Faça uma busca
|
Publicado em: 14 de agosto de 2020

Ódio na Internet rouba a visibilidade de temas como o combate ao suicídio e à pedofilia

Em tempos de Covid-19, Facebook concentrou esforços e tecnologia para a remoção de mais de 22,5 milhões de publicações com discurso de ódio – mas outras pautas relevantes ficaram de lado.

Imagem: Bubanga/iStock

A crescente onda de desinformação e os discursos de ódio são assuntos em alta no Brasil. Para combater as verdadeiras máfias que montam correntes para atacar empresas e indivíduos (em geral, politicamente ativos), grandes nomes de tecnologia têm adotado ferramentas e mão de obra (humana) para a curadoria de conteúdo.

Leia também: O que é bipolaridade? Psicólogo explica principais sintomas do transtorno

É o caso do Facebook – a companhia de Mark Zuckerberg, que também é dona do Instagram e do WhatsApp, passou a divulgar um relatório trimestral com dados sobre a sua atuação em questões referentes à remoção de fake news e posts de ódio em suas plataformas.

Apesar da atuação sobre 22,5 milhões de posts de ódio, número duas vezes maior do que o do primeiro trimestre de 2020, a empresa admitiu que houve queda na análise de publicações relativas a suicídio e automutilação no Facebook, e à nudez infantil e exploração sexual infantil no Instagram – ainda que casos mais graves tenham sido priorizados.

(Image: Tick-Tock/iStock)

Em tempos de Covid-19, a gigante afirma ter tido problemas para reunir revisores que pudessem identificar e treinar a tecnologia para o reconhecimento de conteúdo que viola as políticas da empresa nesse sentido.

Mas o que leva o Facebook a atuar sobre um tema e não sobre outro? É fácil entender: recentemente a companhia sofreu diversos boicotes de marcas, que deixaram de investir em publicidade na plataforma, como forma de protesto contra a enxurrada de posts de ódio que circula nesses sites e apps.

No Brasil, o PL das fake news aborda a movimentação de grupos que promovem a propagação de informações falsas e discurso de ódio. O assunto é um dos mais discutidos em todos os âmbitos sociais atualmente, devido ao seu alto teor político. 

É importante ressaltar que o suicídio é a segunda maior causa de mortes entre jovens e adultos de 15 a 29 anos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), e que muitas pessoas expressam em redes sociais, como Facebook e o Instagram, sinais de depressão, ansiedade ou outras doenças que possam levá-las a tirar a própria vida.

No Brasil, a taxa de tentativas de suicídio cresceu 7% em seis anos, também de acordo com a OMS. Com a pandemia, a estimativa é um aumento desse índice, de acordo um com artigo publicado no Lancet Psychiatry.

(Imagem: Ponomariova_Maria/iStock)

Já o combate à pedofilia é um assunto altamente explorado nas redes atualmente – mas de forma criminosa, pelo Gabinete do Ódio, que aponta figuras inocentes como possíveis responsáveis por crimes de abuso e exploração sexual de menores.

Uma das vítimas recentes foi o youtuber Felipe Neto, após seu depoimento ao The New York Times criticando o governo Bolsonaro. Durante as eleições de 2018, o candidato à presidência Fernando Haddad (PT), também foi alvo desse tipo de ataque. Em ambos os casos, uma corrente de perfis (fakes e reais) inundaram as redes com falsas acusações.

Os verdadeiros casos, no entanto, podem acabar ficando impunes. Com menos braços e esforços tecnológicos de grandes empresas nesse tipo de caso, e mais “sujeira” proveniente dos movimentos criminosos que espalham desinformação para limpar, é possível que vítimas reais de problemas como este passem despercebidas.

Em tempos sombrios como esses que vivemos, é importante que os usuários também façam a sua parte. Além de relatar potenciais casos nas redes sociais, é importante procurar as autoridades e órgãos competentes que possam agir para evitar mortes ou outras consequências graves. Em casos de tentativa de suicídio, se mostrar disponível para conversar, não subestimar o problema do outro e recomendar a procura de uma rede de apoio, como o Centro de Valorização da Vida (CVV), são ações de extrema importância.

Ana Marques
Ana Marques
Jornalista formada pela UFRJ, Ana é entusiasta de tecnologia, dos dispositivos móveis e da inteligência artificial, mas também defensora das relações humanas e das conexões feitas por meio de encontros. Sua relação com a cobertura tecnológica teve início em 2016, no TechTudo, ainda como estagiária. Em 2018, passou a integrar a equipe de Conteúdo do comparador Zoom.com.br, onde foi editora de Mobile (Celulares, Tablets e Wearables) & Eletrônicos até agosto de 2020. Atualmente é editora-assistente de Notícias no Tecnoblog, o maior veículo independente de Tecnologia do Brasil.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados