Faça uma busca
|
Publicado em: 13 de novembro de 2020

TSE estuda implementação do voto pelo celular no Brasil

Empresas de tecnologia devem iniciar os estudos sobre o novo processo eleitoral já este ano, em três cidades brasileiras

Imagem: Marharyta Marko/iStock

Votar pelo celular no Brasil ainda não é possível, mas de acordo com o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, o tribunal tem planos de tornar o processo eleitoral totalmente digital, como votos computados via smartphone.


Mais sobre as Eleições 2020:


Barroso afirmou, na última quinta-feira (12), que já nas eleições deste ano, mais de 30 empresas de tecnologia devem iniciar estudos de modelos para implementar o voto pelo celular no futuro.

No mundo, já temos alguns exemplos: a Estônia é pioneira, com um sistema de votos eletrônicos criado em 2005, que é utilizado por cerca de 30% da população. Por lá, os eleitores têm uma espécie de RG digital com um código único que identifica cada indivíduo.

É claro que existe toda uma questão técnica para averiguar a segurança do processo, bem como logística, para pensar em como a votação seria feita, resguardando também o voto de quem não tem acesso à tecnologia. Portanto, a transição deve levar mais alguns anos, caso seja aprovada.

(Imagem: rodrigo gavini/iStock)

Urnas custam caro e licitação é “tormentosa”

Ainda não há informações sobre qual seria o tamanho do investimento em estrutura para o novo processo, mas o presidente do TSE reforçou que atualmente o país já orça R$ 1,2 bilhão com o uso de 500 mil urnas eletrônicas, e que os custos com a manutenção dos equipamentos são altos.

Em uma entrevista com correspondentes estrangeiros (via Reuters), Barroso explicou que “a cada dois anos precisamos repor 20% das urnas, e isso custa R$ 700 milhões, e é uma licitação tormentosa e judicializada”.

O projeto terá seus primeiros testes no pleito deste ano, nas cidades de São Paulo, Curitiba e Valparaíso. Caso os experimentos sejam eficazes e seguros, eles devem ser colocados em prática primeiro em uma próxima eleição municipal.

Além disso, seria complicado realizar uma mudança tão significativa já nas eleições presidenciais de 2020, visto o caráter acirrado e o momento político do Brasil – então, é improvável que haja novidades nesse sentido antes de 2024.

Ana Marques
Ana Marques
Jornalista formada pela UFRJ, Ana é entusiasta de tecnologia, dos dispositivos móveis e da inteligência artificial, mas também defensora das relações humanas e das conexões feitas por meio de encontros. Sua relação com a cobertura tecnológica teve início em 2016, no TechTudo, ainda como estagiária. Em 2018, passou a integrar a equipe de Conteúdo do comparador Zoom.com.br, onde foi editora de Mobile (Celulares, Tablets e Wearables) & Eletrônicos até agosto de 2020. Atualmente é autora no Tecnoblog.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados