Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 6 de agosto de 2020

Séries estrangeiras ganham força na Netflix; veja 11 produções não-americanas

As produções estrangeiras estão conquistando cada vez mais o público. Confira 11 opções que estão fazendo sucesso pelo mundo!

Imagem: cottonbro/Pexels

Se você é assinante da Netflix muito provavelmente já clicou em alguma série estrangeira e original da plataforma e ouviu sair da boca de seus personagens palavras que certamente não eram inglês, certo?

Alguns dos maiores sucessos do catálogo do serviço de streaming, hoje, não são importados dos Estados Unidos ou do Reino Unido, países que por anos dominaram o que era consumido em larga escala na televisão e no cinema ocidentais.

Com a ascensão dos serviços de streaming, encabeçada pela Netflix, os últimos anos têm servido de palco para uma internacionalização dos conteúdos audiovisuais de grande sucesso ao redor do globo, rompendo com as barreiras do idioma e abraçadas numa ampla gama de países. 

Globalização das séries: Netflix facilita acesso à produções estrangeiras

A explicação mais óbvia para o aumento de interesse por produções estrangeiras é a facilidade de acesso a obras que dificilmente viajariam o mundo se dependessem exclusivamente de emissoras locais, sejam por questões culturais ou burocráticas. No caso da Netflix, a empresa está presente em cerca de 190 países, o que facilita a distribuição maciça e simultânea de conteúdos.

Além disso, o espectador também está mudando o comportamento, enquanto, paralelamente, produtoras locais têm se aventurado e se aperfeiçoado, graças às novas possibilidades de distribuição garantidas pelo streaming.

“A Netflix é um fenômeno internacional e está contribuindo para um cenário cultural mais globalizado. Para isso, tomou como estratégia tanto a expansão de seu mercado, buscando assinantes em todo o mundo, quanto a internacionalização de suas fontes, adquirindo e produzindo conteúdos em múltiplas regiões”, diz Louis Brennan, professor na universidade irlandesa Trinity College que acompanha há anos a expansão da Netflix.

Para Brennan, os fatores-chave que determinam onde é interessante manter uma sólida base de produções locais incluem o tamanho do mercado de assinantes naquele país, a quantidade de mercados internacionais com características culturais semelhantes e a competitividade na região.

“E, com o crescimento populacional no mundo não-anglófono, é natural que haja uma menor dominância das produções em língua inglesa”, complementa.

Ainda de acordo com ele, essa estratégia está contribuindo para um aperfeiçoamento e uma diversificação no que é produzido em países que, tradicionalmente, são bombardeados por conteúdo gringo.

Com produções famosas, Turquia e Espanha ganham visibilidade

A Turquia hoje exporta algumas das obras que mais repercutem entre o público brasileiro da Netflix, como a já citada “O Último Guardião” e o filme “Milagre na Cela 7” – ambos ficaram vários dias no ranking dos mais assistidos do serviço no Brasil.

“Antes nós produzíamos muitos romances e comédias. Agora, com o streaming, nós estamos tentando diversificar os conteúdos turcos. Não era fácil testar gêneros diferentes, mas agora nós estamos trabalhando nisso”, explica Pelin Distas, diretora de produções originais da Netflix na Turquia.

Apesar de ser vaga em relação a seus dados, a Netflix informa que mais de um terço da audiência de séries e filmes turcos, em seu mês de estreia, vem da América Latina.

Ao lado de Turquia, a Espanha é hoje um dos grandes exportadores de sucessos do audiovisual. As máscaras da série “La Casa de Papel” são reconhecidas mundialmente, mas outros títulos, como “Elite”, “Vis a Vis”, “Merlí”, “O Píer”, “As Telefonistas” e o filme “O Poço” têm bases de fãs grandes e sólidas no Brasil e em vários outros locais.

Parte de dois mundos, o da TV tradicional e o do sob demanda, a HBO também aposta nessa nova pluralidade de narrativas.

Na semana passada, a empresa anunciou seis novas produções originais a serem rodadas no Brasil, já que nós também temos ganhado projeção mundial – a série “3%”, por exemplo, começa neste mês sua quarta temporada depois de trilhar uma boa carreira internacional.

“Três elementos formam esse círculo virtuoso: o público com interesses mais diversos, as facilidades tecnológicas das plataformas e mais oportunidades para que criativos de todo o mundo possam produzir e distribuir seus conteúdos”, diz Roberto Rios, vice-presidente de produções originais da HBO na América Latina.

Americanos e britânicos podem até lamentar o enfraquecimento de sua hegemonia na indústria do audiovisual, mas eles também estão contribuindo para o fenômeno.

“O mundo anglófono está se tornando mais receptivo a produções em língua não inglesa”, diz Louis Brennan. Antes motivo de piada, a má-aceitação de filmes e séries em línguas estrangeiras nos Estados Unidos parece estar ficando mesmo para trás.

Prova disso é a histórica conquista do Oscar de melhor filme do sul-coreano “Parasita”, no início do ano e o sucesso absoluto dos doramas, as séries sul-coreanas de drama.

“Eu diria que nós estamos seguindo em direção a um cenário mais rico, diverso e variado no entretenimento. Não só por causa da questão idiomática, mas também pela pluralidade de temas que essa globalização permite que sejam tratados”, conclui Brennan.

Bom, está curioso para saber quais são as melhores séries estrangeiras da Netflix atualmente? Confira a nossa lista abaixo!

  • Reprodução/Netflix

    Dark

    Produção alemã, a série gira em torno de viagens no tempo, em que é possível ver os personagens em 1953, 1986 e 2019 (dois ciclos de exatamente 33 anos cada). A trama acontece em uma pequena cidade fictícia na Alemanha, chamada Winden.

    A história intriga tanto o público e fãs da série, que a própria Netflix criou um site (sem spoilers!) explicando alguns detalhes e os personagens da trama.


  • Reprodução/Netflix

    La Casa de Papel

    Um grupo de desconhecidos se junta para fazer o maior roubo da história: A Casa da Moeda da Espanha.

    A trama se desenrola por quatro temporadas e ficou conhecida pelas máscaras de Dalí, utilizadas pelos personagens ao longo dos episódios. A quinta temporada ainda não foi confirmada.


  • Reprodução/Netflix

    O Último Guardião

    A trama passa em Istambul e conta a história de um jovem, Hakan, que descobre que tem laços com uma ordem secreta antiga e poderes especiais.

    A narrativa se desenrola com Hakan tentando descobrir seu passado e, ao mesmo tempo, defendendo Istambul de seus inimigos.


  • Reprodução/Netflix

    Osmosis

    Lançada no ano passado, 2019, a produção francesa e original da Netflix, Osmosis, conta a história de dois irmãos que produzem um implante de alta tecnologia com o intuito de reunir almas gêmeas.

    A narrativa se passa em um futuro próximo, em Paris, e mostra o desenrolar da criação e algumas surpresas desagradáveis que aparecem ao longo do caminho. Até o momento, a série só tem uma temporada, com 8 episódios.


  • Reprodução/Netflix

    Silêncio na Floresta

    Baseada em um livro de Harlan Cohen de 2007, a produção polonesa conta a história de um promotor da justiça que, após 25 anos do desaparecimento de sua irmã, encontra evidências de que ela pode estar viva.

    A série, até o momento, só tem uma temporada com 8 episódios.


  • Reprodução/Netflix

    Kingdom

    Produção sul-coreana lançada em 2019 na Neflix conta a história do príncipe herdeiro da dinastia Joeon, que assume a missão de investigar os rumores sobre a doença do rei que deixa a população bem assustada.

    O objetivo do jovem herdeiro é descobrir que misteriosa epidemia é essa e como confrontá-la.


  • Reprodução/Netflix

    Kingdom

    O drama adolescente espanhol conta a história de três jovens da escola pública que são transferidos para La Encinas, a melhor escola da Espanha.

    Rodeados de jovens da elite com poder e dinheiro, eles se veem no meio de situações complicadas, como assassinatos.


  • Reprodução/Netflix

    Merlí

    Merlí conta a história de um professor de Filosofia do Ensino Médio nada convencional que incentiva seus alunos a escreverem poesias e a pensarem de maneira livre.

    A série é espanhola e consiste em três temporadas.


  • Reprodução/Netflix

    As Telefonistas

    Na década de 20, quatro mulheres que trabalham como telefonistas em uma empresa de telecomunicações da Espanha se juntam para lutar pelos direitos das mulheres e dos trabalhadores.

    A série é uma produção espanhola e original da Netflix.


  • Reprodução/Netflix

    Vis a Vis

    Muito comparada a série “Orange Is The New Black”, que também é uma trama que conta a história de mulheres presas, Vis a Vis segue o mesmo rumo.

    A produção espanhola gira em torno da história de Macarena, uma mulher que foi manipulada por um homem por quem tinha se apaixonado e acabou cometendo um crime. Agora, ela precisa aprender a viver em um ambiente hostil e bem diferente do que estava acostumada.


  • Reprodução/Netflix

    Dix Pour Cent

    Produção francesa, a série Dix Pour Cent se passa em uma conceituada agência de talentos, localizada em Paris, e conta a história dos seus agentes que fazem de tudo para manter os astros satisfeitos.


Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados