Por que as gastroenterites são tão contagiosas? O norovírus, pertencente a uma família de germes resistentes responsável pela maioria dos casos de gastroenterite em adultos, é altamente contagioso. Já o rotavírus, responsável pela maior quantidade de casos de gastroenterites em crianças, também.

Geralmente, um episódio de gastroenterite é desconfortável, mas não é grave. No entanto, é preciso ficar atento a sinais de desidratação ou infecção persistente, sobretudo em crianças e idosos. Com algumas precauções, é possível se proteger e evitar a infecção.

Durante o verão, por exemplo, as chances do vírus se espalhar aumenta consideravelmente. Além disso, em locais sem água tratada ou com suspeita de contaminação, caso que ocorreu no Rio de Janeiro nesta última semana, o risco de contração da doença é ainda maior.

Sintomas

  • Náuseas
  • Vômito
  • Cólica intestinal e diarreia
  • Desidratação
  • Febre
  • Enjoo

Principais estratégias de prevenção

Uma vez que os vírus da gastroenterite podem ser transmitidos pelas mãos em contato com a boca, por intoxicação alimentar (ou seja, ingestão de comida e água contaminadas) e até mesmo pelo ar, é preciso estar atento a sua higiene e ao que você come. Por isso, confira cinco estratégias de prevenção contra a doença.

yulka3ice/iStock

5. Cuidado com as ostras!

Embora os vírus e bactérias causadores de gastroenterite possam contaminar qualquer alimento, os moluscos bivalves crus representam um risco maior. Um estudo recente do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos mostrou que substâncias no trato gastrointestinal da ostra permitem a fixação e o acúmulo do norovírus. Isso significa que a quantidade ingerida pode ser alta se você comer uma ostra contaminada. Se você tem o costume de consumir ostras, prepare-a no vapor, cozidas, assadas ou fritas, para evitar contaminação.