Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Artigo exclusivo para assinantes!
Cadastre-se para continuar lendo!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 6 de setembro de 2020

Covid-19 como pretexto para adiar eleição exige renúncia já, diz ambientalista búlgaro

Imagem:

BRUXELAS, BÉLGICA – O spray de pimenta cegou todo mundo, dois policiais o agarraram e Borislav Sandov, 37, se tornou um dos 126 detidos durante a maior manifestação recente contra o governo em Sófia, capital da Bulgária, na última quarta (2).

Ambientalista, dirigente do Partido Verde búlgaro e especialista em clima e energia, Sandov diz que a repressão violenta foi só mais uma prova de que seu país deixou de ser uma democracia.

O episódio que tem levado milhares de pessoas às ruas desde 9 de julho foi a tentativa de um político de oposição de entrar numa praia que deveria ser pública, mas foi apropriada por um aliado do premiê, Boiko Borisov.

"Ele se tornou dono do lugar, construiu edifícios, fez uma marina. Tudo ilegal, mas as instituições do governo atuam para encobrir as irregularidades", afirma o ativista.

A praia privatizada é uma gota d’água se comparada à corrupção ampla e à apropriação do Estado pelo que os manifestantes chamam de "máfia oligárquica", diz Sandov.

"Mas se tornou muito evidente do que está acontecendo, muito doloroso de ver. Foi a fagulha que iniciou o fogo."

Para o ambientalista, a violência da última quarta tenta quebrar a determinação dos manifestantes e dar fôlego para Borisov continuar no poder.

Há eleições marcadas para daqui a seis meses, mas Sandov diz que não faz sentido esperar: "O maior risco é que uma segunda onda de Covid-19 sirva de desculpa para que o governo adie o pleito".

Por telefone, um dia depois de ser solto, ele disse à reportagem que manifestantes búlgaros se decepcionaram com a União Europeia e falou sobre a dificuldade de criar um partido num país em que "política é uma palavra suja".

*

PERGUNTA – O sr. foi preso e indiciado, mas na Bulgária protestar não é infração, certo?

BORISLAV SANDOV – É permitido, claro. Éramos um país democrático. Infelizmente não somos mais.

PERGUNTA – Quando a Bulgária deixou de ser democracia?

BORISLAV SANDOV – Nos últimos meses, governo e polícia têm desrespeitado as leis, violado direitos humanos e a democracia. Barraram assistência legal aos detidos, espancaram jornalistas. A violência policial não é ocasional. É premeditada, seguiu ordens.

PERGUNTA – Com ou sem o consentimento do premiê?

BORISLAV SANDOV – Borisov foi policial e tem muita experiência em segurança privada. Sabe muito bem como esse tipo de repressão violenta pode gerar insegurança nos manifestantes, abater sua determinação. Não descarto instruções dele.

PERGUNTA – A repressão quebrou a determinação dos manifestantes?

BORISLAV SANDOV – Espero que não. Veremos nos próximos dias. É nosso direito protestar. Estamos na Europa, no século 21!

PERGUNTA – Considerou satisfatória a reação da UE?

BORISLAV SANDOV – Ainda estamos esperando uma reação. O partido de Borisov faz parte da maior família política da UE, o PPE [Partido do Povo Europeu, de centro-direita], e o premiê é sempre caloroso com os poderosos europeus, como a chanceler alemã, Angela Merkel, e a Comissão Europeia. Por isso, a UE se faz de cega para o que acontece na Bulgária. Dizem que não é como [o primeiro-ministro Viktor] Orbán na Hungria, não é tão ruim como a Polônia ou os países de fora da UE.

PERGUNTA – A situação na Bulgária se compara às da Hungria e da Polônia?

BORISLAV SANDOV – Tem os mesmos problemas, com a liderança autoritária de Boiko Borisov, que eu chamaria de ditador "soft": tudo no país depende dele, de suas mensagens. O Parlamento depende totalmente de suas decisões. Borisov está em seu terceiro mandato e indicou metade dos membros da Suprema Corte. Está mudando o Judiciário por dentro.

PERGUNTA – O sr. disse que "o sonho europeu dos búlgaros está se transformando em decepção e raiva". Quais as críticas à UE?

BORISLAV SANDOV – A população se ressente da falta de atenção da UE, de não ver uma reação tão forte quanto as contra a Hungria e a Polônia. Quando a Bulgária ingressou na UE, era o país mais otimista em relação ao bloco. Isso tem mudado com a progressiva perda de liberdade.

Há também revolta porque o controle da imprensa passou a ser um problema, em grande parte devido ao dinheiro que o bloco manda para o país.

O governo central o repassa só para os veículos pró-governo, até mesmo para os que espalham fake news contra a UE. O resultado foi a redução da liberdade, e a passagem de mais de 50% do controle da mídia para as mãos de um oligarca de um dos partidos da coligação do governo.

PERGUNTA – Há um sentimento antieuropeu entre os manifestantes?

BORISLAV SANDOV – Por enquanto, é apenas decepção. Pesquisas mostram que os búlgaros acreditam mais nas instituições europeias que nas búlgaras. Isso indica que uma mudança de humor para o euroceticismo não está à vista, mas estamos no meio do caminho.

PERGUNTA – Apesar de todos os problemas apontados pelo sr., Borisov foi reconduzido ao governo nas eleições de 2017, logo após ter perdido a eleição presidencial. Isso não mostra apoio popular?

BORISLAV SANDOV – Parece contraditório, mas há razões claras. A candidata de Borisov à Presidência era muito fraca, e [o atual presidente] Rumen Radev, ao concorrer como independente, uniu diversas forças políticas. Como ele nunca foi ligado a partidos, pode se tornar a opção dos que eram contra Borisov. Outro problema é que eleições parlamentares são especialmente manipuladas na Bulgária.

PERGUNTA – O fato de que as próximas eleições estão marcadas para daqui a seis meses pode enfraquecer os protestos? Não pode haver uma divisão entre os que preferem investir na via eleitoral?

BORISLAV SANDOV – O maior risco é que uma segunda onda de Covid-19 agora no outono sirva de desculpa para que o governo adie as eleições regulares.

É muito importante também que tenhamos um governo legítimo nos próximos seis meses, porque haverá decisões muito importantes na UE sobre os planos de recuperação pós-epidemia e o orçamento do bloco dos próximos sete anos, além do Green Deal [estratégia para tornar a economia europeia neutra em emissão de gás carbônico].

Não queremos dar nenhuma chance para que este governo aprofunde o que já vem fazendo nos últimos meses.

PERGUNTA – Que cenários projeta para as próximas semanas?

BORISLAV SANDOV – O primeiro é de maior pressão da UE, com o congelamento da transferência de fundos, o que afeta diretamente Borisov, que usa esse dinheiro para garantir sua estabilidade. O apoio aos protestos por renúncia, que hoje é de 60% da população, segundo pesquisas, cresce por causa da violência policial. Com isso, o governo não teria opção a não ser renunciar.

Outra possibilidade é o governo usar todos os recursos para se manter no poder até as próximas eleições, quando certamente ele será derrotado, pois a insatisfação da população só vai crescer.

O terceiro cenário é o de que o governo adia as eleições com o pretexto da Covid-19, o que deve trazer grande instabilidade, com mais conflitos como o da quarta-feira.

PERGUNTA – A consciência ambiental é forte o suficiente na Bulgária para impulsionar o Partido Verde, do qual o sr. é um dos líderes?

BORISLAV SANDOV – O partido faz parte de um movimento verde, que nos últimos 20 anos conseguiu barrar muitos projetos problemáticos, como gás de xisto [combustível fóssil obtido de rochas], plantas geneticamente modificadas. Um de nossos principais problemas agora é justamente as construções no litoral, a tentativa de transformar nossas praias em resorts turísticos.

PERGUNTA – O sr. se considera um ativista ou um político?

BORISLAV SANDOV – Política é de alguma forma uma palavra suja na Bulgária. Foi um problema três anos atrás, quando criamos o Partido Verde, porque parte dos nossos 7.000 membros eram da sociedade civil, e foi difícil assumirem-se como políticos. Mas percebemos que precisamos estar representados na esfera política.

Não é a atividade política e as políticas públicas que são sujas, são as pessoas, e cabe a nós mudar isso.

PERFIL – Borislav Sandov, 37

É coordenador da Coalizão pelo Clima – Bulgária e das campanhas da Fundação para o Meio Ambiente e Agricultura. Cofundador do Partido Verde, foi copresidente da agremiação por três anos. Formado em geografia e mestre em recursos hidroclimáticos pela Universidade de Sofia, foi um dos 126 detidos durante protesto contra o governo búlgaro na quarta (2)

ENTENDA OS PROTESTOS NA BULGÁRIA

– Quem governa a Bulgária?

O chefe do governo é o primeiro-ministro Boiko Borisov, 61, do partido de centro-direita Gerb (Cidadãos para o Desenvolvimento Europeu). Ele está em seu terceiro mandato, iniciado em 2017.

– Como começaram os protestos?

O evento visto como a fagulha que fez explodir a insatisfação pública foi a tentativa do ex-ministro da Justiça Hristo Ivanov de entrar, no dia 7 de julho, em uma praia que deveria ser pública, mas foi apropriada por um líder partidário ligado a Borisov. Ivanov foi impedido de entrar na praia e arrastado por seguranças particulares.

– De onde vem a insatisfação?

Manifestantes dizem que o país foi dominado por uma “máfia oligárquica”, com crescente abuso de poder pelo governo, ataque a instituições democráticas e corrupção.

– As críticas são fundamentadas?

Centros de estudos avaliam como deficiente a democracia búlgara. Organizações internacionais apontam perda de liberdade e avanço do autoritarismo no país. Quando aderiu à UE, a Bulgária era 37ª em liberdade de imprensa em ranking da Repórteres sem Fronteiras; hoje, é a 111ª. Um empresário ligado ao premiê passou a controlar mais da metade da mídia do país.

– O que querem os manifestantes?

A renúncia do premiê Borisov e do procurador-geral, Ivan Geshev. Para os que protestam, Borisov permite que uma oligarquia se apropie de recursos públicos.

– Por que o procurador foi envolvido?

Por ter ordenado no dia 9 de julho uma operação de busca nos escritórios do presidente Rumen Radev. Eleito com o apoio da oposição, o presidente havia apoiado as críticas de entidades da sociedade civil ao governo.

– O que responde Borisov?

Que aceita deixar o governo quando for aprovada a revisão constitucional que ele enviou ao parlamento.

Oposições e manifestantes rejeitam nova Constituição e veem manobra do premiê para se manter até o fim de seu mandato, em março de 2021, já que ele não tem o apoio de 160 dos 240 deputados para alterar a Carta.

– O que diz a UE?

Questionada sobre a repressão violenta contra manifestantes e jornalistas, a Comissão Europeia respondeu nesta sexta (4) em termos vagos. Segundo o órgão, manifestações pacíficas são um direito fundamental na democracia e o uso de força deve ser exercido “de forma proporcional”. Também pediu respeito à liberdade de imprensa.

– Se há novas eleições daqui a seis meses, porque os protestos exigem renúncia já?

Manifestantes temem que uma segunda onda de Covid-19 seja usada como pretexto por Borisov para adiar as eleições.

Eles também querem evitar que o premiê participe de decisões importantes da União Europeia neste semestre, sobre onde serão alocados recursos para a reconstrução pós-pandemia e para o orçamento dos próximos sete anos.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados