Faça uma busca
|
Publicado em: 18 de agosto de 2021

Covid-19: como estão os números da vacinação no Brasil

Vacinação em massa e testes fazem parte de estudos locais sobre a disseminação da doença.

Imagem: Hector Pertuz/iStock

A vacinação contra a Covid-19 segue crescendo cada vez mais. Por todo o Brasil doses das vacinas disponíveis são distribuídas e a imunização nacional está cada vez mais perto. O plano apontado pelo Governo Federal, em janeiro de 2021, determinou que estados e municípios teriam autonomia em relação aos planejamentos de vacinação, desde que utilizassem imunizantes autorizados pela Anvisa.

As unidades da federação definiram seus próprios modos de operacionalizar a vacinação, definindo dias determinados para idades específicas, profissões e criando um esquema de agendamento, tudo pensado da melhor maneira para cada população.

O Ministério da Saúde definiu as prioridades gerais e colocou, primeiramente, profissionais da saúde e idosos; seguidos por pessoas com comorbidades e outras classes de profissionais.

Números de doses aplicadas no Brasil

Até o momento, quase 164 milhões doses foram aplicadas por todo o território nacional, segundo a plataforma LocalizaSUS, que é atualizada várias vezes ao longo do dia e conta com vários outros dados da base do SUS; por exemplo, doses que ainda não foram contabilizadas, mas que já foram aplicadas.

O número de pessoas pelo Brasil que já estão imunizadas com duas doses ou dose única está quase chegando a 50 milhões de cidadãos.

Planejamento do Governo Federal

De acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, cada Estado tem autonomia em relação à distribuição local dos imunizantes, mas o Governo Federal definiu um norte para as estratégias estaduais e municipais.

Leia também: O que os especialistas dizem sobre a 3ª dose da vacina contra a Covid-19

Segundo o documento oficial, "O plano de vacinação foi desenvolvido pelo Programa Nacional de Imunizações com o apoio técnico-científico de especialistas na Câmara Técnica Assessora em Imunização e Doenças Transmissíveis, pautado também nas recomendações do SAGE - Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas em Imunização da OMS. (...) foi definida como prioridade a preservação do funcionamento dos serviços de saúde; a proteção dos indivíduos com maior risco de desenvolver formas graves da doença; a proteção dos demais indivíduos vulneráveis aos maiores impactos da pandemia; seguido da preservação do funcionamento dos serviços essenciais."

Seguindo essas determinações, foi montada a seguinte tabela de prioridades:

Relações com países estrangeiros

Desde o início da pandemia, algumas barreiras sanitárias foram instauradas ao redor do mundo. Com o agravamento da situação no Brasil, vários países barraram a entrada livre de brasileiros ou pessoas que saíssem daqui. A única opção se tornou fazer quarentena no país de destino ou em outros países mais flexíveis. Algumas nações procuradas pelos turistas brasileiros ainda têm regras específicas. Por exemplo:

Estados Unidos

O gigante americano ainda não liberou sua fronteira para a população do Brasil. Mas uma opção buscada por alguns é fazer quarentena de 15 dias no México ou em outro país próximo, antes de decolar em direção aos EUA.

Países europeus

França é um dos casos específicos, que liberou a entrada dos brasileiros que estão vacinados com uma das vacinas liberadas pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA). Para quem não está imunizado, é obrigatória a quarentena de dez dias, quando chegar à França, sob o controle das autoridades policiais locais.

Portugal também exige um período de quarentena na chegada ao país. Alguns outros países da Europa, como Irlanda e Suíça, já estão abertos para o Brasil, porém, exigem vacinação e/ou PCR negativo, realizado 72 horas antes.

Casos isolados de vacinação em massa no Brasil

Alguns Estados estão começando a fazer eventos-teste, em locais e dias específicos, sob controle dos protocolos de segurança, a fim de analisar a viabilidade da volta dos grandes eventos. Confira alguns exemplos.

Um exemplo de teste de imunização recente no país é o caso da Ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro. O prefeito Eduardo Paes, em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde e a Fiocruz, promoveu a vacinação de toda a população insular, para realizar um evento nos moldes de um Carnaval tradicional e testar os efeitos da imunização em larga escala. O projeto está sendo chamado de “PaqueTá vacinada” e será o primeiro evento-teste na capital fluminense.

Em Salvador, a prefeitura já confirmou que está planejando um evento-teste. Porém, o evento que deveria ocorrer no Centro de Convenções de Salvador, no dia 29 de julho, não se realizou. Segundo os coordenadores, ele deverá acontecer entre agosto e setembro - caso a situação das UTIs seja favorável-, com um público de 500 pessoas que já tenham recebido pelo menos a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

Já o governo do Estado de São Paulo definiu um calendário que se estende até novembro e conta com 30 eventos-testes, realizados com todos os protocolos de segurança e testagem de todos os participantes. O primeiro foi a Expo Retomada, em Santos, no dia 22 de julho. Das 1.200 pessoas que participaram do evento, durante dois dias, apenas duas testaram positivo.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close