Faça uma busca
|
Publicado em: 17 de junho de 2020

Inspiração literária: o que motiva os escritores?

Thomas Wolfe, Harold Robbins, John Keats, qual era a inspiração desses escritores?

Imagem: Avosb/ Istock

A inspiração que motiva os escritores e poetas é tão variável quanto os assuntos que escolhem. E nem todos se preocupam em criar o que se considerariam "obras de arte". 

Anthony Trollope

Para Trollope, romancista inglês da era vitoriana, ser escritor era um ofício. "Como ser sapateiro", ele dizia. "Meu objetivo primordial é viver." Trollope declarou certa vez que queria privilegiar a quantidade e não a qualidade literária de seus escritos. Por isso, habitualmente, escrevia 3.000 palavras antes mesmo do café da manhã. 

Entre 1860 e 1870, esta tarefa lhe rendeu mais de 230.000 dólares por ano – uma pequena fortuna –, mas isso não o impedia de fustigar a família e seus editores com cartas repletas de mesquinhos problemas financeiros. 

Harold Robbins

Robbins sempre teve jeito para ganhar dinheiro. Em 1936, aos 20 anos, enriqueceu na indústria de alimentos, mas perdeu tudo três anos depois. Seu primeiro romance foi publicado em 1948.

Até 1997, ano de sua morte, ganhava pelo menos meio milhão de dólares por ano com uma produção que a crítica considera "um lixo", e até mesmo "repugnante".  O que não o impede de vender 30.000 exemplares por dia em todo o mundo. Esse sucesso comercial leva Harold Robbins a considerar-se o "melhor romancista do mundo", mesmo nunca tendo ganhado algum prêmio literário.

Thomas Wolfe

Certos escritores inspiram-se neles próprios. Thomas Wolfe escreveu um romance autobiográfico de 500.000 palavras que chamou de "apenas um esboço de livro" e, quando seu editor pediu que ele encurtasse para ser mais facilmente vendido, Wolfe adicionou mais páginas. 

Apesar da insistência do editor (Max Perkins, um santo!), Wolfe recusou-se a diminuir a obra, e argumentou desdenhosamente que qualquer idiota perceberia que o livro não foi escrito por dinheiro. Conheça um pouco de sua história no filme O Mestre dos Gênios.

https://www.youtube.com/watch?v=1DwX4Fhvnzw
Trailer do filme "O mestre dos gênios", que retrata a relação de Thomas Wolfe com seu editor

John Keats

Excelente exemplos de escritor movido pela inspiração criativa é John Keats. Escrevia seus versos em ilegíveis garranchos e em pequenos pedaços de papel e, depois, escondia-os. Um amigo notou seu estranho comportamento e conseguiu recuperar vários dos seus melhores poemas, incluindo Ode a Um Rouxinol. 

Leia mais: O perigo como inspiração

Keats, contudo, ansiava ser reconhecido e ficou profundamente ferido com a hostilidade dos críticos. Em 1821, com 25 anos, Keats estava condenado pela tuberculose. Pediu que gravassem na sepultura o seguinte epitáfio: "Aqui jaz um homem cujo nome foi escrito na água."

“Acredito, sim, em inspiração, não como uma coisa que vem de fora, que “baixa” no escritor, mas simplesmente como o resultado de uma peculiar introspecção que permite ao escritor acessar histórias que já se encontram em embrião no seu próprio inconsciente e que costumam aparecer sob outras formas — o sonho, por exemplo. Mas só inspiração não é suficiente”. (Moacyr Scliar)

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


Cadastre-se GRÁTIS para continuar lendo


Você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos

Já tem cadastro? Faça login aqui.

Já sou assinante da Revista Impressa

close