Tinha acabado de se mudar para a cidade onde a avó morava. Aquele era antes o lugar das férias, do tempo suspenso entre um ano escolar e outro e nunca tinha sido testado como lugar definitivo.

Não que Luciana pensasse em definitivos. Preferia pensar que os lugares, todos eles, eram passagens e paisagens temporárias. Chegou à cidade da avó com a certeza de que esta jamais seria a “cidade dela” e sim “a cidade da avó” embora o temporário pudesse demorar…

filmes sobre viagem no tempo
Imagem: Tim Paulawitz/iStock

Aos 15 anos, teria que aprender a se distrair. Tudo ao redor seria vasculhado na tentativa de encontrar o que alimentasse a curiosidade e ajudasse a passar os dias eternos que avançavam para além das férias. O ano escolar já tinha começado, não havia ainda amigos que lhe prestassem, tinha saudade de outras paisagens, de outras pessoas que não estavam ali. Queria sempre estar onde não estava – seria este o seu destino?

Um dia, vasculhando a galeria onde ficava o apartamento da avó, Luciana descobriu uma pequena livraria. Não se sabe se ela ficaria na loja um tempo grande não fosse o personagem que virou um amigo breve – o livreiro. Ele era uns dez anos mais velho e tomou para si a tarefa de mostrar à garota um pouco mais do mundo onde vivia imerso e onde ela, dentro de pouco tempo, também iria mergulhar.  

O primeiro livro, inesquecível, foi o de Marcelo Rubens Paiva, Feliz ano velho.

A venda era sempre precedida de uma longa conversa sobre a obra, uma espécie de resenha. Luciana levava o livro para a casa da avó, na rápida visita, e desembrulhava ali mesmo, com pressa para ver se o livreiro tinha acertado. Ele sempre acertava. Aquele foi especialíssimo porque marcou um momento novo na vida dela, um recomeço de vida que não era nada festejado, porque ela era uma mistura de tédio e saudade.

Entre um livro e outro, foram vários e vários. Todos lidos, relidos, gostados, guardados na prateleira que começava a se agigantar no quarto dela.

livraria
Imagem: Bet_Noire

Até que um dia o livreiro amigo a esperava de mãos vazias. Ele não tinha boas notícias. A pequena livraria ia fechar. Ainda bem que teve tempo de se despedir. Não teve foi coragem de agradecer pelas dicas, que lhe ajudaram a alegrar os dias sem rumo.

Durante vários meses, ela passava em frente à livraria na esperança de vê-la ressuscitada, mas a loja estava fechada com uma placa em branco na porta.

Depois de um tempo, ao passar por ali de novo, viu que, no lugar, havia nascido uma loja de calcinhas – 3 por $ 5 reais.

Nunca mais viu o amigo livreiro.

P:S: Se ele ler este texto, quem saiba apareça para dizer olá.

POR CLAUDIA NINA – claudia.nina@selecoes.@rdeditorial

Leia outros contos de Claudia Nina na coluna Histórias que a vida conta. Conheça também a página oficial da autora.

Claudia Nina
Claudia Nina
Toda a minha ficção tem um pouco de confissão – pessoal ou da vida alheia. Acho que eu trouxe do jornalismo essa mania de tomar conta do mundo e, de alguma forma, transformar em texto o reflexo deste mundo em mim. Tenho 13 livros publicados – do romance ao infantil, passando pelo conto e os ensaios. Acho que só falta a poesia, mas esta eu fico devendo.