O PIX é um novo meio de pagamento criado pelo Banco Central do Brasil que facilita a vida e reduz custos para todos. Nós já explicamos como ele funciona. Agora vamos ajudar a esclarecer 5 das dúvidas mais frequentes dos usuários que já testaram.

  1. Eu preciso baixar algum aplicativo? Entrar em algum site?

Não. Você vai usar o acesso que será disponibilizado dentro do aplicativo ou do site do seu banco. Outras instituições, como cooperativas de crédito, também podem disponibilizar o PIX. Então você vai acessar o canal delas para fazer uma transferência pelo PIX. Saiba que outras instituições podem oferecer o PIX aqui.

2. Quais são as chaves que eu posso cadastrar?

As chaves são três opções de informação que facilitam a operação de transferência e pagamento. Pode ser o número do celular, o e-mail ou o CPF da pessoa ou empresa que vai receber. Ao invés de digitar o nome completo, CPF, agência, conta, banco e selecionar a opção DOC ou TED, basta informar a chave.

3. Eu tenho que cadastrar todas as chaves PIX na mesma instituição?

Não. Na verdade, não é recomendado fazer isso. Os bancos e instituições possibilitam que você cadastre as três chaves de uma vez. Contudo, ao fazer isso você não consegue cadastrá-las em nenhuma outra instituição. Assim, ficará preso a ela.

A vantagem de cadastrar uma chave em cada instituição é poder fazer operações em instituições diferentes. Ou seja, na instituição onde você tem saldo em conta para fazer o pagamento ou transferência instantâneos. No início do mês você tem saldo na conta do Banco A, onde recebe salário.

No final do mês, você tem saldo na conta da fintech onde recebe receita de vendas. Assim, você vai fazer usar o PIX no Banco A no início do mês e na fintech no final do mês.

Portanto cadastre uma chave por banco. Se já tiver cadastrado as três chaves (CPF, número de telefone e e-mail) no mesmo banco, você pode descadastrar

4. Sou obrigado a fazer um pagamento ou transferência pelo PIX?

A resposta também é não. No entanto, se uma pessoa transfere dinheiro para você pelo PIX, você vai receber o dinheiro pelo PIX, na sua conta. Ao invés de receber por Transferência, DOC ou TED, vai receber por PIX.

Geralmente, transferência de dinheiro entre contas do mesmo banco não é tarifada e o dinheiro é recebido no mesmo dia. Pode demorar algumas horas. Nos casos de DOC e TED há outros prazos para o recebimento.

Não é possível fazer a operação nos finais de semana e nem fora do horário comercial. As transferências pelo PIX são automáticas, não sofrem essas restrições. O dinheiro deve ser recebido na conta em alguns segundos. O PIX tem essa vantagem

5. MEI vai pagar alguma tarifa?

A regra geral é que o MEI não deverá pagar tarifa para usar o PIX. Contudo, podem haver restrições. Elas podem ser definidas com base no volume de movimentação. A regra é que pessoas físicas e MEIs não paguem.

Já o pagamento feito para pessoas jurídicas (lojas, mercados, serviços, etc. poderá ser tarifado, sendo a tarifa paga pela empresa. Por isso elas não são obrigadas a usar ou aceitar o PIX.

Fique atento a essas dicas!

mulher rindo com piada
AntonioGuillem/CanStockPhoto
  • Cancele o pacote de serviços do banco! Você paga tarifa pelo pacote de serviços do banco só para ter direito a um número maior de DOCs/TEDs?, Cancele esse serviço, faça transferências pelo PIX e invista este valor para multiplicar o seu dinheiro! Um pacote de serviços pode custar mais de R$ 100,00 por mês. Isso é um gasto de R$ 1.200,00 por ano, que poderia estar aplicado rendendo. Peça ao gerente para excluir o pacote e assegurar a conta básica, com os serviços gratuitos assegurados pelo Bacen. Saiba mais sobre a conta básica sem tarifas aqui.
  • O PIX pode não ser vantajoso para o seu negócio. Sua loja possui isenção de tarifas concedidas pelo banco, fintech ou outra instituição para receber receita? Ou emite boleto para pagamento sem custo? O PIX pode não valer a pena para você. Avalie qual será o custo do PIX e compare com os custos que você possui hoje. Coloque na ponta do lápis para decidir se vai adotar este nova forma de pagamentos pelos seus clientes para você.
  • Sigilo bancário não deve ser afetado. O Banco Central do Brasil – Bacen já esclareceu que esse não é o objetivo. O PIX não é uma forma do Banco central abrir o sigilo bancário! Os pagamentos serão efetuados através dos bancos e instituições que já são fiscalizados pelo Bacen. A fiscalização não muda.
  •  O PIX não facilita fraudes. As chaves devem ser cadastradas somente acessando os canais tradicionais e confiáveis de sua instituição financeira. Acesse o site ou aplicativo de seu banco, nunca acesse links enviados em mensagens ou e-mails. Jamais informe dados pessoais em chamadas telefônicas. Jamais informe códigos enviados por mensagens ou e-mails. A criatividade dos fraudadores, especialmente os criminosos que roubam dados bancários, é infinita. Mas o risco de sofrer uma fraude é o mesmo que você corre por ter uma conta bancária. Ele não aumenta por conta do PIX. Você vai informar as suas chaves (CPF, telefone ou e-mail) para as pessoas que irão fazer transferências para você. Não deve informar nenhuma senha ou informação adicional, como endereço ou filiação.

Samasse Leal
Samasse Leal
Apaixonada por Direito, Samasse Leal é especialista em Direito do Consumidor, pós-graduada pela PUC-Rio. Co-autora e revisora técnica da obra Use as Leis a Seu Favor, participou de diversas edições do programa Sem Censura (TVE) e programas de rádio, falando sobre direitos para o público em geral. Nos quase 20 anos de carreira, atuou em grandes escritórios jurídicos, empresas, associação de defesa dos consumidores e atualmente atua na área de relações com investidores de uma multinacional espanhola.