Quer ter suas finanças equilibradas, sem dívidas, com reserva de emergência e investimento para realizar um sonho ou para aposentadoria? Quer viver o dia a dia com mais conforto e menos preocupação? Parece impossível?

Nós afirmamos: isso é possível. E só depende de você! Basta conhecer esses 9 segredos, traçar metas, colocá-los em prática e então usufruir da sua grana.

Sempre vale lembrar que o planejamento é “a alma do negócio”. Quem se organiza e tem disciplina consegue atingir metas e realizar sonhos. Além disso, está mais perto de conquistar a independência financeira e viver de renda. Saiba mais sobre como se planejar para conquistar a sua independência financeira em “planeje seu patrimônio de acordo com os seus objetivos”. Aí vai ver como valeu a pena fazer esforços, evitar gastos que não podia ou que não eram necessários.

A maioria dos “gurus” dos investimentos concorda com um comportamento que é saudável para as finanças. Segundo eles, quem vive um pouco abaixo do padrão de vida que pode ter, consegue ter patrimônio sempre. E isso não significa necessariamente abrir mão de conforto. Basta evitar: esbanjar, fazer gastos desnecessários e viver no limite da renda. Este comportamento não está listado dentre os 9 segredos que você vai conhecer agora, mas eles estão alinhados a ele.

Confira os segredos para alavancar suas finanças:

  • 1º Segredo: Conheça seu orçamento. Veja como é fácil montar o seu controle

    Controle suas finanças apurando exatamente quanto entra de grana e quanto sai. Ou seja, saiba exatamente quanto você ganha e quanto você gasta. Isso facilita muito para acompanhar e controlar os gastos. A dica mais comentada de todos os especialistas em finanças pessoais é fazer uma planilha de controle de gastos. Isso não é difícil. Na verdade, isso é muito simples. Veja um passo a passo:

    • Anote todas as receitas recebidas (salário, pensão, indenizações, receitas de vendas com atividades extras; vendas de desapegos, etc.)
    • Anote todas as despesas. Não esqueça as despesas variáveis. Elas podem surgir ao longo mês, assim, você deve completar a tabela até o final do período. Veja o exemplo da imagem acima;
    • Na data do recebimento pague todas as despesas fixas (moradia, lazer, cartão de crédito, financiamentos, parcelas de empréstimos, etc.). Não esqueça a parcela para os seus investimentos. Ela não é uma despesa fixa, mas se for encarada desta forma, você se obrigará a poupar. A menos que você esteja endividado, esse é um dos pagamentos (a si mesmo) que você deve priorizar.
    • Apure o saldo do seu orçamento. Ele é o resultado do total da soma de todas as receitas menos o total da soma das despesas. O ideal é que este saldo seja positivo. As receitas devem ser maiores do que as despesas sobrando um valor no final do mês. Se você vive no limite da sua renda, deverá, ao menos, terminar em zero.

    O mesmo deve acontecer no final do ano. Também é importante montar um orçamento para o ano todo. Neste caso você faz o planejamento das grandes despesas que você já sabe que vai ter ao longo do ano. Assim, já reserva um valor para pagamento de IPTU, IPVA, DPVAT, seguro do carro ou imóvel, viagens de férias, etc.

    utah778/iStock
  • 2º Segredo: Não gaste tudo o que recebe

    É essencial manter o orçamento sobre controle. Jamais gastar mais do que ganha e procurar não gastar tudo o que recebe. È preciso ter uma sobra para investir, por menor que ela seja. Por isso conhecer os seus gastos e ter o controle sobre o consumo é tão importante. Por isso especialistas em finanças recomendam cortar compras de coisas que não sejam necessárias num dado momento.

    Isso não se aplica só a supérfluos. Um exemplo muito simples é o planejamento das compras no supermercado, para não comprar produtos demais. Acredite, isso pode ajudar a manter a saúde financeira. Se você já tem carne suficiente para as refeições do mês no congelador (produto caro), não é necessário comprar mais.

    Este custo pode ser revertido para investimentos. Parece besteira? Na verdade, isso chama-se organização e planejamento. Quer outro exemplo de situação que não costuma ser levada a sério? Desperdício de comida que é estocada na dispensa ou geladeira e perde a validade.

    Você tem coragem de consumir comida vencida? E se os custos de todos os alimentos desperdiçados em um ano tivessem sido investidos no Tesouro Direto? Quanto será que você teria guardado?

    Já comentamos sobre a importância de formar uma reserva de emergência. Ela protege o orçamento quando surgem necessidades inesperadas, imprevistas e improváveis evitando que se faça empréstimos. Acontecimentos inesperado como um tratamento médico ou ter de pagar uma indenização a alguém, podem ser o gatilho para endividamento. Comprar coisas demais pelo hábito de comprar também.

    Aqui no site você encontra milhares de dicas de como economizar no dia a dia. Aproveite!

    Vergani_Fotografia/iStock
  • 3º. Segredo: Pague as contas sempre em dia

    Não pague boletos depois dos vencimentos. Nem mesmo com um dia de atraso. Grande parte das pessoas perde dinheiro pagando multas e juros que não precisaria pagar. Para sucesso absoluto nesta meta, disciplina e organização são fundamentais. Imagine ter a luz cortada por falta de pagamento! É uma hipótese pior do que se esforçar para economizar energia em casa ao longo do mês.

    Você tem dificuldade de lembrar dos vencimentos? Armazene os boletos em uma caixa em local visível com uma etiqueta “contas a pagar”. Você pode ainda separá-los por datas de vencimento dentro da caixa. Ou pode pagar todas as contas na data de recebimento do seu salário. Não espere a data de vencimento dos boletos.

    Outra opção é o débito automático. Ele é muito útil nesse sentido. Neste caso acompanhe os demonstrativos e faturas para ter certeza de que não está sendo cobrado com erro. A qualquer sinal de cobrança indevida, reclame com o fornecedor do serviço.

    artisteer/iStock
  • 4º. Segredo: Use o cartão de crédito a seu favor

    O cartão pode ser uma excelente ferramenta para administrar o vencimento dos pagamentos. Chamamos isso de ajuste do fluxo de caixa (data de entrada e de saída da grana da sua conta).

    Você pode concentrar gastos, por exemplo com supermercado, para pagar em data mais à frente. Isso é vantajoso para quem recebe quinzenalmente e paga o cartão de crédito na segunda quinzena. Também vale a pena quando você consegue adiar uma despesa fazendo a compra na data do fechamento da fatura. Com isso joga a despesas para o mês posterior. Sabe quando os bancos dizem que você consegue 40 dias para pagar? É por isso!

    O parcelamento de compras no cartão também pode ser muito vantajoso se for usado com inteligência, planejamento e controle. A primeira condição é que a compra parcelada seja sem juros. Se forem cobrados, já não vale a pena o custo adicional.

    A segunda condição é que as parcelas caibam no seu orçamento mensal. E isso vale para o total das parcelas de todas as compras no mês. O cartão de crédito só é um bom meio de pagamento para quem paga o valor total da fatura. Se não for assim, é uma boa porta para dívidas.

    Os melhores cartões são aqueles sem anuidade. Ou, quando ela é cobrada, possuem um bom programa de pontos. Em alguns casos é possível até mesmo fazer compras em supermercado com os pontos acumulados. Fique atento! Esses descontos (produtos, serviços e milhas) só valem a pena quando você consegue concentrar despesas obrigatórias no cartão. Por exemplo, gastos com passagens em transportes públicos.

    Você vai ter que pagar por isso de qualquer jeito. Se puder pagar com o cartão de crédito, consegue adiar o pagamento (o dinheiro não sai da conta naquele momento). Caso seja necessário fazer gastos extras, que não caibam no seu orçamento, os pontos saem caros demais.

    Verifique se o banco cobra taxas para o pagamento de contas de serviços (água, luz, gás, etc.) no cartão. O custo adicional com essa taxa também não vale a pena. Se não houver taxa, pode ser vantajoso adiar esse pagamento para uma data posterior a um recebimento.

    Aprenda como usar cartão de crédito sem se endividar e veja mais dicas sobre o uso do cartão de crédito em “cartão de crédito: aliado ou inimigo?”

    alexialex/iStock
  • 5º. Segredo: Poupe aquilo que você consegue

    Não despreze a sua capacidade de guardar dinheiro e nem os seus centavos. Sabe aquele cofrinho de criança? Saiba que ele é um bom começo. É uma forma das moedas não serem desprezadas ou perdidas e poderem ser aproveitadas.

    Mesmo que no final do mês sobre pouco na conta, esse é o valor que deve ser guardado. Se você não estiver endividado reserve esse valor para sua reserva de emergência. Comece a investir, apenas comece. Nesse primeiro momento, com pouquinho dinheiro ou moedas, que sejam, o importante é a conscientização sobre a necessidade de guardar.

    Pague-se primeiro. Observe na imagem da planilha de orçamento que mostramos que os “investimentos” estão na coluna de despesas. Isso mesmo. Encare seus investimentos como uma obrigação de pagar. Assim, todos os meses você terá um dinheiro reservado para imprevistos, planos como viagens ou para o futuro.

    Aqui no site você encontra muitas e muitas dicas de como começar um investimento com pouquíssimo dinheiro. Já demos diversas sugestões como a transferência programada para a poupança, a partir de R$ 1,00. Tesouro direto a partir de cerca de R$ 30,00. Fundos de investimentos a partir de R$ 500,00. Entre outras tantas opções.

    6okean/iStock
  • 6º. Segredo: Busque informação sobre economia doméstica e finanças pessoais

    Você não precisa gastar nem um centavo para cumprir esta meta! Aqui no site de Seleções compartilhamos gratuitamente conteúdo sobre educação financeira. Você encontra:

    • Informação sobre investimentos e sobre endividamento e como sair dele;
    • Conteúdo sobre empreendedorismo, oportunidades de negócios e de como ganhar dinheiro;
    • Dicas para economizar no dia a dia seja com aproveitamento de alimentos, materiais ou comportamento sustentável;
    • Tutoriais de tarefas faça você mesmo;
    • E inclusive informações sobre os seus direitos.

    Procure livros sobre finanças e economia pessoal. Cursos livres para ampliar os conhecimentos nesses temas são uma boa opção de investimento de dinheiro e de tempo. Quanto mais conhecimento, melhores condições de tomar boas decisões sobre seu dinheiro e seu orçamento pessoal.

    E mais, quanto mais você entender sobre finanças, menores chances terá de ser enrolado por oportunistas. Terá também argumentos para se esquivar de gerentes que empurram produtos financeiros somente visando bater meta.

    Jovanmandic/iStock
  • 7º. Segredo: Investir sempre

    Garanta a grana necessária para viver com conforto, atingir objetivos e ter sempre uma grana extra. Mesmo que você atinja um volume de dinheiro suficiente para viver sem depender de terceiros, continue investindo. O objetivo é manter o padrão de vida e de recursos.

    Na aposentadoria ou na perda do emprego formal a renda sofre uma drástica redução. Você precisa estar preparado para isso. Por isso, confira agora mesmo como juntar dinheiro para o futuro.

    O objetivo é ter o dinheiro trabalhando para você e não o contrário. Ele deve se multiplicar sozinho. Isso parece impossível? Leia nossas dicas de investimentos e procure aquele que combina melhor com seu perfil de investidor.

    Conheça os tipos de investimento e, ainda, como saber se um investimento é realmente bom.

    /iStock
  • 8º. Segredo: Diversifique seus investimentos

    Ao contrário do que pensa a maioria das pessoas, a ideia de diversificar os investimentos não visa somente ganhar mais. Outro objetivo é evitar perdas. Distribuir o dinheiro entre diversas opções visa que, se um investimento dá prejuízo, outro que dê lucro compense a perda. Assim, o total do patrimônio continua o mesmo. Chamamos isso de “blindar” o patrimônio.

    Por isso especialistas em finanças recomendam combinar as aplicações. Parte em tipos de investimento de menor risco (renda fixa) e parte em opções de maior risco (renda variável).

    De acordo com o perfil de investidor e o objetivo (de longo ou curto prazo) a proporção pode variar. Para quem está começando a construir o patrimônio, costuma-se recomendar maior parte em renda fixa (carteira mais conservadora).

    Ela costuma ter menos ganhos, mas o risco de perda é baixo. Quem está construindo o patrimônio, em geral, não quer correr o risco de perder, porque ainda tem pouco. Para quem já possui um capital maior é menos preocupante arriscar para ganhar mais, sem comprometer tudo o que construiu.

    Vergani_Fotografia/iStock
  • 9º. Segredo: Seja feliz com a sua independência financeira e ensine os seus filhos a seguirem os seus passos

    • Mantenha sempre o orçamento sobre controle.
    • Conserve a sua reserva de emergência.
    • Mantenha a frequência com que faz seus investimentos. Ela pode ser reduzida quando chegar o momento da aposentadoria. Ou quando você já tiver construído um patrimônio suficiente para ter conforto e saúde nessa etapa.

    Comece hoje mesmo a sua trajetória para ter sucesso com suas finanças!

    fizkes/iStock

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!