Histórias cômicas são ótimas opções para soltar uma boa gargalhada e espantar o mau-humor. Confira algumas situações comuns que renderam histórias superengraçadas.

Quando o capitão de uma traineira islandesa bateu, por acidente, no iate do inglês Jim Hughes, o prejuízo causado foi de 30 mil dólares. Exatamente um ano e um dia antes, segundo o The New York Times, o capitão Erik Olafsson batera no mesmo barco, causando um prejuízo de 40 mil dólares. Quais são as probabilidades de algo assim acontecer duas vezes? Razoáveis, se considerarmos que Olafsson navegou em direção a Hughes para se desculpar pela colisão do ano anterior.

KIRSTY SCOTT

Em férias no Havaí, minha madrasta ligou para um restaurante a fim de fazer reserva para o café da manhã, às 7h. Olhando no livro de reservas, a jovem recepcionista, sorridente, disse:
– Lamento, mas o único horário disponível que temos é às 6h45. Você gostaria de reservá-lo?
– Está bem – respondeu Sandy.
– OK, confirmou a moça. – E complementou: – Mas fique ciente de que talvez tenha de esperar 15 minutos pela sua mesa.

KELLY FINNEGAN 

Minha mulher recebeu uma oferta de cartão de crédito pelo correio. Ela não quis o cartão, mas eu sim. Então, risquei o nome dela no formulário, escrevi o meu e mandei o envelope de volta. Algum tempo depois, uma funcionária da empresa ligou dizendo que minha proposta havia sido recusada. Perguntei o motivo e ela informou-me que o cartão só podia ser solicitado pela pessoa cujo nome estava originalmente no formulário. Entretanto, ela me convidou a fazer uma nova proposta em meu nome, o que fiz durante essa mesma ligação. Dias depois, recebi outro telefonema informando que minha segunda proposta para o cartão também havia sido rejeitada. Quando perguntei por quê, a mulher me disse que em seus arquivos constava que eu já tinha requisitado um cartão e ele havia sido rejeitado.

SANFORD P. BLANK

Um amigo deixava na porta de seu apartamento um recipiente para receber o leite de manhã. Mas um dia, muito cedo, tendo esquecido de colocá-lo do lado de fora, sua mulher foi despertada com fortes batidas na porta. Sobressaltada, abriu-a e deparou-se com o leiteiro. Ela o repreendeu asperamente, dizendo que não era necessário bater com tanta força. Surpresa, certamente, recebeu a seguinte justificativa:
– Desculpe. Pensei que não tivesse ninguém em casa.

OSWALDO LUIZ DE ATHAYDE 

Trabalhando como vendedor, certo dia procurava por uma empresa em um lugar que não conhecia. Cheguei a uma rua em que havia um pequeno letreiro vermelho em que se lia: “Centro Industrial.” Eu não tinha certeza se era essa mesmo a rua, então voltei até um posto de gasolina para pedir informações. O atendente apontou para o letreiro que eu tinha acabado de ler, agora quase imperceptível por causa da distância.
– Está vendo aquele pequeno letreiro lá adiante? – perguntou.
– Você está falando daquele vermelho que diz “Centro Industrial”? – indaguei.
– Caramba! – exclamou ele. – Você tem olhos de águia!

EDWARD M. LONGAN

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!