SANTOS, SP – "Unfassbar" (inacreditável, em alemão) foi a expressão utilizada pelo Borussia Dortmund em suas redes sociais minutos após a vitória por 5 a 3 contra o Augsburg em 18 de janeiro. Torcedores e acionistas do clube ficaram boquiabertos com o que haviam presenciado na WWK Arena.

A equipe, que já parecia entregue, perdia por 3 a 1 fora de casa quando o técnico Lucien Favre promoveu a entrada de Erling Braut Haaland, aos 11 minutos do segundo tempo, contratado dias antes do Red Bull Salzburg, da Áustria, por US$ 20 milhões (R$ 92 milhões). Em 23 minutos, o norueguês marcou três gols e mudou a história do confronto.

"Foi por isso que me contrataram, não é?", disse o jogador ao diretor Michael Zorc dias depois.

Haaland tornou-se bem mais do que uma injeção de ânimo no time durante a partida válida pela Bundesliga. Aos 19 anos, o atacante de 1,94 m se transformou na nova sensação europeia, com um repertório de marcas precoces na carreira e histórias peculiares.

Desde a chegada ao Dortmund, já são 11 gols anotados em 7 partidas, 4 delas como titular. Os dois mais recentes deram a vitória aos alemães diante do Paris Saint-Germain nesta terça-feira (18), pelo jogo de ida das oitavas de final da Champions League.

O norueguês soma 440 minutos jogados pelo time e ostenta média de 1 gol a cada 40 minutos.

"Ele adora futebol, sabe como ninguém como marcar gols. É muito bom em criar espaços dentro de um jogo. Contudo, algo muito mais importante é que ele e seu pai sempre tomaram decisões corretas, escolhendo clubes onde pode se desenvolver", diz à reportagem Jan Aage Fjortoft, ex-atacante da seleção norueguesa nas décadas de 1980 e 1990.

Haaland é filho do ex-zagueiro Alf-Inge Haaland, que disputou a Copa do Mundo de 1994 e construiu carreira no futebol inglês atuando por Nottingham Forest, Leeds United e Manchester City. Ganhou fama pela rivalidade nos campos com o ex-capitão do Manchester United, o irlandês Roy Keane.

Após encerrar a carreira, o pai se tornou conselheiro do filho desde os seus primeiros passos no futebol, pelo Bryne, clube modesto da Noruega em que trabalhou como dirigente.

Com apenas 15 anos, o jovem já estava entre os profissionais do clube. Do Bryne, foi contratado pelo Molde, agremiação de maior expressão no país. Ele chegou a ela por indicação de um outro ex-jogador do Manchester United, o atual técnico do time Ole Gunnar Solskjaer.

Com 14 gols em 39 jogos, acabou negociado com o Salzburg. "Ele era bem reservado no início, praticamente não jogou nos seis primeiros meses, mas era maluco por treinos, se dedicava muito mesmo. Era um profissionalismo incomum para alguém tão novo", relata o zagueiro brasileiro André Ramalho, companheiro no time austríaco.

"Ele ficava, pelo menos, uma hora depois [do treino] fazendo sauna e gelo. Sempre perguntava sobre lesões e sua recuperação", completa.

Haaland ganhou as primeiras oportunidades na Áustria nesta temporada, com a negociação do atacante israelense Munas Dabbur para o Sevilla. Fez gols em 7 das 8 primeiras partidas e se consolidou ao estrear na Champions League e marcar três vezes na goleada por 6 a 2 diante do Genk.

"Já assisti a esses gols pelo menos umas 30 vezes", contou ao site da Red Bull na ocasião.

O norueguês nascido em Leeds, na Inglaterra, é ávido por tudo que possa ajudar a melhorar o seu desempenho. Causou espanto no goleiro brasileiro Carlos Miguel Coronel ver o atacante com óculos vermelhos e a tela de seu ipad vermelha. "Por que está assim, Erling?", questionou.

"A luz branca cansa mais a vista, não posso me desgastar com nada", respondeu o atacante.

"Ele é um louco no melhor sentido. Chegava e saía dos treinos com roupas totalmente extravagantes, não ligava a mínima para o que falavam. Saía de carro com o som alto tocando a ópera da Champions League [hino da competição], isso não é normal", relembra Ramalho.

Haaland confirma que ouve a música desde criança e a tem como uma de suas prediletas, sendo usada inclusive como despertador. "Eu acordo com isso todos os dias, sempre tenho um começo de dia perfeito com ela."

O jogador é fã declarado do sueco Zlatan Ibrahimovic e do português Cristiano Ronaldo. "Como sentava atrás dele, sempre via que ele estava assistindo a algo do Ronaldo. Era muito curioso sobre o posicionamento dele e sua mentalidade profissional", afirma Carlos Miguel.

Haaland guarda cada uma das bolas de seis jogos em que marcou três gols na carreira e chegou a declarar à emissora norueguesa TV2 que dorme com elas, dizendo serem suas namoradas.

"Apesar de tudo isso, ele tem uma mentalidade incrível de grupo. Questionaram uma vez sobre as falhas da defesa, e ele lembrou que perdeu duas chances importantes de marcar", diz André Ramalho.

Pelo Salzburg, a "máquina de gols" fez 28 em 22 jogos nesta temporada, média de 1,27 por partida. Somado ao desempenho no Dortmund, são 39 em 29 participações. É o artilheiro no futebol europeu e também na Champions, com dez gols.

O prenúncio de seus números superlativos ocorreu em maio de 2019 na Polônia, quando fez nove gols na goleada por 12 a 0 da Noruega contra Honduras, pela terceira rodada da fase de grupos do Mundial sub-20.