Cada método de depilação tem vantagens e inconvenientes. E produtos que dão bons resultados com algumas pessoas não funciona tão bem com outras, ou apenas em certas partes do corpo. Então, o que  fazer com os pelos indesejáveis que, ao contrário do cabelo, crescem em partes do corpo onde não queremos? Como livrar-nos deles? Raspá-los, arrancá-los ou dissolvê-los? Veja nossas dicas. 

Leia também sobre prestar atenção às mudanças da pele que não podemos ignorar. 

Bogdan Kurylo

O fio da navalha 

A forma mais comuns de remover os pelos, tanto nos homens como nas mulheres, é através de uma lâmina de barbear. É um método rápido, fácil e econômico e, contrariamente ao que se pensa, não faz os pelos nascerem mais depressa, mais escuros ou mais grossos. Mas raspar os pelos muito rentes pode dar origem a pelos encravados, e os resultados são de muito curta duração — em geral, os pelos reaparecem passados um ou dois dias. Se não tiver cuidado, as lâminas ainda estragar a pele. Para conseguir melhores resultados, siga estas sugestões:

1. Não use lâminas emprestadas nem empreste as suas. Raspar os pelos pode provocar pequenos cortes e transmitir infecções através do sangue.

2. Para diminuir o atrito e a irritação, molhe a pele e os pelos, aplique creme de barbear e use sempre uma lâmina afiada e limpa.

3. Corte na direção do crescimento do pelo para diminuir a hipótese de irritação e encravamento dos pelos.

4. Não raspe os pelos logo após levantar-se, pois a pele ainda está pouco firme. Aguarde pelo menos 20 minutos; você terá menor probabilidade de se cortar.

5. Depois de raspar os pelos, aplique um hidratante suave que não contenha substâncias que irritem a pele.

Veja o guia de cuidados para pele muito seca.


mocker_bat/iStock

Depilatórios: você fica com a pele vermelha 

Vendidos geralmente em creme, gel ou loção, permitindo que estes sejam removidos da pele, como um giz que se apaga. Os resultados duram mais que os obtidos com lâminas, em regra três a cinco dias. Por outro lado, como a pele e os pelos têm uma composição semelhante, um produto que dissolve os pelos pode lesar a pele, causando irritação de moderada a grave. Para poupar a sua pele, tome as seguintes precauções:

1. Faça um teste de sensibilidade. Aplique um pouco de creme sobre a área da pele que você quer depilar ou perto dela; espere alguns minutos e examine o resultado.

2. Use o produto exclusivamente na área adequada; nunca use no rosto, por exemplo, um depilatório para as pernas.

3. Não deixe muito tempo os depilatórios sobre a pele (indicam-se em geral quatro a quinze minutos) para não provocar bolhas ou queimaduras dolorosas.


diego_cervo/iStock

Uma palavra sobre as ceras: “Ai!” 

Poucas coisas são mais desagradáveis do que aplicar tiras de cera na pele e arrancá-las depois, levando com elas os pelos. mas é exatamente isso que acontece numa depilação com cera. Como a cera extrai do folículo a totalidade do pelo, os seus efeitos chegam a durar de duas a seis semanas.

A cera líquida, quente, pode ser difícil de aplicar e queimar a pele. A chamada cera fria pode ser mais fácil de utilizar, e, como não é reutilizável, torna-se mais higiênica. Em qualquer caso, arrancar a cera pode doer e irritar a pele. Se, apesar disso, você continuar corajosa, tente estas sugestões para facilitar um pouco o processo:

1. Ensaie a sensibilidade da removendo alguns pelos com um pouco de cera.

2. Limpe previamente a pele e aplique a cera em pelos só em pelos com mais de 6 mm.

3. Se você for a um salão de beleza, assegure-se de que a esteticista que a trata possui as qualidades necessárias e que a cera utilizada é nova. A cera reutilizada (reaquecida) pode transmitir infecções.

4. Se você for loura ou ruiva, lembre-se de que a depilação pode deixar a sua pele particularmente sensível  à luz solar.

5. Para reduzir a irritação depois da depilação, passe suavemente sobre a pele, durante alguns minutos, um cubo de gelo ou aplique uma loção anti-séptica suavizante. Alguns hidratantes podem irritar a pele logo após a depilação com cera.

6. Se você tem diabetes, ou problemas circulatórios ou tem tendência a contrair infecções, não utilize este método.


vadimguzhva/iStock

4. Eletrólise: eliminação quase radical 

Efetuada pelo a pelo, a depilação por eletrólise faz passar uma corrente elétrica através de uma agulha finíssima ou de uma pinça, destruindo o pelo e danificando o folículo, dificultando desse modo o crescimento posterior  do pelo. Após uma série de sessões semanais, os resultados podem ser permanentes (embora isso não seja garantido). Mas há algumas coisas que você deve saber antes de experimentar a depilação por eletrólise:

1. O processo pode ser doloroso. Cada impulso elétrico produz uma picada, como se o pelo fosse arrancado. A utilização de um produto para anestesiar o local pode ajudar.

2. Para efeitos práticos, a eletrólise só é recomendada para pequenas áreas, como o buço ou o queixo, embora algumas pessoas recorram a este método para remover pelos em áreas maiores.

3. Os riscos, embora raros, incluem choque elétrico, formação de tecido cicatricial e infecção. Para reduzir o risco de transmissão de doenças, como a hepatite e o HIV, certifique-se de que a profissional que faz a depilação utiliza sempre agulhas descartáveis ou, como alternativa, use uma agulha individual que você leva a cada sessão.

4. As sessões de depilação elétrica são demoradas e podem prolongar-se por alguns meses. São também relativamente dispendiosas.

5. Os aparelhos de depilação elétrica para utilização em casa podem ser menos dispendiosos a longo prazo, mas, por outro lado, não são tão eficientes como os profissionais.