Faça uma busca


|
Publicado em: 20 de fevereiro de 2021

Não foi um asteroide? Há uma nova teoria para o fim dos dinossauros

Estudo da Universidade de Harvard aponta fragmento de cometa como possível causa.

Imagem: Bilanol/iStock

Até bem recentemente, a teoria de que os dinossauros foram extintos por causa da chegada de um asteroide à Terra era a mais bem aceita pela comunidade científica. No entanto, novas evidências podem trazer outra possibilidade à tona.

De acordo com estudo feito por pesquisadores da Universidade de Harvard e publicado na Scientific Reports na segunda-feira (15), um fragmento da nuvem de Oort — um grupo de objetos gelados localizados na borda do Sistema Solar — foi desviado do seu curso pelo campo gravitacional do planeta Júpiter.

Leia mais: Lua é mais rica em água do que se imaginava, diz Nasa

O fragmento, por sua vez, foi lançado até o Sol, cujas forças de maré — efeito secundário da força da gravidade o qual é responsável pelo surgimento das marés — quebraram este fragmento em diversos pedaços menores.

Este tipo de evento aumenta a taxa de cometas, já que estes fragmentos cruzam a órbita da Terra e atingem o planeta a cada 250 ou 730 milhões de anos ou mais.

Desta forma, um fragmento de cometa poderia ser a razão do impacto que gerou a cratera Chicxulub, na península de Iucatã, no México.

Com mais de 180 quilômetros de extensão, a Chicxulub está ligada ao fim do período Cretáceo-Paleógeno, da era Mesozoica, responsável pela extinção não apenas dos dinossauros, mas de 75% da vida na Terra existente na época do evento.

Qual é a diferença entre um cometa e um asteroide?

asteroides
Imagem: Mode-list/iStock

Um asteroide é composto de rochas e metais e possui uma órbita elíptica. Seu período orbital é de 1 a 100 anos e, em termos de tamanho, pode ter de 1 a 100 quilômetros de diâmetro. Diferentemente de um cometa, não apresenta uma cauda em momento algum.

cometa atravessando o céu
Imagem: PaulFleet/iStock

Por sua vez, um cometa é composto de gelo, hidrocarbonetos e pequenos fragmentos rochosos, possuindo uma órbita difusa. Seu período orbital costuma variar entre 75 a mais de 100 mil anos. O núcleo de um cometa pode ter de 1 a 10 quilômetros. Quando se aproxima do Sol, apresenta uma fina cauda, que pode ser vista da Terra.

Há controvérsias…

Apesar das novas evidências, muitos pesquisadores não concordaram com a teoria de que um cometa teria sido o responsável pela cratera Chicxulub. Eles afirmam que a proporção de Iridium encontrada ao redor do planeta após o impacto é a mesma vista em amostras de meteoritos de asteroides, que que o pedaço do comenta em questão não seria grande o suficiente para uma cratera desse tamanho.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados