Falando em bebida: quanto é demais?

p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; line-height: 12.0px; font: 10.0px Helvetica; color: #929496} A maioria dos especialistas concorda que o mais seguro é não beber.
 
COMO MUITOS fãs de rock, Tande Coelho, de 43 anos, vai ao bar com os amigos para tomar cerveja e ouvir música. Na maioria das vezes, ele gosta de tomar cerveja, mas, de quando em quando, troca a “loura gelada” pelo vinho tinto. 
“Não bebo todo dia, mas, em média, de duas a três vezes por semana. Eventualmente, bebo sozinho em casa ou no bar perto de casa, mas isso é raro. A quantidade varia, mas diminuiu com a idade. Quando era mais jovem, bebia mais de 15 chopes em uma noite. Hoje, costumo tomar entre oito e dez long necks”, conta ele.
As chamadas long necks são as garrafas de 355 ml. Como meio litro de cerveja com 4% de graduação alcoólica contém 16 g de álcool puro, Tande e os amigos ingerem de 90 a 113 g de álcool cada vez que saem. No entanto, o Ministério da Saúde recomenda consumo zero tanto para
homens quanto para mulheres. 
As autoridades de saúde pública brasileiras estão cada vez mais atentas aos hábitos alcoólicos e ao consumo abusivo da bebida. Segundo o Relatório Global sobre Álcool e Saúde, um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) feito em 2014, o álcool é consumido praticamente em todo o planeta. Estima-se que, só em 2010, indivíduos acima dos 15 anos consumiram em torno de 6,2 litros de álcool puro, quantidade equivalente a 13,5 g por dia. 
No Brasil, o consumo estimado é de 8,7 litros por pessoa, quantidade superior à média mundial. Embora o Brasil apresente um consumo elevado, o consumo per capita caiu ao longo de cinco anos: passou de 9,8 litros por pessoa, em 2005, para 8,7 litros, em 2010. 
“Aqui, temos uma situação de contraste. Enquanto 51% da população não consome álcool, 25% bebem mais de 80% das bebidas alcoólicas. De um lado, altas taxas de abstinência. Do outro, elevado consumo de uma parcela significativa da população”, analisa o psiquiatra Ronaldo
Laranjeira, diretor da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (UNIAD) e professor do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
A OMS pinta um quadro assustador dos efeitos do álcool sobre a saúde humana. No mundo inteiro, 3,3 milhões de mortes anuais resultam da bebida. Ou seja, quase 6% de todas as mortes são atribuídas total ou parcialmente ao álcool. No Brasil, o álcool esteve associado a 63% e 60% dos índices de cirrose hepática e a 18% e 5% dos acidentes de trânsito entre homens e mulheres, respectivamente, em 2012. Além disso, seu uso é fator causal de mais de duzentos tipos de doenças e lesões. De acordo com a OMS, também há uma relação entre o uso prejudicial de álcool e transtornos mentais e comportamentais.
Motivadas pelo desejo de melhorar a saúde e a segurança, as autoridades de mais de quarenta países criaram diretrizes nacionais para o consumo de bebidas. Mas, embora concordem que beber “demais” faz mal, parece que é difícil um consenso sobre o que é “demais”. 
O Dr. Laranjeira explica que, apesar da falta de concordância sobre o nível seguro, há, sim, alguns consensos. Por exemplo: “grávidas e adolescentes não deveriam consumir álcool porque não existe dose segura para esses grupos”. Outro: “mulheres e idosos são biologicamente mais sensíveis às bebidas por terem menos massa muscular.”
“Em geral, um copo de vinho ou de cerveja, no máximo, seria a dose segura. O fato de alguns países estabelecerem um limite maior tem mais a ver com lobby da indústria do álcool do que com evidência de pesquisa científica”, afirma ele. 
Embora meio litro de cerveja a 4% contenha 16 g de álcool puro, meio litro de cerveja lager com 5% contém 20 g. E há diferença entre o consumo médio diário e uma bebedeira.
“Dessas duas modalidades, a mais prejudicial para o fígado é a que consome quantidades razoáveis todos os dias. Embora ambas provoquem malefícios, a de longo prazo é a pior”, alerta o Dr. Jorge Jaber, presidente da Associação Brasileira de Alcoolismo e Drogas (ABRAD). 
Em janeiro, o Reino Unido revisou a recomendação de consumo de 
álcool para apenas 16 g diários para homens e mulheres, um dos níveis mais baixos da Europa. Agora, o Conselho de Saúde dos Países Baixos recomenda que todos se abstenham inteiramente ou tomem, no máximo, uma dose-padrão por dia (definida pela  OMS em 10 g de álcool).
Apesar de estudos afirmarem que uma taça de vinho pode fazer bem, a maioria dos especialistas concorda que o teor de álcool mais seguro é zero. Como enfatiza Fátima Marinho, diretora do Departamento de Doenças e Agravos Não-Transmissíveis do Ministério da Saúde, “os malefícios do álcool são tão impactantes que o ministério recomenda consumo zero. Quanto menos, melhor. Não importa se a meta é ou não realista. O que importa é salvar vidas”.
O Dr. Jaber explica: “O álcool é uma substância tóxica e, como tal, altera o metabolismo. Ele danifica 
o sistema imunológico, aumenta o risco de câncer e lesiona pâncreas, fígado e rim.” Não bastasse tudo isso, segundo ele, quem bebe diariamente “desenvolve tolerância e precisa de cada vez mais quantidade para obter o mesmo efeito de antes”.
A psiquiatra Ana Cecília Marques, presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas (ABEAD), endossa a recomendação do Ministério da Saúde, mas considera que ela “não é eficaz”. Vários fatores – incluindo cultura, 
história e economia de cada país – fazem com que a maioria beba. Em muitos países, a bebida faz parte das refeições e dos rituais sociais. “Se for beber”, diz, “siga a recomendação da OMS: homens não devem consumir mais que três doses por
situação e mulheres, duas”.
“Quem tem histórico de uso de drogas, transtorno alimentar, doença mental ativa – principalmente depressão, trauma ou ansiedade – ou doenças físicas como diabetes e problemas hepáticos e renais, deve se abster, pondera Ana Cecília, da ABEAD. “Nesses casos, a chance de agravamento do quadro é muito alta.”  
As diretrizes só são úteis quando lhes damos atenção. Em última análise, é claro que tudo se resume às opções pessoais. Tande Coelho, por exemplo, parou de consumir bebidas destiladas, mas ressalva que só deixaria de beber cerveja por orientação médica em caso de doença grave. “Sempre pratiquei exercícios para compensar a vida boêmia. Corro três vezes por semana. Uma forma de manter a saúde em dia e o corpo funcionando bem”, diz Tande.         
Vote it up
82
Gostou deste artigo?OBRIGADO
 

 

 

Na Nossa Loja