Faça uma busca
|
Publicado em: 14 de março de 2021

A reveladora descoberta dos pores do sol

Os finais de semana demoravam a chegar e nem sempre traziam o sol.

Imagem: KatarinaGondova/iStock

Foi só depois de adulta e com filhos grandes que ela percebeu por que motivo achava que os pores do sol são a imagem mais bonita do planeta: ela custou a ver um pôr do sol cara a cara. Quando era criança, ia à praia pelas manhãs e nunca ao entardecer. O quase-noite era sempre de cabelos secos à espera do dia seguinte. E, como vivia longe do mar, o dia seguinte demorava. Sua casa de criança parecia longe de qualquer horizonte; as janelas eram sufocadas por outras janelas, e a rua dava para o asfalto.

Mas houve o momento da mudança.

A família precisou se mudar para outra cidade, e logo a casa sem horizonte ficou para trás. Estava triste, porque a cidade nova não tinha praia. Ela estava sem esperança no futuro – não tinha o hábito de ver nada de significativo além da sua janela, e os dias da semana eram uma mistura de asfalto e prédio. Os finais de semana demoravam a chegar e nem sempre traziam o sol.

Meio a contragosto, foi para a paisagem distante e desembrulhou a vida antiga.

Tinha medo do futuro, das novas pessoas. Ela não sabia ainda o que lhe reservariam as janelas. Quando pisou no apartamento e chegou ao quarto que seria pela primeira vez só dela, sem que precisasse dividir com o irmão, teve a visão mais linda de sua vida até aquele momento: um janelão de cara para o pôr do sol desmanchando em um rio gigante e dourado. Quando viu a cena, ficou perplexa. Aos 7 anos, ainda não sabia que o sol se punha. E muito menos que poderia ser laranja ou avermelhado.

A partir daquele dia, sua visão de mundo se transformou completamente. Acordar e abrir aquela janela deu a ela uma nova perspectiva. Ainda era bem pequena, mas, por alguma secreta razão, passou a acreditar que os dias, para serem bons, não precisariam esperar pelo fim de semana. Mesmo quando não houvesse sol, ainda assim haveria o rio e o horizonte, e a combinação de ambos dava a ela um novo sentido de existir.

POR CLAUDIA NINA [email protected]

Ouça o episódio mais novo do podcast da Claudia Nina: Uma ceia de Natal inesquecível.

Conheça também a página oficial da autora.

Claudia Nina
Claudia Nina
Toda a minha ficção tem um pouco de confissão – pessoal ou da vida alheia. Acho que eu trouxe do jornalismo essa mania de tomar conta do mundo e, de alguma forma, transformar em texto o reflexo deste mundo em mim. Tenho 13 livros publicados – do romance ao infantil, passando pelo conto e os ensaios. Acho que só falta a poesia, mas esta eu fico devendo.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close