Não são só os seres humanos que gostam de ficar perto de quem amam. O reino animal também tem seus momentos de carinho e ternura.

Por CORNELIA KUMFERT

Imagem: GETTY IMAGES/FRANK STOBER


Até o rei dos animais precisa de um pouco de afeto e carinho de vez em quando. Estes dois machos obviamente gostam da proximidade. No caso dos leões, os fotógrafos têm observado que os machos costumam demonstrar mais ternura entre si do que com as fêmeas

Imagem: GETTY IMAGES/SAM LIANG/EYEEM


Os papagaios-da-nova-zelândia são conhecidos pela curiosidade e pelas traquinagens. Estas aves inteligentes das montanhas da Nova Zelândia também sabem relaxar, de preferência com um companheiro habilidoso em alisar penas verde-esmeralda.

Imagem: GETTY IMAGES/JOHN E. MARRIOTT


Os ursos-cinzentos têm fama de agressivos, violentos e, acima de tudo, solitários, mas estes dois adolescentes discordam. Eles decidiram resolver sua briguinha com um abraço terno; são tão fofos quanto ursos de pelúcia!

Imagem: GETTY IMAGES/STEFAN CHRISTMANN


Para estes bebês pinguins, aconchegar-se é necessário para a mera sobrevivência. Com a sensação térmica de – 180° C, o calor corporal do grupo impede que os filhotes sucumbam no clima gelado. E, é claro, todos têm sua vez no meio do abraço!

Imagem: GETTY IMAGES/CYRIL RUOSO/MINDEN PICTURES


Os bonobos costumam encontrar maneiras não violentas de resolver conflitos. Estes primatas pacifistas tentam primeiro abraçar para dissolver mal-entendidos menores, disputas ou situações de estresse, como demonstram estes dois órfãos do Congo.

Imagem: GETTY IMAGES/FABRICE GUERIN


A proximidade entre esta baleia jubarte e seu filhote não é só uma expressão de afeto – ela também ajuda a proteger o jovem animal de possíveis predadores. Para não atrair companhia indesejada, a mãe se comunica com o bebê com toques físicos ou tons “sussurrados”.

carinho de girafas

Imagem: GETTY IMAGES/STUART DEE


As girafas usam o longo pescoço para alcançar alimentos distantes no alto das árvores ou para combater rivais. Mas estas duas acharam um uso diferente e alisam ternamente a crina uma da outra.

Imagem: GETTY IMAGES/KARL VAN GINDERDEUREN/BUITEN-BEELD/MINDEN PICTURES


O elefante-marinho-do-sul passa cerca de 90% da vida na água e só fica em terra na temporada de acasalamento. Os machos não são lá muito românticos. Depois de acasalar, começam imediatamente a flertar com outras fêmeas. Este aqui, no entanto, decidiu se recompensar com abraços carinhosos.