Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 21 de março de 2020

Descubra por que temos pesadelos e como evitá-los!

Quase 70% dos adultos sofrem com pesadelos constantes. Sendo que em 30% dos casos, esses sonhos ruins os fazem despertar abruptamente pelo menos uma vez ao mês. Descubra por que isso acontece e como evitar.

Imagem: demaerre/iStock

Arrepios percorrem sua espinha… Uma descarga elétrica serpenteia por sua pele. As pupilas se dilatam. Seus músculos se retesam. Você olha para a escuridão à frente e… E no dia seguinte você não tem a menor ideia do que aconteceu depois. Tudo o que você consegue lembrar é da descarga de medo à medida que sua mente era sequestrada e mantida refém de um pesadelo.

Surpresa? Não devia estar. Acredite ou não, não são só os nossos filhos que têm pesadelos. Quase 70% dos adultos também os têm – com assombrosos 30% dizendo que esses sonhos terríveis os fazem despertar abruptamente pelo menos uma vez por mês.

Por que temos pesadelos?

Alguns remédios – principalmente antidepressivos, barbitúricos, sedativos, hipnóticos, betabloqueadores, agentes catecolaminérgicos e anfetaminas – podem desencadear pesadelos. Surpreendentemente, o antibiótico eritomicina e o naproxeno, anti-inflamatório de venda livre, também podem. Mas há outros fatores mais comuns que podem causar pesadelos:

  • Refeições pesadas à noite;
  • Eventos traumáticos atuais;
  • Feridas do passado não cicatrizadas remexidas por um evento recente;
  • Ameaças à saúde, à segurança e à sua própria essência.
  • Genes atípicos;
  • Doenças neurológicas degenerativas como Alzheimer;

Pessoas que evitam expressar sentimentos em respostas a eventos estressantes durante o dia provavelmente enfrentarão essas emoções sob a forma de pesadelos à noite. E algumas, principalmente as abertas e sensíveis, podem ter uma linha divisória “sutil” entre o que é real e o que é sonho – o que significa que sua vida em estado de alerta provavelmente perturbará sua vida noturna, ocasionando sonhos bem “cabeludos”.

Leia também: Como dormir melhor: 10 mitos sobre o sono

“O pesadelo é a disfunção de um sonho”, explica a Dra. Rosalind Cartwright, diretora do serviço de distúrbios do sono no Rush-Presbyterian-ST. Luke’s Medical Center, em Chicago. Em vez de integrar os sentimentos e os eventos do dia às memórias antigas, guardadas,suavizando as emoções negativas – o que alguns pesquisadores acreditam que o sonho deveria fazer –, as emoções que seu cérebro processa sobrecarregam esse fluxo, evitam a integração delas às memórias antigas e acabam por acordá-la.

Se você esteve envolvida em um acidente de trânsito grave, por exemplo, pode não ser capaz de processar imediatamente todas as emoções negativas que o acidente gera, diz a Dra. Cartwright. O medo e a sensação de vulnerabilidade e mortalidade são avassaladores. Assim, você pode ter pesadelos durante o período em que sua mente continua tentando integrar seus sentimentos. Quando ela conclui o processo, os pesadelos desaparecem.

Como a Dra. Cartwright apropriadamente diz em seu livro Crisis Dreaming (Sonhando na crise), “os pesadelos são um chamado para a resolução, para encontrarmos uma maneira de incorporar uma experiência terrível a nossas vidas. Pesadelos ocasionais são normais”, completa ela. “Mas não toda noite, nem o mesmo pesadelo o tempo todo.”

Quando os pesadelos são sinal de perigo

“A depressão grave geralmente apaga também os sonhos”, diz a Dra. Cartwright. “Pessoas com depressão comumente não se lembram de ter sonhado, do conteúdo dos sonhos, das histórias. Quando se lembram, é muito brevemente, muito superficialmente, sem nenhum sentimento.”

“À medida que se recuperam da depressão, no entanto, sua capacidade de sonhar volta, e os sonhos passam a ser mais elaborados e repletos de emoção.” Infelizmente, a recuperação da depressão pode às vezes ser exacerbada, inundada de emoções negativas.

“É quando os suicídios podem ocorrer”, adverte a Dra. Cartwright. Por causa disso, é muito importante que qualquer pessoas com depressão diga imediatamente ao médico que está tendo pesadelos.

Como evitar ter pesadelos

Pesadelos são um sinal de sobrecarga. Converse com seu médico, psiquiatra ou terapeuta se você está deprimida, se sonhos ruins são recorrentes ou se você descobrir que os sonhos são causados por sentimentos perturbadores do passado que foram ressuscitados por acontecimentos atuais.

Ou então a Dra. Rosalind Cartwright, diretora do serviço de distúrbio do sono do Rush-Presbyterian-ST. Luke’s Medical Center, em Chicago, sugere que você os mantenha sob controle da seguinte maneira:

1 . Reconheça que o sono é ruim enquanto está sonhando

Isso pode parecer impossível, mas não é. Simplesmente decida que vai fazer isso antes de dormir. Você pode não conseguir nas primeiras tentativas, mas acaba conseguindo.

2 . Identifique no sono o que a faz se sentir mal

Tente identificar quais são as sensações ou eventos envolvidos no pesadelo.

3 . Interrompa qualquer sonho ruim

Acredite ou não, você pode fazer isso – em geral apenas reconhecendo que ele é ruim.

4 . Mude o final

Transforme algo negativo em positivo. Você talvez tenha de acordar para conseguir fazer isso, mas, por fim, será capaz de dizer a si mesma para escrever um final mais feliz mesmo enquanto está dormindo.

5 . Mantenha um diário dos sonhos

Escreva seus sonhos todas as manhãs. Todos os sonhos, não só os pesadelos. Então, periodicamente, reveja aqueles que a incomodam. E tente descobrir por que eles são desagradáveis.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados