta entre o impulso das emoções no hipotálamo e a motilidade. Isso ocorre porque o nervo vago, que sai do hipotálamo, enerva o tubo digestivo, estimulando secreções e coordenando os movimentos. Além disso, há hormônios no intestino ligados à emoção, as encefalinas, que são semelhantes aos que existem no cérebro”, diz o Dr. Steinwurz. <br /><br /><br /><span style="font-weight: bold;">Como evitar dor de barriga em momentos de estresse?</span><br /><br />Reduzir o estresse com exercícios, respiração profunda, ioga, ou qualquer outro método que ajude você a sem manter calmo, ameniza os sintomas. <br /><br /><br /><br /><span style="font-weight: bold;">Dor de barriga pode ser causada por algo que você comeu</span> <br /><br />Todo ano, <span style="font-weight: bold;">as doenças transmitidas por alimentos são responsáveis por cerca de 500 mil internações,</span> segundo números do Sistema de Informações Hospitalares do Ministério da Saúde. Nos últimos três anos, mais de 1,6 milhão de brasileiros foram vítimas de vírus e bactérias, como <a href="http://pt.wikipedia.org/wiki/Salmonella_enteritidis" target="_blank" title="salmonella">salmonella</a>, Escherichia coli, estafilococos, entre outros.<br /><br /><span style="font-weight: bold;">Mas como saber se sua dor de barriga tem relação com o que você comeu?</span> <br /><br />Os problemas gastrointestinais tendem a começar devagar e piorar aos poucos, <span style="font-weight: bold;">mas a intoxicação alimentar surge de quatro a 24 horas após a refeição</span> e tem vários sintomas: <span style="font-weight: bold;">náusea, vômitos, febre, dor abdominal e diarréia.</span> <br /><br />“Preste atenção à intensidade e à duração da dor. Se você tem diarréia, mas vai ao banheiro de vez em quando, pode esperar 24 horas. Mas, no caso de contaminação por <a href="http://www.emglab.com.br/html/toxina_botulinica.html" target="_blank" title="toxina botulínica">toxina botulínica</a>, quando a dor é forte e a diarréia não pára, o socorro tem de ser imediato. Em uma a duas horas a pessoa pode morrer”, diz o Dr. Quilici.</p><p><span style="font-weight: bold;">Constrangido por causa de gases?<br /></span><br />“Há um certo constrangimento quando se fala de problemas do trato digestivo, sejam gases, diarréia ou mau hálito. Mas, dentro do consultório, tratamos do assunto de forma séria. Criamos uma relação aberta, de confiança e respeito, e o paciente se sente à vontade para falar”, explica a Dra. Maria do Carmo Friche Passos, professora de Gastroenterologia do curso de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). <br /><br />Antes da consulta, faça uma lista dos exames que já fez, dos médicos que consultou sobre o seu problema, dos hospitais a que já foi, das doenças que já lhe disseram que tinha, das outras terapias e medicamentos que experimentou (isso inclui remédios, com ou sem receita médica, e também terapias alternativas). Você percebeu alguma mudança nos seus hábitos no banheiro? <br /><br />“<span style="font-weight: bold;">Valorize os sintomas</span>”, orienta o Dr. Flávio Quilici. O que provoca os sintomas de dor de barriga (estresse, alimentos gordurosos)? O que os alivia (antiácidos, redução de estresse)? Como são eles (azia, dor)? Onde, quando e quanto dói? <br /><br /><br /><br />Você sofre com gases ou flatulências ?<br /><br />Temos, em média, de 100 ml a 200 ml de gases no tubo digestivo. Sem perceber, <span style="font-weight: bold;">podemos eliminar gases de 13 a 20 vezes ao dia</span>. “Muitas pessoas têm uma sensibilidade maior à quantidade de gases no organismo, mas isso não significa um aumento real do volume”, revela a Dra. Maria do Carmo. <span style="font-weight: bold;">Quem tem cólicas por causa de gases pode tomar um antiácido</span> para revestir o estômago. Os remédios vendidos sem receita médica para reduzir os gases costumam conter simeticona ou carvão ativado, mas, segundo especialistas, não são <span style="font-weight: bold;">muito eficazes. Em geral, basta esperar que saiam (ou soltá-los!)</span>.</p> <p><br />“Para prevenir a formação de gases, é importante saber o que causa sua produção e evitar determinados alimentos”, afirma o Dr. Steinwurz. <br /><br /><span style="font-weight: bold;">Como evitar dor de barriga, gases, azia e dores no estomago?<br /></span><br />• Mastigue bem e coma devagar.<br />• Evite comer em excesso.<br />• Não se deite depois de comer; levante-se e faça uma caminhada de 20 minutos. <br />• Evite refrigerantes, chiclete, balas, pastilhas de goma e hortelã, couve-de-bruxelas, repolho e outras hortaliças.<br />• Beba pouco líquido durante as refeições; procure não encher o copo.<br /><br /><br /><br /></p>

Vote it up
265
Gostou deste artigo?Votá-lo até

Postar um comentário

Na Nossa Loja