SÃO CARLOS, SP – Desenhos de 44 mil anos descobertos numa caverna da ilha de Sulawesi, na Indonésia, são as mais antigas pinturas rupestres feitas por seres humanos modernos (Homo sapiens).

Também são o primeiro registro de uma narrativa visual, retratando cenas de caça, e trazem pistas intrigantes sobre as origens do mito e da religião, já que os caçadores dos desenhos parecem ser híbridos de humanos e animais, tal como os centauros da mitologia grega ou as esfinges do Egito.

Antes da descoberta, descrita na última edição da revista científica Nature, coisas parecidas tinham sido achadas na Europa, mas as pinturas de Sulawesi são pelo menos 4.000 anos mais antigas que suas contrapartes europeias. As imagens foram analisadas e datadas por Maxime Aubert e Adam Brumm, da Universidade Griffith (Austrália), junto com colegas da Indonésia.

"Para mim, o aspecto mais fascinante da nossa pesquisa é que as pinturas rupestres mais antigas da humanidade já possuem todos os componentes-chave relacionados à cognição moderna: desenhos do contorno das mãos, arte figurativa, narração de uma história, pensamento religioso", disse Aubert à reportagem. "Portanto, tudo isso deve ter tido uma origem muito mais antiga, possivelmente na África –ou logo depois que saímos da África?"

Na caverna calcária designada por eles como Leang Bulu’ Sipong 4, o pesquisador e seus colegas acharam uma série de pinturas que retratam uma caçada a dois mamíferos típicos de Sulawesi, o babirussa (Sus celebensis, suíno selvagem que mede meio metro) e o anoa (Bubalus, um búfalo-anão com apenas 1 m de altura).

Alguns dos bichos do "quadro" parecem estar sendo encurralados por figuras diminutas que carregam lanças ou cordas. A aparência desses caçadores é a de "homenzinhos de palito", como os que uma criança do século 21 seria capaz de desenhar, mas com uma diferença crucial: eles têm focinhos de mamíferos ou bicos de aves. Isso levou os arqueólogos a classificá-los como teriantropos (do grego theríon, "fera", e ánthropos, "ser humano").

Esse detalhe tem relação direta com o que Aubert chama de "cognição moderna". Tal capacidade costuma ser definida como a forma tipicamente humana de pensamento simbólico. Ou seja, trata-se da arte de usar objetos materiais como símbolos ou sinais de coisas imateriais ou imaginárias.

Os primeiros indícios dessa capacidade entre grupos de humanos anatomicamente modernos surgem, de fato, em território africano, entre 100 mil e 70 mil anos atrás, com o uso de pigmento ocre para pintar o corpo –presumivelmente de modo a reforçar identidades tribais, tais como grupos indígenas de hoje– e a confecção dos primeiros colares e adornos corporais, a partir de pequenas conchas e cascas de ovo de avestruz.

Da África do Sul, nessa mesma época, vêm rabiscos geométricos num pedaço de pedra que parecem ter caráter artístico ou simbólico. Por volta de 40 mil anos atrás, habitantes da atual Alemanha estavam produzindo estatuetas de marfim que representam mamutes e cavalos, bem como o misterioso Homem-Leão, um teriantropo (com postura humana ereta e cabeça de grande felino), tal como as pequenas figuras de Sulawesi.

Essa arte europeia do chamado Paleolítico Superior se tornou cada vez mais sofisticada e realista, ao menos no que diz respeito à capacidade de retratar os animais da Era do Gelo. Bisões, auroques (ancestrais dos bovinos domésticos), rinocerontes lanosos e outros monstros passaram a adornar as paredes das cavernas, uma tendência que culminou com as cenas de caça da caverna francesa de Lascaux (com cerca de 20 mil anos de idade). Surgem também pinturas de teriantropos.

As pistas encontradas na Europa sugeriam um processo gradual de desenvolvimento dessas formas de arte naquele continente, começando com imagens geométricas e chegando a cenas complexas e simbólicas. Os achados na Indonésia, porém, mostram que esse processo já tinha se dado de forma independente, e anterior aos registros europeus, do outro lado do mundo.

As pinturas asiáticas, além disso, parecem seguir uma "convenção artística" presente nos exemplos mais recentes: enquanto os animais são retratados com cuidado e realismo, as figuras humanas são esquemáticas e de tamanho menor.

É impossível saber com certeza o significado dos teriantropos da Idade da Pedra para as culturas que as criaram. Mas muitos povos de caçadores do presente, como os indígenas da Amazônia ou do Ártico, costumam enxergar uma continuidade espiritual entre seres humanos e animais.

Em cerimônias religiosas, os xamãs desses povos muitas vezes possuem "duplos" ou guias espirituais de natureza animal, que os ajudam a curar doenças ou combater feitiços. Coisas parecidas talvez estejam por trás dos teriantropos de Sulawesi.