A limpeza de ambientes sempre foi importante para prevenir alergias e outras doenças.

Com o aumento de casos de coronavírus no Brasil, esse tipo de limpeza se tornou ainda mais necessário para conter a transmissão do vírus.

Mas como podemos limpar móveis e superfícies da forma correta? E a utilização de luvas ajuda na prevenção?

A Dra. Débora Otero, médica infectologista e membro da diretoria da Associação dos Profissionais em Controle de Infecções e Epidemiologia Hospitalar (ABIH), dá algumas dicas sobre a questão.

Segundo ela, a presença do vírus em superfícies não higienizadas pode permanecer por até 9 dias.

Para limpar da forma correta, pode-se utilizar água sanitária ou álcool.

Em relação a água sanitária, a menor concentração possível para matar o vírus é de 0,1%, ou seja, caso o produto disponível seja de 1%, ainda é possível diluí-lo até 10 vezes em água normal (9 partes de água e 1 de água sanitária) para a limpeza.

“A utilização recomendada de álcool para limpar ambientes é entre 62% e 95%, portanto, produtos com 65%, 70%, 90% são soluções adequadas para conseguir fazer a inativação do vírus”, explica a médica.

Com relação a utilização de luvas, a Dra. Debora explica que as luvas dão uma falsa sensação de proteção.

Elas não impedem a transmissão do vírus, já que também podem entrar em contato com mucosas de boca, nariz e olhos.

A utilização de luvas fica estritamente necessária para ambientes de assistência e saúde, como hospitais, laboratórios, clínicas de oncologia e de diálise e, eventualmente, home care.

Para ela, a melhor forma de prevenção é a higiene de mãos, independentemente do uso de luvas.

Não há, ainda, medicamentos que tratem o vírus.

Confira abaixo o vídeo da explicação da Dra. Débora Otero sobre limpeza de ambientes e utilização de luvas:

Para saber mais informações sobre o combate ao coronavírus, assista ao vídeo completo.