Você costuma ler os rótulos dos alimentos processados que compra no mercado? Sabe quais são todos os ingredientes dos alimentos embalados? Além das calorias, você consulta a quantidade de gorduras, açúcares, sal, sódio, conservantes, estabilizantes e outros “antes” e aditivos? Todas essas informações são muito importantes para a escolha de alimentos mais saudáveis ou menos perigosos a saúde.

Esses vilões da alimentação prática do dia a dia fazem parte de nossas vidas. Somente se consumidos em excesso se tornam um perigo para a saúde. Por isso a Organização Mundial de Saúde vem recomendando uma mudança nos hábitos alimentares para reduzir problemas de saúde pública. Deve-se aumentar o consumo de alimentos in natura e redução dos processados e industrializados.

Leia também: Com alertas em rótulos, 78% dos brasileiros reduziriam consumo de refrigerante

Para entidades de defesa dos consumidores deve-se buscar melhores formas de comunicar ao consumidor o que contém nos alimentos industrializados. Atualmente as tabelas nutricionais são impressas nos versos dos produtos, em letras muito pequenas, cores diversas e utilizam termos técnicos.

Com a finalidade de tornar a escolha do consumidor mais consciente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA prevê mudanças. A Agência pretende mudar as regras das informações descritas nos rótulos de alimentos embalados. Com isso as informações ficarão mais claras, inclusive facilitando a comparação entre produtos de fabricantes diferentes. Mas o principal objetivo dessa mudança é assegurar que o consumidor possa fazer escolhas por alimentos mais saudáveis.

Para isso a Anvisa realizou uma Consulta Pública. Nela, a Agência recebeu, até o último dia 9, sugestões de consumidores, fabricantes e entidades de defesa dos consumidores. Esse processo já dura cerca de 05 anos considerando os estudos que vêm sendo realizados. Durante todo esse tempo foi feita uma revisão das informações que constam nos rótulos dos alimentos. Eles vêm sendo considerados confusos e difíceis de entender por reunir informações muito técnicas. Saiba mais sobre a consulta pública no site da Anvisa.

Qual a melhor forma de possibilitar ao consumidor fazer escolhas mais saudáveis?

Entre as mudanças, está a colocação de selos, na frente dos produtos, destacando informações sobre açúcares, gordura saturada e sódio. Essas substâncias estão relacionadas a problemas de saúde pública decorrentes de doenças crônicas como diabetes e hipertensão arterial. Atualmente esta informação já é obrigatória nas tabelas nutricionais das embalagens dos alimentos. O que se busca é que sejam apresentadas de forma mais clara e destacada. O objetivo é chamar a atenção do consumidor.

A tabela nutricional deverá ter fundo branco. A quantidade de açúcares e nutrientes apresentada deverá indicar o total por cada 100g. Todos esses pontos estão sob análise da Anvisa, que deverá tomar uma decisão e definir as novas regras.

Selos com lupa, sinais coloridos ou triangulares de alerta?

A Anvisa propôs a colocação de selos com lupas para dar destaques a essas informações. Seriam destaques sobre a quantidade de açúcares, gordura saturada e sódio. Segundo a Avisa, foram realizados testes antes da definição deste modelo.

O setor de alimentos quer um modelo de selos diferentes do proposto pela Anvisa. Eles propõem um modelo que contenha mais informações. Em formato de semáforos, com as cores verde, amarela e vermelha, de compreensão universal. Este modelo teria sido aprovado em pesquisas de opinião, de acordo com a Associação Brasileira da Industria de Alimentos – ABIA.

Organizações de Defesa dos Consumidores defendem que a informação seja destacada em selos em formato de triângulos. Isso porque os triângulos são usualmente utilizados como símbolos que indicam alerta. Quanto mais triângulos, mais perigoso seria o alimento. Este modelo também teria sido aprovado por consumidores em pesquisas de testes comparativos.

O que importa mesmo é que a informação seja apresentada de forma clara e objetiva ao consumidor. É o que determina o Código de Defesa do Consumidor.

Esteja consciente para fazer as melhores escolhas para você e sua família.

Fique de olho nos rótulos

Você sabia que na descrição dos ingredientes aqueles que vêm em primeiro lugar são os que estão em maior quantidade? Os ingredientes devem ser listados em ordem de quantidade, da maior para a menor.

Atualmente já é obrigatória a informação sobre substâncias ou nutrientes envolvidos em problemas de saúde pública, como o sódio. Eles devem estar listados na tabela nutricional mesmo que sua quantidade seja nula. Deve ser informada a quantidade com relação a um valor de referência ao que deve ser consumido em um dia.

Aditivos: servem para conservar os alimentos, manter a sua textura, aroma e realçar o sabor. Esta informação deve estar logo abaixo da tabela nutricional. Geralmente é informado o termo contém acidulante, aditivo, etc.

É importante ficar atento também aos:

  • Prazos de validade (antes e depois de aberto);
  • Modo de conservação (refrigerado, em local seco e fresco, etc.); e
  • Advertências (relacionadas a questões de saúde). Essas advertências são importantíssimas para pessoas com restrições alimentares, intolerância, alergias, diabéticos, etc.
Samasse Leal
Samasse Leal
Apaixonada por Direito, Samasse Leal é especialista em Direito do Consumidor, pós-graduada pela PUC-Rio. Co-autora e revisora técnica da obra Use as Leis a Seu Favor, participou de diversas edições do programa Sem Censura (TVE) e programas de rádio, falando sobre direitos para o público em geral. Nos quase 20 anos de carreira, atuou em grandes escritórios jurídicos, empresas, associação de defesa dos consumidores e atualmente atua na área de relações com investidores de uma multinacional espanhola.