Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 2 de abril de 2021

Estudo inédito avalia impacto da pandemia na saúde mental de gestantes

Primeiro estudo brasileiro sobre ansiedade materna em tempos de Covid-19 revela que o transtorno atinge 23,5% das gestantes

Imagem:

Um estudo brasileiro identificou como pandemia do Covid-19 tem afetado a saúde mental de gestantes e puérperas. Com foco na mensuração da ansiedade materna, a pesquisa entrevistou 1662 mulheres, de dez cidades brasileiras, e constatou que 23,5% das gestantes apresentaram níveis moderado e grave de ansiedade. Na população geral, sintomas de ansiedade – em todos os níveis – atingem 7,7% das brasileiras, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Segundo a coordenadora da pesquisa, a obstetra Profa. Roseli Nomura, presidente da Comissão Nacional do TEGO e da Comissão Nacional Especializada em Medicina Fetal da Febrasgo, o aumento da ansiedade materna mostrou-se relacionado majoritariamente à falta de confiança na autoproteção contra a Covid-19, dúvidas quanto à presença de acompanhante durante o parto e dúvidas sobre a segurança da amamentação, indicando que o aconselhamento para tais questões pode ser melhorado durante o atendimento pré-natal e na admissão hospitalar.

Leia também: 5 coisas que você jamais deve dizer para quem sofre com ansiedade

Prognóstico incerto, isolamento social, restrição de liberdades individuais, perdas financeiras, declínio na qualidade de vida e mensagens conflitantes de autoridades governamentais podem somar como estressores e possivelmente desencadear crises de saúde mental.

A professora aponta também que os resultados refletem o grau de conhecimento da gestante sobre o novo coronavírus e também a gravidade do surto na região geográfica em que reside. Realizada entre junho e agosto de 2020, as entrevistas mostraram a ansiedade materna mais prevalente e grave no Centro-Oeste e no Sul – regiões que, naquele momento, apresentavam alto no número de casos.

“As notificações de mortes podem potencialmente impactar a saúde mental materna e aumentar o risco de transtornos de ansiedade”, comenta a Profa. Roseli.

Segundo a pesquisadora, os médicos residentes que realizaram as entrevistas notaram grande necessidade das gestantes de conversarem e externarem suas preocupações e angústias. Acolhe-las e ajudá-las a focar em aspectos positivos, relacionados à gravidez e à chegada da criança, pode ajudar a diminuir sua ansiedade. Fornecer informações corretas e atualizadas de maneira clara é outro modo de contribuir para tranquilizar a gestante.

A Profa. Roseli comenta que esse cuidado não se limita à manutenção da qualidade de vida, mas um apoio à sua saúde mental.

“Ainda estudamos o impacto da ansiedade na gestação. Mas sabe-se que mulheres com ansiedade apresentam maior potencial para desenvolvimento de depressão pós-parto”.

A pesquisa sobre saúde mental das gestantes

gravidez ectopica
Imagem: iStock

Publicada no Journal of Clinical Medicine, a pesquisa abrangeu puérperas entrevistadas até o terceiro dia após o parto, antes da alta hospitalar. Para participar do estudo, os pesquisadores consideraram mulheres maiores de 18 anos; com idade gestacional no parto superior a 36 semanas; recém-nascido único, vivo e sem malformações; sem suspeita clínica ou diagnóstico atual de Covid-19; ausência de diagnóstico psiquiátrico ou distúrbios mentais (como depressão, distúrbio bipolar, esquizofrenia etc); e com boa saúde.

Para avaliar a ansiedade materna foi utilizado o Inventário de Ansiedade de Beck (BAI). De acordo com as respostas, os níveis de ansiedade foram definidos em mínima, leve, moderada e grave. As questões foram respondidas seguindo instruções breves e padronizadas. Outro questionário abordou o conhecimento e preocupações da mulher com a Covid-19 e compreendeu quatro domínios: conhecimentos gerais e preventivos, preocupações no pré-natal, cuidados e medos durante o parto, cuidados e preocupações com o recém-nascido.

A realização das entrevistas ocorreu em hospitais vinculados a universidades públicas de 10 cidades do país – Manaus, Natal, Teresina, São Paulo, Campinas, Botucatu, Florianópolis, Porto Alegre, Campo Grande e Brasília – e contou com a participação de professores universitários e médicos residentes treinados para conduzir as entrevistas e orientar as mulheres no preenchimento os formulários, bem como fornecer orientações de saúde sobre os cuidados com a Covid-19 e eventuais dúvidas sobre a gestação.

Com informações de RSPREESS.com

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados