Faça uma busca
|
Publicado em: 3 de maio de 2020

Salve seu fígado enquanto ainda é tempo!

Julia Monsores
Última atualização: 4 de janeiro de 2022
Por: Julia Monsores

Especialistas recomendam que o total de gordura não ultrapasse 35% da ingestão calórica total.

Salve seu fígado enquanto ainda é tempo! Imagem: vaaseenaa/ Istock

fígado lida com muitos nutrientes, entre eles proteínas, gorduras, carboidratos, vitaminas e minerais, sendo fundamental em seu armazenamento e metabolismo adicional. Porém, o excesso de gordura pode acabar prejudicando o desempenho de suas funções. Assim, comer os alimentos corretos, na hora certa e em porções adequadas, faz com que você preserve o bom funcionamento desse órgão tão importante e viva com mais saúde!

Alimentação balanceada

De modo geral, toda refeição deve incluir carboidratos complexos (grãos integrais e vegetais ricos em amido), proteínas (laticínios, carnes, peixes ou outros), frutas e hortaliças. Diz-se balanceada por fornecer energia, proteínas, vitaminas e minerais suficientes para promover o bem-estar e evitar o excesso prejudicial à saúde.

Por exemplo, cálculos biliares, diabetes e doença cardiovascular estão associados à obesidade e ao consumo exagerado de calorias e gorduras saturadas. Alguns especialistas sugerem que a dieta inadequada é a origem de muitos problemas de saúde.

Confira algumas receitas saudáveis para servir-se de prevenção!

Proteínas: essenciais à saúde

A proteína é um importante componente da estrutura do corpo e participa na formação de músculo e pele. Portanto, é essencial ao crescimento e à manutenção do corpo.

As proteínas são produzidas pela associação de aminoácidos. Existem ao todo cerca de 20 aminoácidos, que podem ser combinados para formar espécies diferentes.

Aminoácidos essenciais x não essenciais

Alguns aminoácidos não são essenciais, pois o corpo pode produzi-los, ao passo que outros são denominados essenciais porque não são produzidos pelo corpo e devem ser retirados dos alimentos.

As proteínas da comida são decompostas em aminoácidos pelas enzimas digestivas. Em seguida, são processadas no fígado, onde podem ser usadas para a produção de novas proteínas, convertidas em glicose e empregadas como fonte de energia, ou armazenadas até que sejam necessárias. O excesso de aminoácidos é processado pelo fígado e convertido em ureia, sendo depois excretado pelos rins.

Limitando a ingestão de gordura

A gordura proporciona muitos benefícios – dá energia, transporta ácidos graxos essenciais e distribui as vitaminas lipossolúveis A, K, E e D –, mas, como é fácil exagerar no consumo, é importante saber a quantidade de gordura que se pode ingerir diariamente.

A gordura contém mais energia (calorias) do que todos os outros nutrientes. Assim, controlar o consumo é essencial para manter um peso adequado – um fator estratégico na prevenção de diabetes, cálculos biliares e câncer da vesícula.

Recomenda-se que o total de gordura não ultrapasse 35% da ingestão calórica total. Todos os tipos de gordura – animais e vegetais – engordam igualmente, mas a gordura animal ou saturada é a principal implicada em doenças, porque eleva os níveis de colesterol no sangue.

Portanto, a redução do consumo de gordura deve ter como alvo a saturada. Além disso, uma dieta pobre em gordura e rica em fibras reduz bastante o risco de cálculos biliares.

Como ingerir menos gordura

1. Evite fontes óbvias de gordura – gordura da carne, da pele do frango, grande quantidade de queijo.

2. Use quantidades mínimas no preparo da comida: prefira os alimentos cozidos, preparados no vapor e grelhados. Além disso, evite frituras. 

3. Evite acrescentar gordura aos alimentos, como a adição de manteiga às hortaliças.

4. Se você não abre mão do pãozinho no café da manhã, experimente pelo menos abrir mão da manteiga. 

5. Substitua os alimentos pelos equivalentes menos gordurosos: leite desnatado ou semi-desnatado, pastas e queijos com baixo teor de gordura.

6. Reserve alimentos como produtos de confeitaria, tortas, cremes, bolos, biscoitos e chocolates para ocasiões especiais.

7. Substitua alimentos gordurosos e doces por generosas porções de frutas, hortaliças e carboidratos complexos, para não sentir fome.