Estamos acostumados a ouvir lendas sobre o Olimpo grego, com o magnífico Zeus, a encantadora Afrodite e o destemido Hades. Mas além da mitologia grega, tão rica e interessante é também a mitologia brasileira dos povos tupi-guarani.

Por meio de um conjunto de narrativas sobre deuses e espíritos da floresta os povos indígenas explicavam e transmitiam às suas gerações o que viam. Sobretudo os fenômenos naturais, como o nascer do sol, a concepção de uma criança e o movimento das marés. 

Entre os povos indígenas do Brasil existem diversas mitologias, como a dos povos ianomâmis, charruas e caiapós.

A mitologia tupi-guarani é uma das mais difundidas no Brasil. Com ilustrações de Vinícius Galhardo, confira a história por trás de algumas de suas entidades.

Por dentro da mitologia brasileira tupi-guarani: 

Vinicius Galhardo

Ceuci

Ceuci é a Deusa das lavouras, responsável pela proteção das colheitas. A lenda conta que Tupã a transformou na constelação de Plêiades. E quando ela aparece no céu os indígenas sabem que é a época ideal para a colheita.


Vinicius Galhardo

Anhagá

Anhangá é uma entidade das trevas que ronda as florestas e consegue mudar de forma. Sua aparição para os tupis-guaranis é considerada um mal presságio. Porém, é ele também que protege os animais da caça desenfreada, preservando o equilíbrio da natureza.


Vinicius Galhardo

Picê

Deusa da poesia e da arte, Picê trouxe mais alegria para as pessoas por meio de seus versos.


Vinicius Galhardo

Iara

A Senhora das Águas, de acordo com a mitologia tupi-guarani, é uma sereia que vive no rio Amazonas e o protege por meio de seu encanto, que atrai os pescadores para dentro dele.