Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 27 de maio de 2019

Intoxicação alimentar: causas, sintomas e tratamento

Por ano ocorrem mais de 2 milhões de casos de intoxicação alimentar no Brasil. Aprenda como se prevenir.

Imagem: Lisovskaya/Istock

O termo intoxicação alimentar se aplica a uma doença que decorre da ingestão de alimentos contaminados com bactérias, vírus, toxinas ou parasitas. Na maioria das vezes ocorre em razão de uma gastroenterite.

A contaminação pode ocorrer em qualquer ponto da produção ou do processamento do alimento, incluindo colheita, embalagem, transporte e exposição para venda. A maioria dos casos de intoxicação alimentar é causada por contaminação bacteriana. 

Sintomas da intoxicação alimentar

Em geral, a intoxicação alimentar causa náuseas e vômitos, diarreia, cólicas, dor de cabeça e, às vezes, febre e prostração. Além disso, visão dupla e dificuldade de falar, mastigar, engolir e respirar são manifestações de botulismo, forma rara mas particularmente grave de intoxicação alimentar.

A infecção pode ser grave em pessoas vulneráveis, especialmente bebês, crianças pequenas, pessoas com doenças crônicas (incluindo AIDS e outros distúrbios do sistema imunológico) e idosos. 

Se você observar qualquer desses sintomas em alguém, procure atendimento médico imediato.

Recuperação da intoxicação alimentar

As recomendações a seguir ajudam a sustentar o corpo durante sua recuperação de uma intoxicação alimentar. Tente segui-las e logo você ficará bem novamente. 

  • Evite a perda de líquidos. Reponha líquidos e eletrólitos, essenciais ao organismo. Beba uma mistura de suco de maçã e água, ou um chá fraco. O caldo de galinha com arroz é um saboroso remédio que hidrata – o caldo repõe os líquidos, bem como o sódio e o potássio, para restaurar o equilíbrio de eletrólitos, e o arroz é constipante.
  • Evite os laticínios. Os produtos lácteos exacerbam a diarreia.
  • Não sobrecarregue o sistema digestivo. Espere que seu estômago esteja pronto para receber alimentos.
  • Coma alimentos leves quando estiver pronto. Quando estiver seguro de que seu organismo se estabilizou, reintroduza alimentos como banana, arroz, purê de maçã e torradas. Depois, experimente outros alimentos leves, como frango cozido e purê de batata. Evite frutas frescas por alguns dias.

Chega de toxinas: entenda como escolher seus alimentos 

Dicas de precaução

Depois de tratar a intoxicação alimentar, vale a pena saber como evitar futuros episódios. Siga estas precauções de segurança alimentar e diretrizes para sua plena recuperação:

1 Pratique a segurança alimentar ao cozinhar

Antes de cozinhar ou manusear os alimentos, use água quente e sabão para lavar as mãos, os utensílios e as superfícies de trabalho, como tábuas de corte. Mantenha os alimentos crus separados dos cozidos e seja especialmente cuidadoso ao manipular carnes, peixes, crustáceos e aves, pois alimentos de origem animal são mais suscetíveis à contaminação. Certifique-se de que os alimentos crus não contaminem os cozidos e não deixe que os alimentos cozidos toquem superfícies com traços de alimentos crus. Lave as mãos constantemente enquanto estiver cozinhando.

2 Cozinhe bem os alimentos

Use um termômetro culinário para confirmar se os alimentos cozinharam a uma temperatura segura. Carne de porco e carne moída a uma temperatura interna de 71°C; bifes, assados e peixes a pelo menos 63°C; e frango, a 74°C.

3 Lave as esponjas após o uso

Lave esponjas e panos de prato com água quente e sabão após cada uso. Isso ajuda a prevenir a contaminação cruzada e a disseminação de bactérias.4

4 Mantenha frios os alimentos frios e quentes os alimentos quentes

Se você não pretende comer o alimento imediatamente após o preparo, leve-o à geladeira ou ao freezer. Nunca deixe a comida por mais de duas horas a temperaturas entre 7°C e 60°C, ideais para o desenvolvimento de bactérias. Ao descongelar alimentos, não os deixe à temperatura ambiente. Em vez disso, descongele-os na geladeira ou use o micro-ondas.

5 Não compre latas amassadas ou estufadas nem utilize seu conteúdo

Latas amassadas podem indicar botulismo. O estufamento é mais provavelmente causado pela pressão de gases produzidos pelo metabolismo de bactérias.

6 Na dúvida, jogue fora

Descarte os alimentos com mau cheiro ou com alteração da cor. Por isso prová-los, mesmo que uma porção mínima, é arriscado e não vai lhe dizer se um alimento não é seguro.

Confira também como armazenar seus alimentos de forma segura

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados