Rir faz bem para a saúde mental e do corpo. Para dar boas risadas, confira abaixo as histórias mais engraçadas que separamos para você!

Um homem chega perto do dono de uma loja e diz:
– Provavelmente o senhor já não se lembra de mim, mas há cerca de cinco anos eu estava falido, entrei aqui, lhe pedi 10 dólares e o senhor me deu.
O dono da loja sorri e responde:
– Lembro sim.
Então o outro diz:
– O senhor ainda continua generoso?

Ron Dentinger

Quando um Mercedes vermelho conversível reluzente passou por nós, minha filha Kate, de 6 anos, disse:
– Nossa, quando eu crescer vou querer um carro assim.
Perguntei‑lhe que tipo de trabalho pensava ter para poder comprar um carro como aquele.
– Vou ser professora da segunda série.
Expliquei que deveria ter objetivos mais altos, pois o Mercedes é um carro muito caro.
– Está bem – disse ela. – Vou ser professora da sexta série.

Lisa Davis

Depois de discutir a minha vida amorosa – ou a falta de uma – com minha mãe, eu contei a ela a história de uma amiga que se envolveu em um terrível acidente de carro, quebrou as duas pernas, e acabou se casando com o cirurgião ortopédico que lhe prestou atendimento. Minha mãe suspirou:
– Por que uma coisa dessas não acontece com você?

Barbara Albright

Eu e o meu “ex” tivemos um divórcio muito amigável. Sei disso porque quando postei no Facebook “Vou me divorciar”, ele foi o primeiro a clicar em Curtir.

Giulia Rozzi

Uma mulher vê um senhor idoso na varanda de casa, numa cadeira de balanço, e vai falar com ele:
– Não pude deixar de notar como o senhor parece bem alegre. Qual o seu segredo para uma vida longa e feliz?
– Fumo três maços de cigarro por dia – disse ele. – Também bebo uma caixa de uísque por semana, só me alimento de fastfood e nunca faço exercícios!
– Incrível! Qual a sua idade?
– Vinte e seis.

Karen Ellis

Minha irmã Inês, que na época tinha uns 3 anos, e eu esperávamos à porta de um centro comercial que minha mãe voltasse das compras. Como estávamos com fome, decidimos ir comprar um cachorro-quente num carrinho que se encontrava ali.
O vendedor, referindo-se aos molhos, perguntou se queríamos de tomate ou mostarda, ao que eu respondi que, para mim, queria um cachorro-quente com tomate e, para ela, um sem nada. Imediatamente, senti que ela me puxava pela manga. Olhei para baixo com ar inquiridor, e ela reclamou:
– Sem nada não, com salsicha!

José Pedro de Abreu