O glaucoma é uma doença do nervo óptico que não prejudica diretamente a retina, mas tira a visão de muita gente. Saiba mais a seguir:

O fluido entra e sai do olho numa proporção determinada. Quando esse fluxo não tem velocidade suficiente, a pressão pode aumentar e prejudicar o nervo óptico. O que causa perda irreversível da visão periférica e pode levar à cegueira.

Não dá para saber quando se tem glaucoma porque ele é indolor, a visão central fica intacta e a pessoa não percebe a perda da visão periférica. “Não é um ponto escuro como na DMRI (Degeneração Macular Relacionada à Idade)”, diz o Dr. Wiedemann. “Você está atrás de três carros, mas vê dois. E o que vê em lugar do terceiro carro? Só a rua. O cérebro completa o que você espera ver ou está acostumado a ver. Se uma criança correr na parte que não é vista, você nem vai perceber que não viu a criança.”

Glaucoma tem tratamento

Cerca de 2% dos brasileiros, ou seja, mais de 1 milhão de pessoas, tem glaucoma, que é mais comum depois dos 60 anos e costuma ocorrer em famílias. Não há como reduzir o risco e não há cura, mas há tratamento: os colírios são mais comuns, seguidos por cirurgia ou tratamento a laser.

Embora os colírios possam prevenir a perda de visão, infelizmente muitos pacientes não usam o medicamento com constância. Mas os médicos querem mudar isso. O Dr. Garway-Heath, que também é vice-presidente da Sociedade Europeia de Glaucoma, diz: “O Hospital de Olhos Moorfields está liderando um grande estudo multicêntrico e randomizado com pessoas com glaucoma no Reino Unido, para ver qual é o tratamento com melhor relação custo-benefício e preferido pelos pacientes, se os colírios ou o laser.”

É preciso disciplina

Peter Austin, de Surrey, na Inglaterra, recebeu o diagnóstico de glaucoma precoce aos 32 anos, mas hoje com 61, sua visão ainda está intacta porque, duas vezes por dia, ele aplica o colírio.

“Não é desconfortável, não é difícil. Só precisa ter disciplina”, diz Austin, representante dos pacientes na Associação Internacional de Glaucoma. “Diga-me: quanto de visão você quer perder até decidir fazer alguma coisa? Em mais de vinte anos, nunca perdi uma dose.”

Por LISA FIELDS

Leia sobre conjuntivite em nosso artigo.

Confira as incríveis novidades da Medicina ao redor do mundo!

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!