Não é todo dia que temos histórias engraçadas para contar, mas a verdade é que dá para rir todos os dias .

______________

Minha mulher adora cães e por isso vive tratando de muitos vira-latas que aparecem na nossa rua. Sua atividade franciscana acabou deixando-a famosa no bairro onde moramos. Isso ficou mais evidente quando, num sábado à tarde, uma senhora bateu à nossa porta, perguntando:
– É aqui que mora a mulher do cachorro?

— CARLOS ALBERTO DA S. BARBOSA

______________

Durante longo período, estive cedido à Fiscalização Sanitária. Certo sábado, ao fazer uma blitz nos estabelecimentos comerciais em um bairro de Petrópolis, entrei numa mercearia e apresentei-me a um funcionário que lia o jornal:
– Fiscalização Sanitária! – exclamei.
Sem levantar os olhos, ele indicou:
– O banheiro é logo ali!

— PAULO THOMAZ FILHO

______________

Eu trabalhava como cozinheiro em dois restaurantes na mesma rua. Numa noite de sábado, terminei meu turno do jantar em um deles e me apressava para dirigir-me ao outro. Mas me atrasei porque uma mesa devolvia sempre um prato de batatas fritas, insistindo que estavam frias demais. Troquei várias vezes o prato, mas os clientes não se satisfizeram. Quando consegui sair, corri porta afora e cheguei ao meu segundo emprego. A garçonete me entregou o primeiro pedido:
– Cuide para que as batatas fritas estejam quentes. Esse pessoal acaba de deixar um restaurante no fim da rua que só servia batata fria.

— BILL BERGQUIST

______________

Minha mãe é fanática por limpeza. Um sábado ela mandou que eu e meu irmão fôssemos arrumar o quarto. Nós tínhamos feito uma festa na noite anterior, e ela estava irritada com a bagunça. Enquanto fazíamos o serviço, mamãe deixou bem claro que não estava nada satisfeita com nossa limpeza. Por fim, meu irmão, exasperado por ter de arrumar tudo de novo, pegou uma vassoura e perguntou:
– Posso usar isso ou você planeja ir a algum lugar?

— MARK BERMAN

______________

Mais histórias sobre mães.

______________

Em meu primeiro dia de ginástica, perguntei à menina da recepção:
– Queria malhar um pouco depois do trabalho. Quais os horários disponíveis?
– Nossa academia está aberta 24 horas por dia, sete dias na semana, de segunda a sábado.

______________

Na madrugada de um sábado, o farol de um carro de polícia apareceu refletido em meu espelho retrovisor. Depois de verificar minha carteira de motorista e o documento do carro, o policial perguntou:
– Você sabe por que o mandei encostar?
– Não – respondi.
– Uma de suas lanternas traseiras está queimada. Vou ter de aplicar uma advertência.
– Ufa! – disse sem pensar. – Achei que era por causa da minha carteira vencida.

— ANDREA SHIPPER

______________

Os embalos de sábado à noite…

Antes: Camisa dentro da calça. Depois: Barriga fora da calça.
Antes: Adoro suas curvas. Depois: Eu nunca disse que você está gorda?
Antes: Venha para a cama. Estou esperando você. Depois: Levante, seu molenga, que está na hora!
Antes: Os embalos de sábado à noite. Depois: O futebol de domingo à noite.
Antes: Não acredito que tenhamos nos encontrado. Depois: Não acredito que acabei ficando com você.

— PABLO MELLO

______________

Notícia do Correio do Povo, de Porto Alegre: “Um caixa eletrônico do Hospital Divina Providência foi roubado sábado à noite. Seis homens estacionaram uma picape perto do local e três deles renderam os funcionários do estacionamento e da recepção. O caixa era só de consultas, e não de saques.”

— RICARDO JOSÉ BOHRER

______________

Além do remédio para tratar o problema cardíaco de seu cachorro, minha amiga recebeu uma folha com adesivos para colar no calendário como lembrete de dar o medicamento ao bichinho. Ela colou os adesivos de coração no calendário da cozinha, marcando o primeiro sábado de cada mês. Quando o marido percebeu os lembretes, sorriu de orelha a orelha, virou para a mulher e disse:
– Você está programando algo especial para esses dias?

— MARY LOUISE RUSSO

______________

Meu primeiro ministério pastoral foi como assistente para a juventude numa igreja. No primeiro ano, um evangelista se reuniria com nosso grupo durante o café da manhã de sábado. Eu estava ansioso para garantir que esse encontro fosse perfeito em todos os detalhes, de modo que os colaboradores leigos e eu concordamos em trazer as últimas flores de outono de nossos jardins para os arranjos decorativos. Na manhã seguinte, decidi caminhar até a igreja. Lá ia eu, metido num terno escuro, de gravata, chapéu e sobretudo, descendo a rua às 6h30 da manhã com um buquê de crisântemos debaixo do braço. Enquanto eu seguia pela estrada, um carro passou por mim. Depois de refletir um momento, o motorista parou, deu ré, baixou o vidro da janela, apontou para as flores e disse:
– Se você está voltando para casa a esta hora, meu chapa, é melhor comprar mais flores.

— WILLIAM C. SCHMIDT

______________