Um grande susto ligado à saúde: foi disso que Kaye Newton, de 48 anos, precisou para se transformar em uma pessoa mais feliz. Antes da doença, Kaye, escritora que mora em Nashville, Estados Unidos, se descrevia como hipocondríaca, sempre preocupada com as armadilhas que se esconderiam em seu futuro, mas, depois de enfrentar uma adversidade real, ela aprendeu a mudar seu ponto de vista.

“A cirurgia me ajudou a perceber que me preocupar com a saúde não me protege de doenças nem me prepara para uma cirurgia”, diz Kaye. “Hoje me preocupo menos. Sou mais feliz e, conscientemente, presto mais atenção ao que está acontecendo.”

Seu livro Incision Decisions (“Decisões sobre incisões”) fala de como permanecer positiva depois de cirurgias.

Quanto mais vivemos, mais provável é que sejamos felizes. Incontáveis pesquisas já mostraram que, no decorrer da vida, a felicidade forma uma curva em U: somos mais felizes na infância e na velhice. No início da idade adulta, o nível de felicidade se reduz sem parar e chega ao mínimo entre os 40 e os 50 anos. Aos 50, o nível de felicidade volta a subir.

Dicas para ser feliz na vida

Para quem pretende permanecer feliz até o fim de seus dias, os pesquisadores recomendam o seguinte:

Ajuste sua atitude. Talvez você não seja capaz de controlar o que lhe acontece, mas pode controlar sua reação. “É possível desenvolver o hábito de ver o lado positivo das coisas”, diz Ligia Dominguez. “Muita gente se queixa de não ser feliz, mas não faz nada para mudar a situação.”

Aprender a ser mais otimista é um bom primeiro passo. Portanto “Comece reconhecendo os pensamentos negativos assim que surgirem e questione-os”, diz ela. “Por exemplo, a situação é tão ruim quanto parece? Haverá outra maneira de abordá-la? O que posso aprender com essa experiência para aplicar no futuro?”

Concentre-se no que já tem. Pois se você está mais fraco ou menos ágil do que há alguns anos, agradeça por ainda estar lúcido, quando tantos outros sofrem com demência e perda de memória. Portanto “Esse é um exemplo excelente de pessoa positiva e otimista, que aprecia o que tem em vez de se concentrar no que não tem”, diz Dominguez. “Ser grato faz parte do cultivo de uma atitude positiva: procurar oportunidades de saborear os pequenos prazeres da vida cotidiana e concentrar-se nos aspectos positivos daquele momento, e não nas sombras do passado nem nos maus pensamentos que podem estragar tudo.”

[…]

Por Lisa Fields

Leia esta matéria, na íntegra, e outros artigos na revista Seleções de abril.