Faça uma busca


|
Publicado em: 7 de dezembro de 2017

Diabetes: o que é e como tratar

Imagem: Maya23K/iStock

O diabetes é alvo de muitas dúvidas sobre o que ele é. Cair no senso comum quando assunto diz respeito a essa doença é um erro constante, mas que pode ser corrigido. Uma das maiores armas para combater o diabetes é a informação.

Há dezenas de fatores que podem ser considerados consequências da doença. É um distúrbio endócrino? Está relacionado ao sangue? Na verdade, pode ser tudo isso e um pouco mais. Imagine que o seu corpo é uma grande cidade com muitas ruas, avenidas e estradas. Elas são as veias e as artérias. As células que fluem por essas vias são os carros, que precisam de combustível – no caso do seu corpo, a glicose – para se movimentar. Agora imagine que os tanques desses carros estejam fechados, e, por consequência, o combustível começa a se espalhar pelas vias. É assim que o diabetes funciona.

O termo “diabetes” vem do grego “sifão”, porque os portadores pareciam perder líquidos com muita rapidez. O nome completo, “diabetes melito”, também vem do grego e faz referência ao “doce” (melito) que há na urina do portador.

O nível de açúcar no sangue normalmente flutua durante o dia, aumentando depois das refeições. Nas pessoas que não têm diabetes, essas flutuações cessam, estacionando em um valor que varia entre 70 e 140 mg/dl. Para um portador da doença, entretanto, os níveis de glicose sobem muito após as refeições e caem mais lentamente à medida que o corpo metaboliza o alimento.

A glicose geralmente leva a culpa pelos danos do diabetes, mas o problema é causado principalmente pela insulina. Ela é um hormônio produzido pelo pâncreas, e é responsável por “destrancar” as células para que a glicose possa entrar e ser carregada pelo corpo. Quando a glicose entra nas células sanguíneas e deixa a corrente, o nível de glicemia (que é o nível de glicose na corrente) cai. Nesse momento, a insulina também diminui para não causar a hipoglicemia, que é a falta de glicose no sangue. A hiperglicemia é o contrário: quando o corpo não consegue controlar a insulina, os níveis de glicose na corrente sobem muito, o que pode causar danos.

Sensação de cansaço, idas frequentes ao banheiro, sede insaciável, ataques de fome e visão embaçada podem ser considerados sintomas. Há dois tipos de diabetes que compartilham esses sintomas, o tipo 1 e tipo 2. O tipo 1 é causado pela ausência de insulina. Já o 2 é o corpo que, por diversos motivos, pode não estar regulando bem a sua produção.

O diabetes é uma doença séria, mas que pode ser controlada. Não esquecer o controle de glicemia durante o tratamento, perder peso, alimentar-se corretamente e mudança de hábitos podem ser atitudes importantes no combate à doença. Também é importante que haja acompanhamento médico constante e comprometimento. Apesar de não ter cura, é possível viver uma vida saudável com a doença.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados