Encarar a vida com bom humor faz bem à saúde e à alma. Confira as histórias engraçadas a seguir e divirta-se!

O marido chega em casa com o rosto cheio de esparadrapo. A mulher comenta:
– Você não aprende, hein? Discutiu política com o barbeiro de novo!

— Fabio Aurélio Righetti

Trabalhei por muitos anos como supervisora regional de vendas no interior de São Paulo e tinha uma equipe formada apenas por homens. No início do ano, recebi instruções da empresa para contratar mais um vendedor e ampliarmos nossa área de atuação. Entrevistei vários profissionais e, ao fim da seleção, perguntei ao escolhido:
– Como você se sentiria tendo uma mulher lhe dando ordens?
E ele, sorrindo, me respondeu:
– Eu me sentiria em casa!

— Elisabeth Paz de Freitas

Diz o rapaz à mulher amada:
– Minha querida! Por você eu atravessarei oceanos, escalarei montanhas, cruzarei fronteiras, descerei despenhadeiros, nadarei através das correntezas…
– E para que eu quero um marido que não para em casa?

— Pedro Ulsen

À noite, enquanto o marido lê o jornal, a mulher comenta:
– Você já percebeu como vive o casal que mora aí em frente? Parecem dois namorados! Todos os dias, quando chega em casa, o marido traz flores para a mulher, abraça-a e os dois ficam se beijando apaixonadamente. Por que você não faz o mesmo?
– Mas, querida, eu mal conheço essa mulher!

— José Edson A. de Souza

Todos os dias meu irmão dava carona para mim e para a namorada dele, que trabalhava comigo na mesma loja. Fazia já algum tempo que uma das portas do carro estava quebra da e abria apenas por fora. Então, quando parávamos, ele saía e dava a volta para abrir a nossa. No fim do ano, ele e a namora da se casaram e, como iam viajar, meu irmão mandou consertá-la. Alguns dias depois de casados, ele nos deu a costumeira carona e, chegando lá, nós mesmas abrimos a porta. Foi quando ouvimos a moça da loja ao lado comentar com uma colega:
– Eu sabia que aquele cavalheirismo todo não ia durar muito depois do casamento.

— Maria A. Galvão

O marido senta-se ao lado da mulher que costura à máquina e se queixa:
– Devagar! Cuidado, a linha vai arrebentar! Vire o pano para a direita. Pare! Puxe o pano!
– Quer parar?! – grita a mulher. – Eu sei costurar!
– Claro que sabe, meu bem – retruca o marido. – Eu só queria que você soubesse como eu me sinto, porque você faz o mesmo quando estou dirigindo o carro!

— Tatiane Rodrigues