Faça uma busca


|
Publicado em: 22 de fevereiro de 2020

7 autoexames simples para fazer em casa

São fáceis, rápidos e você poderá identificar o problema e procurar seu médico.

kieferpix/iStock

5. Toque os dedos dos pés

A rigidez dos vasos sanguíneos faz o coração trabalhar mais. Este exame nada tecnológico pode ajudar a evitar infartos.

Assim como os balões de festa de aniversário, os vasos sanguíneos saudáveis são flexíveis e se expandem e estreitam durante o dia. Mas, quando as artérias se enrijecem – por causa da idade, dos quilos a mais, do acúmulo de placas na parede dos vasos, da vida sedentária ou do diabetes –, a pressão sobe. E também aumenta o risco de AVCs e infartos fatais.

O exame da rigidez exige equipamento de alta tecnologia, encontrado em laboratórios de pesquisa. Mas agora basta sentar-se no chão para ter uma ideia do estado das suas artérias: estão elásticas ou flácidas? Num estudo recente com 526 pessoas, pesquisadores verificaram que os mais ágeis no exercício de se sentar com as pernas estendidas e tocar os dedos dos pés também tinham artérias mais flexíveis, medidas pelo exame da onda de pulso aórtica.

Qual a ligação? As paredes das artérias são feitas com os mesmos componentes – células musculares lisas e tecido conjuntivo – que os músculos dos quadris e das costas, como observa Kenta Yamamoto, que encabeça a pesquisa e trabalha no Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Norte do Texas. Assim, o que enrijece um terá o mesmo efeito sobre o outro.

Realmente, há indícios de que as atividades que mantêm flexíveis os grandes músculos, como os alongamentos, podem “acalmar” a atividade neurológica que também afeta a flexibilidade das artérias. Outro estudo verificou que adultos que passam a seguir um programa de alongamentos regulares aumentam a flexibilidade da artéria carótida, que fornece sangue ao cérebro.

Você pode fazer

Sente-se no chão com as pernas retas e estendidas à frente do corpo, com os dedos dos pés para o alto. Curve-se a partir dos quadris e estenda os braços na direção dos pés. Tente tocar os dedos.

Leia também sobre os ritos tibetanos.

O próximo passo

Quem não consegue alcançar os pés corre risco maior de rigidez arterial. Se não mediu a pressão nos últimos 12 meses, faça isso agora. “É bom medir a pressão arterial pelo menos de dois em dois anos”, diz o Dr. Yamamoto. Ele também afirma que acrescentar alguns alongamentos à rotina de exercícios pode aumentar a elasticidade dos músculos e das artérias.


belchonock/iStock

6. Meça sua cintura

Uma barriga grande faz disparar o risco de morte precoce, mesmo em quem não é gordo.

A barriga protuberante é sinal de que há muita gordura visceral, uma gordura abdominal amarela e espessa que libera na corrente sanguínea ácidos graxos, hormônios estimulantes do apetite e substâncias químicas que promovem inflamações.

Num estudo com 360 mil pessoas de nove países europeus, a cintura larga significava desastre até no caso de pessoas que não estavam acima do peso, aumentando em 79% o risco de morte prematura em mulheres e dobrando-o em homens. A gordura abdominal é perigosa principalmente para o coração e triplica o risco de doença cardíaca fatal, como indica um estudo da Escola de Saúde Pública de Harvard, feito com 44.636 mulheres.

Ainda assim, segundo especialistas, poucos médicos medem a cintura dos pacientes com peso normal, e, assim, talvez deixem de avaliar a gordura abdominal de pacientes magros.

Leia também 40 coisas sobre sua saúde que os médicos querem que você saiba.

Você pode fazer

Tire a camisa e fique diante do espelho. Envolva a cintura com a fita métrica e leve-a até o alto dos ossos do quadril. Essa é a posição recomendada para uma medição mais precisa. Não prenda a respiração nem aperte a fita métrica. Escreva o número encontrado.

O próximo passo

Para homens, o risco de diabetes e doença cardíaca começa a subir a partir dos 94 cm; 100 cm ou mais já é alto risco. Para mulheres, o patamar de perigo é 81 cm, e 89 cm marcam o início do risco mais elevado. Qual a melhor maneira de reduzir a gordura visceral? Exercícios e dieta mediterrânea (hortaliças, cereais, peixe e azeite de oliva, nozes e castanhas). Como a gordura visceral é mais ativa em termos metabólicos do que a gordura dos quadris ou do resto do corpo, podemos perdê-la mais depressa assim que começamos a emagrecer.


burakkarademir/iStock

7. Faça o exame da respiração

A asma não tratada causa cerca de 367 mil internações e mata 8 pessoas por dia. 

A asma pode tornar difíceis os exercícios e transformar em desafios as atividades cotidianas. Mas costuma ser negligenciada, principalmente em adultos. Num estudo com mais de 4 mil homens e mulheres afro-americanos, 10% tinham sintomas de asma não diagnosticada.

Especialistas dizem que mais ou menos a mesma proporção de pessoas acima de 65 anos têm a doença sem saber. “Talvez pensem que só têm problemas respiratórios porque estão ficando velhos”, diz o pesquisador Dr. Paul Enright, da Universidade do Arizona. “Mas não se deve minimizar o problema. A asma não diagnosticada pode até ser fatal.”

Você pode fazer

Faça a si mesmo estas duas perguntas, usadas para avaliar a saúde respiratória em dois estudos com cerca de 27 mil pessoas. São simples, mas podem identificar 90% dos asmáticos:

1. Às vezes você tem chiado no peito?

2. Sente falta de ar quando se exercita ou se esforça?

O próximo passo

Se a resposta a uma das perguntas (ou às duas) foi sim, peça ao médico que confira se você tem asma, aconselham os pneumologistas. “Dependendo da gravidade dos sintomas, que podem indicar a asma mais leve (intermitente) ou a perene, com crises frequentes, o médico pode receitar um inalador ou solicitar um exame, como a espirometria, para avaliar o funcionamento pulmonar antes de medicar o paciente”, diz especialista.


Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados