Como uma floresta tropical, a vagina é um ecossistema complexo e delicado, lar de uma quantidade infinita de micro-organismos – tanto “bons” como “maus” – incluindo o fungo Candida albicans.

Esse fungo, muito comum, reside, sem problema, na vagina de metade de todas as mulheres. No entanto, se o ecossistema entrar em desequilíbrio, os fungos podem se expandir, causando coceira, ardência e dor – a tão conhecida candidíase.

Mantenha-se livre de infecções, ficando atenta a estes conselhos!

Principais estratégias de prevenção

Para as peças íntimas, prefira algodão. Esqueça a onipresente lingerie de náilon e dê preferência às antiquadas calcinhas de algodão, que deixam o ar entrar e impedem que os fungos se reproduzam. E sempre use calcinha por baixo da meia-calça.

Mantenha a região perianal seca. Depois de um banho, use um secador, na opção mais fria (para não se queimar), secando a área vaginal antes de se vestir. E troque o maiô molhado o mais rápido possível. Fungos adoram ambientes úmidos.

Limpe-se de maneira correta. Depois de evacuar, limpe-se da frente para trás, nunca de trás para a frente. Uma das teorias sobre candidíase é que bactérias chegam à vagina vindas do reto e descontrolam o sistema que mantém os fungos em equilíbrio.

Tome iogurte. Alguns estudos sugerem que consumir diariamente 240 ml de iogurte que contenha culturas vivas de bactérias ativas ajuda a manter um ambiente vaginal saudável, reduzindo assim o risco de infecções de repetição.

Controle a glicemia. Se você já fez pão em casa, sabe que, para que a massa do pão cresça, o fermento precisa de açúcar. Por esse motivo, mulheres diabéticas são muito mais vulneráveis a ter candidíase.

Reforços para a prevenção

Evite corantes e perfumes. Não use papel higiênico, absorvente ou tampões coloridos ou perfumados, pois todos eles podem romper o ambiente normal da vagina.

Evite a maioria dos “produtos femininos”. Depois de comprar seus absorventes e tampões, saia da seção de produtos femininos. Não há necessidade de aplicar duchas, talcos ou sprays, que podem irritar a área genital.

Siga uma dieta de baixo índice glicêmico. Assim como as mulheres diabéticas apresentam mais tendência a ter candidíase, as que são resistentes à insulina também têm. Essa condição acontece quando as células ficam resistentes à insulina, elevando a taxa de açúcar no sangue a níveis inaceitáveis.

Alimentos preparados com açúcar, xarope de glicose de milho, rico em frutose, e farinha de trigo – o que inclui a maioria dos produtos de panificação encontrados em mercados, bem como bolachas, biscoitos, salgadinhos e bebidas açucaradas – induzem resistência à insulina porque elevam a glicemia. Pão e arroz brancos causam o mesmo efeito. Dê preferência a alimentos com baixo índice glicêmico, que têm menor efeito na glicemia.

Estes incluem alimentos com alto teor de fibras, como hortaliças, feijões e grãos integrais; e as gorduras boas do azeite de oliva, dos frutos oleaginosos, como nozes e sementes, e do abacate; e alimentos com proteína magra.

Até 30% das mulheres em tratamento com antibióticos estão propensas a infecções por fungo.

Medicamentos podem matar bactérias boas que mantêm a flora vaginal equilibrada. Se você estiver se tratando com antibióticos e for propensa a ter candidíase, pense em tomar um suplemento probiótico (suplemento de bactérias “benéficas”), como lactobacilo, para manter o equilíbrio da flora vaginal. Ou tome, todos os dias, uma xícara de iogurte com culturas vivas de bactérias ativas.

Também tenha sempre à mão um creme ou óvulo antifúngico (miconazol ou clotrimazol) para usar ao primeiro sinal de coceira na vagina.