Faça uma busca
|
Publicado em: 25 de julho de 2021

A proibição não explicada e a visita à casa do bisavô

O que mais atordoou a menina ao longo dos anos foi que a proibição não foi clara nem teve argumentos sólidos.

Imagem: KatarzynaBialasiewicz/iStock

Não tinha mais do que 5 anos – se fosse mais velha, seria capaz de se lembrar de fatos que a memória ainda em formação impediu. E como ela queria ter acesso àquele pedaço de acontecimento interditado pelo esquecimento.... Se pudesse recordar-se de mais alguma peça daquele mosaico incompleto poderia ter mais fragmentos de uma imagem impossível: a figura do bisavô italiano.

A menina foi escalada para uma visita de família. Coisa bem rápida na casa do bisavô – quem estava com ele? Seria a bisavó? Ela não se lembrava de mais nada. A única imagem acessível era ele, a menina, a mãe e a tia sentados em uma espécie de ciranda, sendo que a menina ficou localizada exatamente no extremo oposto ao velho – ficaram a distância, mas cara a cara.

A posição ingrata atrapalharia a menina a negar para fazer cumprir o que a mãe havia lhe dito antes de saírem de casa: não aceite nada nem para comer nem beber. Aos 5 anos (ou menos) ela teria que desempenhar o árduo papel – dizer que não queria nada, mesmo que fossem salgadinhos inocentes ou refrigerante. Tinha tudo isso lá. A família recusou.

A menina recusou com dor no coração.

Ela deve ter feito mil vezes a pergunta – por que não posso comer nada? – mas não se lembra da resposta e ninguém nunca mais ousou tocar no assunto, nem ela. Talvez mãe e tia não se lembrassem nem da visita.

O que mais atordoou a menina ao longo dos anos foi que a proibição não foi clara nem teve argumentos sólidos. A angústia daquele momento em que o velhinho oferecia as coisas e todos negavam nunca foi esquecida pela menina. Ela queria muito saber mais sobre aquele homem que viera de tão longe, buscar respostas, onde quer que elas estivessem. Remontar o mosaico que era a figura do bisavô, de quem só sabia o nome, o país de origem e a cor dos olhos. Já era um começo.

POR CLAUDIA NINA [email protected]

Ouça o episódio mais novo do podcast da Claudia Nina: Uma ceia de Natal inesquecível.

Conheça também a página oficial da autora.

Claudia Nina
Claudia Nina
Toda a minha ficção tem um pouco de confissão – pessoal ou da vida alheia. Acho que eu trouxe do jornalismo essa mania de tomar conta do mundo e, de alguma forma, transformar em texto o reflexo deste mundo em mim. Tenho 13 livros publicados – do romance ao infantil, passando pelo conto e os ensaios. Acho que só falta a poesia, mas esta eu fico devendo.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close