Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Artigo exclusivo para assinantes!
Cadastre-se para continuar lendo!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 18 de setembro de 2020

Covas autoriza atividades extracurriculares nas escolas e aulas regulares nas universidades

Imagem:

SÃO PAULO, SP – O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta quinta-feira (17) a autorização a partir de 7 de outubro para que as escolas públicas e privadas da capital paulista possam reabrir para atividades extracurriculares. Ainda não há previsão de retomada das aulas regulares.

Covas também autorizou a volta às aulas presenciais e regulares nos cursos de ensino superior da cidade.

A retomada das atividades extracurriculares é opcional e deve respeitar o limite, estabelecido pelo governo estadual, de atender apenas 35% dos alunos.

A volta às aulas regulares só será decidida em novembro, segundo informou o prefeito.

Covas, que tenta a reeleição, sofre pressão de grupos opostos sobre a reabertura das escolas na cidade. De um lado, sindicatos de professores pedem que as aulas presenciais só sejam retomadas em 2021. De outro, donos de escolas querem a autorização para voltar a funcionar.

Sem acompanhar o cronograma de reabertura definido pelo governo João Doria (PSDB), que já liberou parte das atividades escolares no estado desde 8 de setembro e prevê a volta às aulas regulares em outubro, Covas segue adiando a decisão.

Nesta quinta, o prefeito também apresentou o resultado do novo inquérito sorológico feito com alunos da cidade de São Paulo. O último estudo indicou que 16,5% das crianças da cidade têm anticorpos para a doença, com prevalência maior entre os alunos da rede pública.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados