Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 10 de abril de 2021

Oxigenoterapia: entenda o que é, tipos e para o que serve

A oxigenoterapia é um tratamento vital para muitos pacientes internados, especialmente em tempos de Covid-19.

Imagem: MychkoAlezander/iStock

Todos nós sabemos que o oxigênio é essencial para a vida humana. É de suma importância que a oxigenação seja realizada constantemente, caso contrário o encéfalo morre após três minutos. Por isso que, quando os pulmões naturais falham, são usados pulmões artificiais, como no caso da recente terapia ECMO.

Quando algo interrompe ou reduz a oferta de oxigênio para os tecidos, a oxigenoterapia é iniciada de imediato. Ela é necessária em muitas situações, como nos casos mais graves de Covid-19, até em casos de insuficiência respiratória.

Em hospitais, o oxigênio é armazenado na forma líquida pressurizada e levado por encanamentos, na forma de gás, até as salas de cirurgia, as unidades de terapia intensiva (UTI) e a beira dos leitos dos pacientes. É administrado por máscara, cateteres nasais ou por um respirador. Alguns respiradores controlam completamente a respiração; outros propiciam respiração eficiente e sem esforço, controlando o processo caso a oxigenação seja insuficiente.

Todos administram oxigênio e ar aos pulmões e permitem a expiração de dióxido de carbono. Para isso, o respirador desliga após cada ventilação, permitindo a retração pulmonar para expulsar o ar. Caso isso não seja possível, usa-se um aparelho que aspira o ar dos pulmões.

Para determinar o equilíbrio correto entre oxigênio e dióxido de carbono no sangue do paciente, um enfermeiro colhe frequentes amostras de sangue, que são examinadas por um aparelho de autoanálise. Às vezes, é colocado um eletrodo sob a pele para fazer uma leitura contínua. A ação do respirador e o nível de oxigênio no ar que ele administra são ajustados conforme os resultados obtidos.

Tipos de oxigenoterapia

Ventilação de suporte à vida

A ventilação de suporte à vida assume o controle completo da respiração. Uma bomba elétrica é ligada ao oxigênio e ao ar, que são introduzidos nos pulmões do paciente por um tubo endotraqueal inserido no nariz, na boca ou por meio de uma traqueostomia.

Ventilação com pressão positiva contínua

Empregada em pacientes com doença grave, incapazes de respirar sem auxílio ou em uso de tubo endotraqueal, também é conhecida como ventilação controlada, pois prevalece sobre a respiração do paciente: a “pressão positiva” é exercida pela bomba, seja para introduzir ou retirar o ar. O paciente não precisa fazer nada, e qualquer tentativa de respiração independente é impossibilitada.

Ventilação com pressão positiva intermitente

Também conhecida como ventilação acionada pelo paciente, permite que este determine quando haverá inspiração: o respirador percebe a alteração na pressão quando há tentativa de inspirar e administra ar oxigenado por meio de pressão positiva.

A técnica permite que se tenha algum controle sobre a respiração, mas minimiza o esforço necessário. É usada quando os pacientes sentem dor e cansaço, bem como no pós-operatório e para ajudar a eliminar as secreções pulmonares em doenças respiratórias.

Respiração com pressão positiva não invasiva

Esse tipo de ventilação não demanda intubação, daí o termo “não invasiva”. Em vez disso, emprega ventilação com pressão positiva intermitente, por uma máscara que cobre a boca ou o nariz. O tipo mais comum é conhecido como máscara de Venturi ou máscara facial, que se ajusta confortavelmente à face e tem duas partes: uma válvula que administra oxigênio e aberturas que aspiram ar para a máscara.

É possível mudar a proporção entre ar e oxigênio alterando-se o fluxo de oxigênio através da válvula ou modificando-se o tamanho dos orifícios. Assim, permite administrar com facilidade o volume correto de oxigênio necessário, qualquer que seja o padrão ou a frequência respiratória.

Ventilação de prematuros

A oxigenoterapia pode ser fundamental para a sobrevivência de bebês prematuros.
A oxigenoterapia pode ser fundamental para a sobrevivência de bebês prematuros. (Imagem: Kateywhat/iStock)

Bebês nascidos antes da 36ª semana de gravidez costumam ter os pulmões subdesenvolvidos. Um problema é a quantidade insuficiente de surfactante. Sem ele, o esforço para respirar causa exaustão. Além disso, o diafragma também é subdesenvolvido, o que exige mais esforço e oxigênio para respirar.

Os prematuros necessitam de ventilação mecânica até que os pulmões estejam maduros o suficiente para respirar sozinhos. Como esses bebês respiram rápido, muitas UTI neonatais empregam ventilação por oscilação de alta frequência, em que se fornece oxigênio em pequenas doses numa frequência bem maior do que 150 incursões respiratórias por minuto.

A oferta quase constante de oxigênio poupa a energia do bebê e protege o tecido pulmonar imaturo contra lesões. Essa administração de oxigênio sob alta pressão pode causar problemas expiratórios. Para interromper esse ciclo, duas cânulas de pequeno diâmetro fornecem oxigênio durante a inspiração, mas a expiração é facilitada com eliminação do ar por um tubo de grande diâmetro, que tem menor resistência.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados