SÃO PAULO, SP – Depois de um membro do COI (Comitê Olímpico Internacional) ter assumido a possibilidade de cancelamento da Olimpíada de Tóquio-2020 em razão do coronavírus, o comitê organizador do evento veio a público reafirmar o compromisso de sediar o torneio nas datas programadas.

Os Jogos Olímpicos deste ano estão previstos para acontecer de 24 de julho a 9 de agosto e receberão 11 mil atletas. As Paraolimpíadas, que devem receber 4.400 atletas, serão disputada de 25 de agosto a 6 de setembro.

De acordo com o comitê organizador, a visão do canadense Nick Pound, membro do COI que levantou a possibilidade de cancelamento ou adiamento da Olimpíada, "não é necessariamente a visão coletiva do Comitê Olímpico Internacional".

Ainda nesta terça-feira (25), logo após as declarações de Pound, membro do COI desde 1978, a assessoria da organização de Tóquio-2020 afirmou que a mudança dos Jogos para outra sede ou o seu cancelamento nunca estiveram em pauta.

"A organização da Tóquio-2020 seguirá colaborando com o Comitê Olímpico Internacional e com órgãos relevantes em relação a quaisquer medidas preventivas que possam ser necessárias até lá. A prevenção de doenças contagiosas constitui uma importante parte no nosso plano de sediar os Jogos Olímpicos com total segurança", diz o texto da assessoria do evento.

O ministro dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, Seiko Hashimoto, também declarou que as palavras do canadense "não são a posição oficial da entidade" e que o planejamento segue o curso estabelecido.

Segundo estimativas da OMS (Organização Mundial de Saúde), a epidemia de coronavírus já matou aproximadamente 2.700 pessoas ao redor do mundo, a maioria no China.

No Japão, pouco mais de 160 casos foram confirmados, além de cerca de 700 pessoas infectadas em um navio atracado no porto de Yokohama, ao sul de Tóquio. Cinco pessoas infectadas ou com suspeitas de terem sido contagiadas já morreram no país.

O Brasil registrou seu primeiro caso de coronavírus nesta terça.