Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Artigo exclusivo para assinantes!
Cadastre-se para continuar lendo!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 8 de novembro de 2020

Ditador da Belarus diz que eleições nos EUA são ‘uma vergonha’ e ‘uma desgraça’

Imagem:

BRUXELAS, BÉLGICA – O ditador da Belarus, Aleksandr Lukachenko, afirmou neste sábado (7) que as eleições deste ano nos EUA são "uma vergonha", "uma comédia" e "uma desgraça". As declarações foram dadas durante a inauguração da usina de energia nuclear BelNPP.

"Veja o que está acontecendo com essas eleições. Isso é uma vergonha, uma paródia dessa democracia", disse Lukachenko, segundo o canal de rede social Pul Pervy, ligado à imprensa oficial da Belarus.

"Na próxima semana veremos essa comédia na linha de chegada. Isso já é uma comédia e uma desgraça para toda a democracia", afirmou a jornalistas o ditador, que enfrenta há 90 dias protestos por sua renúncia após uma eleição considerada fraudada.

Segundo Lukachenko, a indefinição na eleição americana é mais um motivo para que ele não deixe seu cargo. "É bom que isso tenha acontecido, porque vimos a essência dessa democracia. Isso é conversa fiada. Somente os fortes e aqueles que podem se manter firmes são respeitados no mundo. Nós vamos ficar", afirmou, segundo o Pul Pervy.

Os Estados Unidos estão entre vários países que impuseram sanções a membros do regime bielorrusso por reprimir violentamente manifestações pacíficas, opositores e jornalistas.

O ditador afirmou que o resultado das eleições americanas não vai alterar as relações entre os dois países, e disse que gostaria de ver se outros países ocidentais vão exigir que os EUA façam nova eleição, como exigem da Belarus.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados