Você escolheu o modelo esportivo dos sonhos! Ele tem a cor mais linda e é o último lançamento da montadora; que está anunciando promoção. Além disso, tem descontos e adicionais de série para compras no próximo final de semana. O negócio é bom tendo em conta a baixa taxa de juros do financiamento com o banco da própria montadora. Mas, pense bem antes de comprar. Um carro ou moto não custam apenas o valor do financiamento. Já pensou nisso?

O maior erro de quem compra um veículo e não consegue pagar o financiamento até o final é a falta de planejamento. Portanto, antes de decidir pela compra, avalie os impactos que o financiamento e a manutenção vão causar no seu orçamento. Junto com o financiamento do carro vêm outras despesas.

Não se endivide demais e planeje os gastos com o financiamento!

Primeiramente, considere que não é recomendável ter dívidas acima de 20% do seu patrimônio. Isso inclui os valores que você já gasta com o seu cartão de crédito, cheque especial e financiamento imobiliário. O financiamento do carro ou da moto deverá se encaixar nesse limite. Isso sem considerar as suas despesas fixas com alimentação, moradia, transporte e educação que devem levar até 50% da sua renda bruta. Ou seja, para um bom planejamento financeiro deve sobrar 30% do que você ganha bruto (descontados IR e INSS) para gastar com lazer, vestuário e eventualidades como remédios e gastos com tratamentos médicos que sejam necessários e para reservar para seu futuro (investir).

Considere o gasto com o seguro do carro. Antes de comprar consulte algumas corretoras sobre o valor do seguro que será pago anualmente e a forma de pagamento. Então, verifique se há desconto para pagamento utilizando um determinado cartão de crédito; a possibilidade de utilizar pontos de clubes de fidelidade etc. Lembre também que o valor do seguro depende do modelo do carro (modelos esportivos que correm mais possuem seguros mais caros); do perfil do motorista (idade, sexo, se tem família, se usa para o trabalho, se possui garagem no trabalho e na residência etc.); e da localidade de residência do motorista (por CEP);

Assine nosso conteúdo exclusivo

IPVA e Seguro DPVAT

Ao transferir o veículo para o seu nome, você terá que pagar essas duas taxas anualmente. Atualmente são pagos em guias diferentes. O boleto do IPVA em regra é emitido por um banco que mantenha um convênio com o Governo do Estado para realizar esta arrecadação. Porém, desde 2018, o boleto do DPVAT passou a ser emitido diretamente pela Seguradora Líder, que administra este seguro. Consulte o site seguradoralider.com.br.

Manutenção

Esse gasto não se refere apenas às despesas com consertos que sejam necessários. Eles incluem as revisões do veículo na concessionária, que podem ou não ter um custo fixo; além dos custos com limpeza; revisões em oficinas mecânicas antes de viajar; e a troca de pneus que desgastam com tempo (em média a cada 4 anos dependendo da utilização do carro).

Custo benefício

Avalie também se o investimento vale a pena do ponto de vista de sua utilização. Atualmente, com o crescimento dos aplicativos de transporte de passageiros – que inclusive aumentaram a competitividade dos serviços de táxis (que passaram a oferecer descontos sobre sua tarifa) -, o conforto de se locomover de carro tornou-se mais acessível. Se você costuma se deslocar para o trabalho todos os dias de carro, viaja de carro com frequência porque possui casa de praia ou na serra ou costuma visitar parentes que moram distante, o veículo pode ter uma boa relação custo benefício. Inclusive, não deixe de perguntar ao vendedor quantos quilômetros o carro percorre com 1 litro de gasolina. Assim você conseguirá estimar o seu gasto mensal com combustível.

Tudo considerado na ponta do lápis? Então vá em frente!

Por Samasse Leal

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!