Todo mundo tosse de vez em quando, diz o Dr. Matthew Stanbrook, pneumologista do Toronto Western Hospital. “Mas a tosse crônica dura mais de dois meses”, explica ele. Se, após a consulta médica, as radiografias do tórax e outros exames tiveram resultado normal, três doenças responderão por 90% dos casos. Saiba quais são e converse com seu pneumologista:

Asma

A variante tussígena da asma é a mesma asma cotidiana: uma inflamação das vias aéreas causada por uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Há vários tratamentos para controlar a doença, diz o Dr. Stanbrook. Pode-se prescrever um broncodilatador, que abre as vias aéreas inchadas, ou corticosteroides inalatórios para reduzir a inflamação.

“Em geral, quando a asma é tratada no início”, diz ele, “é possível reduzir a medicação com o tempo e controlar a doença com pequenas doses quando necessário.”

Saiba mais sobre a doença: Asma e alergias respiratórias: 5 grandes mitos

Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

Os sintomas clássicos da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) são azia, dor no peito e refluxo. Mas cerca de 20% dos pacientes também apresentam tosse crônica, não se sabe por quê. A melhor maneira de diagnosticar a doença é tratá-la com um teste terapêutico com inibidores de bomba de prótons (IBPs) para bloquear a produção de ácidos.

O tratamento pode levar dois ou três meses para fazer efeito. Depois disso, a doença pode ser controlada com uma alimentação específica para reduzir o refluxo. O segredo é não comer tarde da noite e evitar refeições grandes ou gordurosas. Também é bom evitar alimentos que pioram a doença; como café, chocolate, bebidas alcoólicas ou gaseificadas, frutas cítricas e comida condimentada.

Síndrome da tosse das vias aéreas superiores

Antes conhecida como gotejamento pós-nasal, essa síndrome é um problema que costuma se originar nos seios nasais, diz o Dr. Stanbrook. Em geral, é causada por alergias que inflamam o nariz e produzem muco adicional, que escorre pelo fundo da garganta e provoca a tosse reflexa.

Como no caso da DRGE, a melhor maneira de diagnosticar o problema é tratá-lo, geralmente com um teste terapêutico com esteroides nasais, por vários meses. “Isso costuma controlar o problema, embora tratamentos temporários possam ser necessários mais tarde”, esclarece o Dr. Stanbrook. Como essa síndrome costuma estar ligada à alergia, ele recomenda evitar os gatilhos, como ácaros e descamação da pele de animais de estimação.

Por SYDNEY LONEY