Evitar a obstrução das artérias nos pacientes é a grande meta dos médicos, mas o diagnóstico precoce é seu segundo principal objetivo. A partir dele, o médico pode sugerir mudanças no estilo de vida do paciente e utilizar terapias clínicas que retardem ou impeçam a ocorrência de infartos do miocárdio. Aliás, muitos pacientes ficam surpresos ao ler a respeito de alguns dos indícios de doença cardíaca.

1 Disfunção erétil

Os homens têm um sistema de alarme embutido contra a doença coronariana silenciosa. A dificuldade ou impossibilidade de ereção pode ser um sinal de artérias da pelve obstruídas que antecede um infarto do miocárdio. Em média, decorrem três a cinco anos entre o surgimento da disfunção erétil e a descoberta da doença coronariana. Tempo suficiente para diagnosticar e evitar problemas cardíacos. Se você e sua parceira estão preocupados com o desempenho sexual, procure e trate as causas básicas da doença arterial. Faça isso antes de tomar um daqueles comprimidos azuis.

2 Calvície

Num novo estudo abrangente com quase 37 mil homens, a calvície total no alto da cabeça se mostrou um forte previsor da presença de doença arterial coronariana em qualquer idade. Em outro estudo com mais de 7 mil participantes (dos quais mais de 4 mil eram mulheres), a calvície moderada a grave dobrou o risco de morrer de doença cardíaca em ambos os sexos.

3 Ruga na orelha

Um dos marcadores mais peculiares, uma ruga no lóbulo da orelha (especificamente, uma ruga inclinada que desce em diagonal do canal auricular até a borda inferior do lóbulo). Ela é mencionada há décadas em relatórios de pesquisas médicas como sinal de doença arterial coronariana silenciosa. A ruga pode ser consequência de má circulação, inclusive das artérias do coração. Embora alguns profissionais da medicina tenham argumentado que as rugas são apenas sinais gerais de envelhecimento, em 2016, os pesquisadores usaram tomografias sofisticadas para medir a doença arterial coronariana silenciosa. Constataram que a ruga permitia prever a doença mesmo depois de descontados outros fatores de risco, como idade e tabagismo.

4 Dor na panturrilha ao andar

É a chamada claudicação (da palavra latina que significa “mancar”). A aterosclerose pode obstruir as artérias das pernas, principalmente em fumantes, antes do diagnóstico da doença arterial coronariana. Esse sintoma exige avaliação imediata. Assim, médico examinará o pulso das pernas e fará medições simples da pressão arterial e do fluxo sanguíneo para confirmar o diagnóstico de má circulação.

É importantíssimo que a cardiopatia, isto é,  seja diagnosticada o mais cedo possível. Além disso, há muitos tratamentos, nutricionais e clínicos, que ajudam a reverter o problema. Alguns pacientes levaram a sério essas primeiras dicas. Portanto, passam a comer mais vegetais e menos produtos animais e a começar um programa de caminhada. Assim, a dor na panturrilha sumiu em poucas semanas e há anos não volta. Quem apresenta algum desses sintomas deve medir com frequência a pressão arterial, o colesterol e a glicose em jejum. Pergunte a seu médico se não seria bom fazer um eletrocardiograma. Além de uma tomografia das artérias coronárias, a fim de determinar o nível de cálcio; ou um ecocardiograma com estresse físico.

Você deve tomar algumas medidas para reverter o quadro, pois o diagnóstico precoce ajuda a não agravar a situação. Veja algumas dicas em Obstrução das artérias: revertendo o quadro.