A eterna garota de Ipanema

Helô Pinheiro conta a Seleções como o presente que recebeu de Tom e Vinicius mudou o rumo de sua vida
 

O ano era 1962. A jovem Heloísa Eneida de Menezes Paes Pinto passava pela Rua Montenegro, em Ipanema – às vezes a caminho da praia, vestindo o maiô de duas peças confeccionado por sua avó, às vezes em direção ao ponto de ônibus, vestida de normalista, seguindo para o Instituto de Educação. Mal sabia ela que, na esquina da Montenegro com a Prudente de Morais, no Bar Veloso, onde os intelectuais e músicos se encontravam para beber e filosofar, Tom Jobim se apaixonaria por seu balanço e comporia em sua homenagem, e em parceria com Vinicius de Morais, a música Garota de Ipanema, desde então uma das mais tocadas no mundo. Hoje, aos 70 anos, Helô Pinheiro conta a Seleções como o presente que recebeu de Tom e Vinicius mudou o rumo de sua vida, e como
é ainda carregar esse título.

Quando foi que você descobriu que era “a” garota de Ipanema? Você se via como a canção a descrevia?

O fotógrafo Yllen Kerr, para quem eu havia posado como parte de uma matéria de revista sobre a juventude de Ipanema, virou-se para mim um dia e falou: “Vi o Tom e o Vinicius no Bar Veloso, e eles disseram que fizeram uma música para você.” Fiquei com aquilo na cabeça, mas não acreditei. Pensei: Por que para mim? Sou uma menina comum, minha mãe diz que tenho perna fina, minha vó diz que tenho cara de faca, porque meu rosto é comprido... Eu achava que não era essa beleza toda. Três anos depois, em 1965, a música estourou no exterior e todo mundo começou a perguntar: “Quem é a musa inspiradora?” Vinicius e Tom ficaram meio receosos de dizer que era eu porque meu pai era militar, mas o pessoal da revista Manchete interveio: “Vocês precisam contar. Todo mundo quer saber.” E tinha gente que pensava que a musa era a Astrud Gilberto, que havia gravado uma versão da canção, então o Vinícius resolveu contar. De próprio punho, ele fez um texto maravilhoso para a revista Manchete, revelando que eu era a inspiração para a música Garota de Ipanema. Nesse dia, meu mundo virou de pernas para o ar.

A ficha demorou a cair?

Eu era muito inocente, e não enxergava o além. Eu enxergava aquele momento. Naquele instante fiquei feliz: Nossa! Uma música para mim! Que bonito! E pronto. Mas só que não foi assim. Demorei a entender que eu era realmente o estopim de uma história.

Que tipo de conflito isso trouxe para você?

Ah, o conflito era que eu achava que tinha de ficar com um corpo escultural. A música dizia: “Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça, é ela menina que vem e que passa, num doce balanço a caminho do mar.” Então comecei a me preocupar: Puxa, quando eu andar, tenho que ter um balanço. E as pessoas vão prestar mais atenção ao meu corpo. E aí? E se eu tiver celulite? E eu queria mostrar aquilo que estavam dizendo. Não podia engordar, não podia cortar o cabelo... Eu queria que as pessoas olhassem e dissessem: “Ela merece esse título.”

E você ainda sente essa obrigação?

Hoje dou um desconto por causa da idade. As pessoas precisam ver que a idade chega. A gente tem de aceitar.

Porque não é só a beleza que conta...

Minha mãe e meu pai sempre diziam: “A alma da pessoa é o que mais brilha.” E outra frase que meu pai dizia sempre era: “Minha filha, tenha consideração e respeito com o próximo.” Eu fui criada assim e passei isso para meus filhos. Acho muito importante, porque a vida é uma passagem. Se você fizer coisas boas aqui, talvez, no outro mundo, se é que ele existe, você possa se sentir melhor.

Qual foi o papel dos seus pais na sua trajetória?

Eu tinha uma relação de obediência muito forte com meus pais. Deixei de fazer várias coisas porque eles diziam: “Essa coisa de artista não é legal, porque eles fumam, bebem, têm uma vida desregrada. Esqueça isso.” Eu era obediente e queria meus pais felizes. E isso brecou muito a minha vida. Antigamente era não, e acabou. E eu não sabia o por quê do não.

Seus pais provavelmente queriam apenas proteger você...

É. Naquela época, todas as famílias queriam que a mulher fosse professora, e o filho, militar. Quem conseguisse passar na Escola Militar e no Instituto de Educação era abençoado por Deus.

Então você estava destinada a ser professora?

Eu era professora primária do Estado, dava aula em Padre Miguel. Estava destinada a dar aulas mesmo, que era o que minha família queria. Mas sabia que, dentro de mim, existia uma vontade de ser atriz. Não sabia se era de televisão, ou de teatro, mas eu queria o palco. Além disso, desde pequena eu fazia balé com a Iara Vaz, mas tinha bronquite asmática, então chegava um momento que eu não aguentava. Acabei desistindo.

Mas você participou de algumas novelas. E hoje é apresentadora de TV.

É, eu fiz novela, mas via que meu personagem não crescia muito. Então me perguntei: Será que sou boa atriz? Foi quando estabeleci a meta de ser apresentadora de televisão.

E se sente realizada?

Hoje me sinto realizada porque tenho mais segurança e estou fazendo aquilo de que gosto. Conquistei o que eu queria, que é ouvir das pessoas: “Estou gostando do seu programa. Você está levando informação importante para o público.” O De cara com a maturidade está vestindo o meu jeito de ser, porque eu falo sobre saúde, culinária, moda... Ele atende a tudo o que eu queria, com foco na terceira idade, que é a fase que vivo agora. Também faço outro programa com a Ticiane, minha filha, em que ensino jovens senhoras a se maquiar e pentear – é uma coisa mais para a beleza, para a estética. Os dois programas se complementam.

Falta algo a conquistar?

Tenho vontade de montar um musical. Hoje faço aero jazz, no qual danço e realizo um pouco o sonho de ser bailarina, que ficou para trás. Com a idade, a asma sumiu! Também gostaria de declamar poemas do Vinicius num espetáculo. Não vou dizer que tenha conquistado tudo, mas estou perto disso.             

 

Vote it up
1023
Gostou deste artigo?OBRIGADO
 

 

 

Na Nossa Loja