Toda fase da vida traz desafios e estresses específicos, das pequenas irritações cotidianas às grandes conquistas da vida, e em cada fase aumentamos ou modificamos nossas estratégias. Até bebês sofrem estresse emocional.

No entanto, segundo as pesquisas, os jovens adultos declaram nível mais alto de estresse e os idosos se consideram menos estressados. Isso ocorre, talvez, porque já tenham acumulado mais mecanismos de controle e, embora convivam com o luto e as doenças crônicas, estejam mais preparados para gerenciar as ocasiões estressantes da vida.

A verdade é que o estresse emocional não escolhe idade, e pode surgir em qualquer momento da vida. Portanto, saiba como identificá-lo e o que fazer para ter uma vida mais equilibrada e tranquila.

  • demaerre/Istock

    INFÂNCIA

    Estressores

    Frustração com o controle motor e a dificuldade de comunicação; ciúme do novo bebê; rivalidade entre irmãos; medo de animais, principalmente cães que latem; separação dos pais; adaptação à escola; rivalidade com colegas de sala e amigos; divórcio dos pais; morte de um membro da família.

  • mofles/iStock

    Reações comuns

    Manha; matar aula, agredir colegas; humor instável; recusa a cooperar; dependência; comportamento regressivo; agressão; má concentração; isolamento.

  • vgenyatamanenko/iStock

    O que fazer

    Pais: Manter a calma e dar apoio; comunicar-se; oferecer boa alimentação e descanso suficiente; encontrar oportunidades de diversão para proteger o filho dos momentos negativos de dor ou conflito; ser realista sobre a capacidade do filho; criar normas de comportamento.

  • fizkes/iStock

    ADOLESCÊNCIA

    Estressores

    Preocupação com a imagem corporal; angústia por não ter amigos; solidão; resistir a restrições; mídias sociais; trabalhos da escola; conflitos em relacionamentos; pressão das provas; angústia sobre faculdade, estudo profissionalizante, o futuro.

  • GeorgeRudy/iStock

    Reações comuns

    Transtornos alimentares; dormir pouco ou demais; isolamento; recusa a obedecer às regras da casa; negligência ou obsessão com deveres de casa; aventuras sexuais; aceitar excesso de atividades; uso de álcool e drogas.

  • fizkes/iStock

    O que fazer

    Pais: Dar apoio; escutar; observar sinais de sobrecarga nos filhos; incentivar uma vida saudável; aumentar a liberdade com limites.

    Filhos e pais: Criar juntos as regras domésticas para reduzir a luta pelo poder.

  • Prostock-Studio/iStock

    JUVENTUDE

    Estressores

    Ter independência em casa ou morar sozinho; direcionar a educação ou o trabalho; preocupar-se com relacionamentos, achar a “pessoa certa”; conflito entre a necessidade de apoio dos pais e ter independência.

  • SIphotography/iStock

    Reações comuns

    Usar a casa da família como “hotel” e depender financeiramente dos pais; recusar a se comunicar ou se explicar; ser irresponsável com o dinheiro; ter experiências sexuais.

  • yacobchuk/iStock

    O que fazer

    Pais: Estabelecer limites claros para a ajuda financeira e, em casa, para outras contribuições (refeições e tarefas domésticas); oferecer compreensão e estímulo.

    Jovem adulto: Fazer orçamento; comer bem, dormir bastante; exercitar-se; manter relacionamentos saudáveis.

  • Bobex-73/iStock

    20, 30 E 40 ANOS

    Estressores

    Encontrar parceiro estável e criar um relacionamento adulto e permanente; nascimento de filhos/infertilidade; filhos que usam drogas ou se envolvem com o crime; manutenção da viabilidade financeira; carreira profissional; problemas ligados ao trabalho; mudança de casa; separação e/ou divórcio.

  • wattanachon/iStock

    Reações comuns

    Dedicar-se exageradamente ao trabalho para evitar problemas em casa; beber para aliviar o estresse; comprar ou jogar demais; doença ou depressão; obesidade.

  • fizkes/iStock

    O que fazer

    Admitir os problemas; conversar com o parceiro; reduzir a carga de trabalho, estabelecer prioridades e gerenciar melhor o tempo; frequentar grupos de apoio para problemas específicos; buscar orientação familiar, conjugal, financeira, profissional; recorrer aos amigos.

  • as3d/iStock

    50 E 60 ANOS

    Estressores

    Arrependimento pela perda de oportunidades; redução de energia e capacidade física; mudança da aparência; pais idosos; atritos com os filhos; alterações da libido; problemas de saúde; divórcio ou separação; angústia pré-aposentadoria.

  • Ridofranz/iStock

    Reações comuns

    Depressão; irritabilidade; falta de motivação; amargura; críticas ao parceiro, à família, ao patrão; tentativas inadequadas de preservar a juventude (vestimenta, parceiros, comportamento); ressentimento e ciúme dos amigos.

  • Vasyl Dolmatov/Istock

    O que fazer

    Admitir mudanças, rever a vida e suas possibilidades, concentrando-se nos aspectos positivos; dar atenção aos relacionamentos; explorar novos interesses e passatempos; fazer planejamento financeiro pré-aposentadoria; cuidar da saúde; exercitar-se.

  • monkeybusinessimages/iStock

    70 ANOS OU MAIS

    Estressores

    Perda da vida social-profissional; mudança da estrutura do dia; solidão; angústia com dinheiro e casa; problemas de saúde; declínio da potência física e mental; perda de independência; morte de entes queridos.

  • Ridofranz/iStock

    Reações comuns

    Depressão; isolamento; incapacidade de discutir problemas com parceiro ou filhos; negligência pessoal; medo e desconfiança; guardar segredos.

  • monkeybusinessimages/iStock

    O que fazer

    Um bom planejamento para se manter ativo física, mental e socialmente: hobbies, viagens, novas redes sociais; participar de grupos ou clubes, mudar-se para “condomínios” de aposentados; passar mais tempo com jovens e familiares; fazer trabalho voluntário ou comunitário; aproveitar a liberdade para estar com amigos e familiares; comer bem e fazer exercícios.