Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 3 de outubro de 2020

Perda auditiva: tipos, diagnóstico e tratamento

A perda auditiva, ou surdez, afeta inúmeras pessoas e torna-se mais comum com o avanço da idade.

Imagem: Rawpixel/iStock

A perda auditiva pode ocorrer por vários fatores e pode ser momentânea ou gradativa. A audição tem um impacto direto na nossa qualidade de vida, e compreender as causas e os tratamentos para cada tipo é fundamental.

Quais são as causas da perda auditiva?

Existem quatro tipos de surdez: neurossensorial, condução, mista e neural. Na surdez neurossensorial, o responsável é o ouvido interno, com acometimento da cóclea ou das vias que a conectam ao encéfalo.

A surdez pode existir desde o nascimento ou se desenvolver mais tarde. Algumas infecções, como meningite, sarampo e caxumba, causam surdez, assim como a fratura do crânio. A perda auditiva associada à velhice é neurossensorial.

Surdez de condução é aquela em que o som não alcança o ouvido interno (cóclea) por causa de doença ou bloqueio do ouvido médio ou do canal auditivo. As causas incluem cerúmen, otite média secretora e otosclerose.

A surdez mista é a combinação da perda neurossensorial com a perda condutiva. Já a perda auditiva neural ocorre quando o nervo auditivo não consegue enviar sinais ao cérebro.

Como é feito o diagnóstico?

médica examinando ouvido de criança
Imagem: Inside Creative House/iStock

A perda auditiva é aferida por um exame chamado audiometria. A audiometria é realizada em uma sala à prova de som. Seu objetivo é medir os limiares de condução aérea e condução óssea.

Para distinguir entre os dois tipos de surdez, o exame é realizado com o paciente usando fones de ouvido e um vibrador ósseo atrás do ouvido; na surdez de condução, ele ouve melhor com o vibrador ósseo do que com os fones de ouvido.

Quais são as opções de tratamento nos casos de perda auditiva?

É possível melhorar a surdez neurossensorial amplificando a audição residual por meio de aparelhos auditivos, disponíveis em diversos tipos. Para os casos de surdez profunda, existe o implante coclear, a ser recomendado após cuidadosa avaliação.

A surdez de condução demanda o tratamento da causa, quando possível, como a implantação de carretel na otite média secretora. Quando o tratamento do distúrbio subjacente é impossível ou impróprio, bons resultados são obtidos com um aparelho auditivo.

Leia também: Problemas de audição: veja como prevenir em 6 passos

Qual é o prognóstico?

criança com perda auditiva utilizando implante coclear
Imagem: icarmen13/iStock

O prognóstico depende em parte da causa, mas a tecnologia dos aparelhos auditivos está sempre em aperfeiçoamento, disponibilizando modelos menores e mais sofisticados.

Um crescente número de pacientes com surdez profunda vem se beneficiando da cirurgia de implante coclear, e a cirurgia da surdez de condução está evoluindo.

Os exames auditivos de triagem neonatal detectam problemas congênitos de audição o mais cedo possível, permitindo o tratamento precoce para evitar atrasos no desenvolvimento da fala e da linguagem.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados