A biodiversidade da Amazônia é uma de nossas maiores riquezas. Milhões de espécies animais vivem no Rio Amazonas e na Floresta Amazônica. Selecionamos algumas que você não encontrará em nenhum outro lugar do planeta.

Confira também: 15 coisas que você pode fazer para preservar o meio ambiente

1. Arara-de-garganta-azul

Durante muitos anos acreditou-se que esse grande pássaro azul, verde e amarelo tinha sido extinto na década de 1980, em razão do desmatamento na Floresta Amazônica e da caça para comércio. No entanto, cerca de 50 pássaros dessa espécie foram encontrados na Bolívia em 1992. A American Bird Conservancy e sua contrapartida boliviana vêm trabalhando para designar áreas de proteção para elas. Estima-se que agora a população dessas aves esteja em torno de 450.

  • 2. Boto-cor-de-rosa

    Esse é um dos representantes mais famosos da Amazônia. Infelizmente, em razão de ameaças causadas por barragens e da contaminação da água e dos alimentos pela mineração, o boto-cor-de-rosa encontra-se na classificação de espécie vulnerável pela World Wildlife Fund (WWF). Em 2018, o Peru criou um parque nacional, o Yaguas, perto da fronteira com a Colômbia, para ajudar a proteger os botos-cor-de-rosa e outras espécies da Amazônia.

    aniroot/iStock
  • 3. Titi (zogue-zogue)

    Este pequeno macaco cinza acastanhado, pertencente à espécie Callicebus miltoni, está criticamente ameaçado. De acordo com a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), eles estão a um passo de se tornarem extintos. Isso ocorre devido sua venda no mercado negro e pela destruição de seu habitat pelos seres humanos. 

    www.monotocon.org
  • 2. Sagui-leãozinho

    Também conhecido como sagui-pigmeu, é o menor macaco do mundo – e um dos animais mais fofos que existem. Eles são ainda menores do que parecem, por causa do pelo farto. O adulto mede de 12 a 15 cm de comprimento (excluindo a cauda) e pesa cerca de 100 g. Gostam de viver no alto da copa das árvores. Apenas 25% dos bebês chegam à idade adulta. O sagui-leãozinho também é caçado e vendido ilegalmente como animal de estimação. O desmatamento também é uma ameaça para a espécie.

    Gypsy Picture Show/iStock
  • 5. Macaco-barrigudo

    Os macacos-barrigudos vivem nas nevoentas florestas de maior altitude na Amazônia, principalmente no Peru e no Brasil. Eles medem aproximadamente de 45 cm a 60 cm de comprimento, e têm cauda longa e grossa e ventre proeminente. São considerados uma espécie ameaçada de extinção, em grande parte devido ao desmatamento das florestas para mineração e agricultura. Os filhotes também são alvo do comércio ilegal de animais e, na caça, muitas vezes as mães são mortas.

    Truus & Zoo
  • 6. Uacari

    O uacari, também conhecido como uacari-branco, é um dos mamíferos que vivem exclusivamente na bacia do Rio Amazonas. Esses primatas de cauda curta comem apenas frutas e vegetais, mas são ameaçados por seres humanos que às vezes os caçam em busca de comida. Um risco maior para o primata é o desmatamento.

    DC_Colombia/iStock
  • 7. Ariranha

    Essa espécie ameaçada de extinção é encontrada apenas em partes remotas da Amazônia, onde, segundo estimativas, existe uma população de apenas 2 mil a 5 mil delas. A perda de hábitat continua a ameaçá-las, embora a maioria tenha sido exterminada por caçadores em busca do pelo. São carinhosas e barulhentas e podem ser vistas em estado selvagem no Centro de Vida Selvagem do Rio Heath, no Peru.

    reisegraf/iStock
  • 8. Rabo-de-arame

    Muitos pássaros também são endêmicos da floresta amazônica. O Rabo-de-arame é uma ave de 13 cm que parece estar sempre usando um capuz vermelho em sua cabeça. Encontrado apenas na bacia ocidental da Amazônia, ele é conhecido por ter uma das danças de acasalamento mais elaboradas do mundo. 

    https://www.wikiaves.com.br
  • 9. Galo-da-serra

    Este pássaro, que pode chegar até 28 cm de altura, vive nas florestas tropicais da Colômbia, Venezuela e Brasil. Eles têm um distintivo meio círculo na cabeça. Os machos são laranja-brilhante e as fêmeas são cinza-oliva. Caleb Compton, biocientista americano, descreve o curioso ritual de acasalamento desses pássaros: as fêmeas assistem enquanto cerca de 40 machos exibem um cortejo elaborado, na espera de receber um selinho nas costas de uma delas – o sinal de suas escolhas.

    amsterdamned/iStock
  • 10. Jacu-cigano

    Com cerca de 40 cm de altura, os jacu-ciganos são fáceis de detectar nos lagos e rios da bacia amazônica. O Laboratório de Ornitologia da Cornell compartilha que o “jacu-cigano é um pássaro tão bizarro e único que quase é preciso ver para crer.” 

    webguzs/iStock
  • 11. Pirarucu

    Outro animal tipicamente brasileiro, que vive nas águas da Amazônia e em seus afluentes, lagos e pântanos, é o pirarucu. Considerado um dos maiores peixes de água doce do mundo, o pirarucu pode atingir 3 metros e pesar até 200 kg. Seu sistema respiratório é composto por dois aparelhos, um com brânquias para respiração aquática e outro especializado para funcionar como um pulmão. Por esse motivo, eles ficam perto da superfície da água, o que os torna fáceis de capturar com um arpão. A principal ameaça do pirarucu é a sobrepesca.

    OnickzArtworks/iStock
  • 12. Jacaré-açu

    Um morador de água menos amigável é o jacaré-açu. Este imenso jacaré pode chegar aos seis metros de comprimento, sendo considerado o maior predador da Bacia Amazônica. Eles matam suas presas, que incluem veados e antas, de uma maneira horrenda: primeiro as afogam e depois as engolem por inteiras. Quando são filhotes, o jacaré é predado por pássaros, roedores e outros animais. Já para os jacarés adultos, a principal ameaça consiste na ação predatória dos seres humanos, que os matam para consumir sua carne e destroem seus habitat.

    Uwe-Bergwitz/iStock
  • 13. Sucuri-verde

    Algumas vezes na água, outras fora dela: esse é o hábito da sucuri-verde, a maior cobra do mundo em termos de peso (a píton-reticulada pode crescer mais, porém pesa apenas a metade), de acordo com a National Geographic. Para dominar suas presas, a sucuri, que pode chegar a quase cinco metros de comprimento, envolve o seu alvo e o engole por inteiro – mesmo aqueles tão grandes quanto onças-pintadas.

     

    Adaptado do artigo de Johanna Read (rd.com)

    loeskieboom/iStock

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!