Faça uma busca
|
Publicado em: 2 de agosto de 2021

13 novelas inspiradas em livros e que você não sabia

Descubra quais enredos tiveram a literatura como base e os títulos dessas obras

Imagem: george tsartsianidis/iStock

O Brasil é um dos maiores criadores e exportadores de telenovelas. Mas para ter tanta criatividade os autores consultam diversas fontes, inclusive a literatura. E desde os primórdios da teledramaturgia, muitas novelas inspiradas em livros já foram exibidas.

Leia também: 10 indicações de livros para quem ama distopia

Ainda hoje, esse é um recurso muito usado pelos autores de novela. Há pouco tempo, a obra da escritora inglesa Jane Austen serviu de base para o roteiro da novela “Orgulho e paixão”, exibida na Rede Globo. Mas não são só as novelas que seguem esse processo de criação.

A minissérie “Dois irmãos”, por exemplo, que foi ao ar em 2017, conta a história do livro de mesmo nome escrito por Milton Hatoun. Para fazer “A casa das sete mulheres”, outra minissérie de muito sucesso na TV brasileira, Leticia Wierzchowski se inspirou em sua obra homônima.

Os diferentes meios de comunicação, como a televisão e o cinema, podem contar com a literatura, sem dúvida, uma fonte rica de histórias, e nossos autores exploram amplamente esse recurso. Confira a seguir algumas novelas inspiradas em livros que marcaram época.

  • Marilia Cabral/Divulgação

    Orgulho e paixão

    Diversos livros escritos por Jane Austen, como “Razão e sensibilidade”, “Orgulho e preconceito” e “Emma” (1815), serviram de inspiração para Marcos Bernstein escrever “Orgulho e paixão”. Entre outras novelas inspiradas em livros, esta trama conta a história das irmãs Benedito, que, contra os costumes dos anos 1910, buscam seus sonhos e desejos.


  • Divulgação

    Cabocla

    A novela de Benedito Ruy Barbosa é livremente inspirada na obra homônima de Ribeiro Couto. Além da versão mais recente, exibida em 2004, já tiveram outras duas: em 1959 e 1979. “Cabocla” conta a história de amor entre Zuca (Vanessa Giácomo) e Luís Gerônimo (Daniel de Oliveira) nos anos 1920, na cidade fictícia de Vila da Mata.


  • Divulgação

    A padroeira

    O livro “As minas de prata”, de José de Alencar, foi a principal fonte de inspiração para Walcyr Carrasco escrever o roteiro de “A padroeira”. Abordava o fato histórico do aparecimento da imagem de Nossa Senhora no Rio Paraíba do Sul.


  • Divulgação

    As aventuras de Poliana

    O livro “Poliana” é uma clássico da literatura, escrito, em 1915, por Eleanor H. Porter. Mas, apesar de ter sido publicado há tantos anos, ele ainda continua inspirando muita gente. A novela “As aventuras de Poliana”, por exemplo, tem como base a história desta menina que sempre vê com bons olhos as adversidades da vida.


  • Reprodução

    O cravo e a rosa

    Quem se divertiu com as trapalhadas de Petruchio e Catarina talvez nem imagine que esta história foi baseada em uma peça de Shakespeare. “A megera domada”, escrita em 1594, pelo autor inglês, conta a história da filha mais velha de um rico comerciante que precisa se casar primeiro, contra a sua vontade, para que sua irmã, Bianca, possa se casar também. E o pretendente será o xucro Petruchio.


  • Raquel Cunha/Divulgação

    Éramos seis

    A história de Maria José Dupré já foi produzida para a televisão cinco vezes: a primeira, na RecordTV; duas vezes na Rede Tupi; depois, no SBT; e, por último, na TV Globo. A história da família Lemos, com os dramas de Dona Lola e seus 4 filhos, já alcançou várias gerações.

     


  • Divulgação

    Essas mulheres

    Três obras do autor José de Alencar foram as fontes de inspiração para o roteiro da novela “Essas mulheres”. Produzida e exibida pela Record TV, em 2005, a novela misturou, dessa forma, as histórias dos livros: “Lucíola”, “Senhora” e “Diva”.


  • Reprodução

    Tieta

    A novela “Tieta” foi um grande sucesso de audiência e marcou a história da teledramaturgia brasileira. Sua história foi livremente inspirada no livro “Tieta do Agreste”, de Jorge Amado. E fala sobre a vida de Tieta, uma mulher à frente do seu tempo que, após ser expulsa de casa, sai da Bahia para São Paulo e retorna, depois de muitos anos, para se vingar de sua família.


  • Divulgação

    Porto dos milagres

    Jorge Amado também inspirou os autores de “Porto dos milagres”. Mas, dessa vez, Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares consultaram os livros “Mar morto” e “A descoberta da América pelos turcos”Um triângulo amoroso entre Gumercindo, Esmeralda e Lívia é o que movimenta a trama principal da novela; o enredo tem muitas referências a Iemanjá e à Bahia.


  • Divulgação

    A escrava Isaura

    “A escrava Isaura” é um livro escrito por Bernardo Guimarães, em 1875, que se tornou novela em 1976 (TV Globo) e ganhou uma nova versão em 2004 (TV Record). O romance conta a história de Isaura, uma escrava mestiça que encanta toda a sociedade com sua beleza. Porém, ela precisa lidar com a obsessão de Leôncio, que quer tê-la como propriedade, e manter-se viva para seu verdadeiro amor, Álvaro.


  • Reprodução

    Ciranda de pedra

    Esta também foi uma novela que teve duas versões, uma exibida em 1981 e a outra, em 2008. Sua história é baseada no livro homônimo da autora Lygia Fagundes Telles. Nela, podemos acompanhar a história de Laura, que sofre de transtornos psicológicos e tem problemas no casamento, e de suas três filhas.


  • Reprodução

    Gabriela

    Outra obra de Jorge Amado serviu de inspiração para os autores de novela. E dessa vez o livro escolhido foi “Gabriela”. Sua primeira versão televisiva foi em 1970, eternizando Sônia Braga no papel principal; posteriormente, em 2012, foi a vez de Juliana Paes encarnar a morena. Nesta novela você conhecerá mais sobre os costumes e comportamento da sociedade dos anos 1920 de Ilhéus – BA.


  • Reprodução

    Sinhá moça

    Em uma época de escravidão, Sinhá Moça, Rodolfo e Rafael têm um único objetivo, libertar todos os escravos e lutar pela causa abolicionista. Essa é a trama principal da novela que foi ao ar em duas versões, em 1986 e em 2006. Todo esse enredo foi inspirado na obra homônima de Maria Dezonne Pacheco Fernandes, escrita em 1950.


Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close