Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 1 de março de 2021

Fototerapia: um arco-íris de cura

A exposição à luz faz bem, e não só para a depressão sazonal.

Imagem: Elena Volf/iStock

Quando as estações mudam e os dias ficam mais curtos, pessoas no mundo inteiro, principalmente nos países mais frios, sentem a chamada tristeza de inverno. Alguns também sofrem de um tipo mais grave denominado transtorno afetivo sazonal, a depressão causada pela falta de exposição ao sol.

No caso dessa doença, os cientistas descobriram que é bom passar meia hora por dia sentado diante de uma lâmpada especialmente projetada que emite uma forte luz branca. Na verdade, esse tratamento é tão eficaz quanto os antidepressivos, e um estudo de 2015 constatou que ajuda até pacientes cuja depressão não é sazonal.

Leia também: Fototerapia é utilizada para fechar feridas em pacientes diabéticos

O sol emite diversos tipos de luz, alguns mais benéficos do que outros. O comprimento de onda mais curto é o ultravioleta e o mais longo, o infravermelho; no meio, ficam as cores da luz visível (embora os seres humanos não consigam discernir todas). A pesquisa em fototerapia vem acontecendo há mais de um século. No início dos anos 1900, ela era recomendada para tudo, da tuberculose à calvície. Mas ficou menos popular depois da descoberta dos antibióticos e da ascensão da indústria farmacêutica. Além disso, muitas alegações de benefícios da fototerapia desafiavam a credulidade.

Os benefícios da fototerapia

No entanto, na última década, depois de vários estudos promissores, a fototerapia retornou, inclusive em clínicas e hospitais. A luz vermelha, principalmente, está sendo estudada pela capacidade de aliviar os sintomas de problemas graves como as doenças de Parkinson e Alzheimer e a síndrome do túnel do carpo. Embora muitas dessas aplicações ainda aguardem a aprovação do governo americano, a luz vermelha já está sendo ministrada em hospitais da Europa, do Canadá e da América do Sul para tratar degeneração macular.

As propriedades curativas especiais da luz vermelha estão ligadas à sua capacidade de ativar as mitocôndrias, estruturas celulares que ajudam a combater essas doenças. Como descreve Janis Eells, professora de ciências biomédicas da Universidade de Wisconsin-Milwaukee, a luz pode dar às células um “pontapé no traseiro mitocondrial”, ou seja, despertá-las e fazê-las cumprir seu papel.

A fototerapia está sendo usada também em aplicações mais comuns e cotidianas. A luz vermelha e a quase infravermelha conseguem alcançar células sob a pele e acelerar a cura de feridas e hematomas. Esse tratamento pode ser feito em salões de beleza ou com uma unidade doméstica; as pessoas tendem a se expor de 5 a 15 minutos por dia até a ferida sarar. (Para um tratamento seguro e eficaz, é melhor consultar um médico antes de usar a luz vermelha.)

A luz azul, que mal passa da epiderme, geralmente é receitada por dermatologistas e ministrada em casa ou no consultório para matar as bactérias que causam a acne.

A luz verde não é tão bem compreendida, mas um estudo de 2020 da Universidade do Arizona indica que pode servir de terapia preventiva para pacientes com enxaqueca recorrente. Depois de dez semanas de uma a duas horas diárias de exposição autoministrada, os pacientes declararam uma redução média de 60% da dor. Esses resultados são preliminares e promissores, mas é provável que o uso clínico aprovado pelos médicos ainda demore alguns anos, segundo Eells.

Agora que começamos a entender como e por que a luz pode nos curar, Eells se anima, pois estamos superando o ceticismo que perseguiu a fototerapia no passado. “Não é magia”, diz ela. “É mesmo ciência.” 

POR VIVIANE FAIRBANK

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados