Pense na extravagância do reino animal, e um jardim zoológico vem à mente: a plumagem colorida da arara, as escamas exuberantes dos peixes tropicais. Os mamíferos tendem a ser menos vibrantes do que outros grupos de animais, mas isso não significa que tenham menos distinção visual. Na verdade, muitos animais marcantes do planeta têm apenas duas cores: preto e branco.

Apesar da paleta básica, essas marcações em alto contraste estão entre as escolhas evolutivas mais variadas do planeta. Para alguns mamíferos, o preto e o branco são um modo de afastar predadores. Para outros, repelem insetos. Para outros ainda, criam uma capa inteligente. Veja o que a ciência descobriu sobre e verá que o preto e o branco não são tão básicos assim.

Cangambá: mecanismo de defesa

Dependendo da espécie, os cangambás pretos podem apresentar manchas brancas que servem de camuflagem; ou listras brancas que avisam aos inimigos para tomar cuidado com seus borrifos fedorentos.

Panda-gigante: retalhos complexos

Ideias recentes sobre a cor dos pandas vieram do estudo de cada parte separada do seu corpo. As orelhas pretas indicam ferocidade, e as manchas distintas do olho ajudam o reconhecimento individual. O corpo branco do panda o camufla na neve, e os membros pretos ajudam a escondê-lo nas florestas, uma combinação que vem de sua alimentação pouco nutritiva. O bambu não permite que os pandas acumulem gordura suficiente para hibernar e os força a passar o inverno na neve.

Texugo: máscara feroz

Mesmo quando o texugo está agachado em sua toca, as vistosas listras faciais podem ser vistas. Os zoólogos dizem que a coloração de aviso ajuda o pequeno mamífero a afastar predadores.

Zebra: listras sem picadas

A pelagem fina das zebras as deixa mais vulneráveis a picadas de moscas que transmitem doenças do que os animais de pelo longo. Mas as listras impedem que as moscas pousem nas zebras, por razões que os cientistas ainda estão investigando.

Antílope-negro (macho): criador de sombras

No sol forte, a barriga branca do antílope-negro contrabalança a sombra lançada pelas costas, e ele parece ser de uma só cor e bidimensional. Ou seja, em essência, ele se esconde dos predadores na própria sombra.

 

Por NATASHA DALY de NATIONAL GEOGRAPHIC