Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 1 de fevereiro de 2021

6 notícias boas para inspirar o seu dia

Imagem:

Pode parecer difícil encontrar notícias boas atualmente. Mas a verdade é que o mundo está repleto de pessoas fazendo coisas boas todos os dias. Confira abaixo 6 notícias que provam que estamos falando a verdade!


Projeto habitacional une gerações

COMUNIDADE

Na Suécia, uma experiência radical de moradia multigeracional combate a solidão e promove a coesão social reunindo moradores de históricos e gerações diferentes.

Chamado de Sällbo, o projeto reformou uma casa de repouso da cidade de Helsingborg e criou 51 apartamentos nos quatro andares do prédio. Mais da metade dos 72 moradores tem mais de 70 anos; os outros, de 18 a 25.

O projeto, financiado pelo conselho da cidade, exige que todos assinem um contrato se comprometendo a se socializar com os vizinhos por pelo menos duas horas semanais.

Projeto promove socialização entre gerações diferentes. (© Benoit Derrier/BBC World Service)

Parece que o sistema está dando certo. “É uma verdadeira comunidade”, diz o residente idoso Erik Ahlsten, “e a mistura de pessoas funciona muito bem”. Seu amigo Manfred Bacharach concorda: “É ótimo fazer coisas juntos e ter a companhia de outras pessoas.”

Há academia, sala de ioga e biblioteca, um grupo de jardinagem e um cineclube com sessões semanais. Um morador de 92 anos está dando aulas de inglês; outros preparam jantares comunitários, fazem consertos e pequenos serviços. Em troca, os moradores mais jovens ajudam com a tecnologia moderna e as mídias sociais.

O refugiado afegão Ali Soroush, de 21 anos, diz que parece sua cultura, em que diversas gerações moram juntas e se ajudam. “O prédio todo é como uma família”, afirma ele.


Bactérias que comem plástico: esperança de reciclagem

CIÊNCIA

Oito bilhões de toneladas de plástico poluem a terra e os oceanos do mundo desde a década de 1950. Mas os cientistas estão finalmente desenvolvendo novos modos de  interromper os danos.

Uma equipe da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, trabalha com uma “superenzima” tirada de bactérias que digerem o politereftalato de etileno (PET), material usado em garrafas plásticas, para possibilitar sua reciclagem total.

A degradação natural do plástico pode durar centenas de anos, mas em poucos dias a superenzima converte o PET nas moléculas que o constituem. O professor John McGeehan, diretor do Centro de Inovação Enzimática de Portsmouth, diz que o processo permitirá que os plásticos sejam “feitos e reutilizados interminavelmente, reduzindo nossa dependência de recursos fósseis”.

Enquanto isso, uma equipe do Centro Helmholtz de Pesquisa Ambiental, em Leipzig, na Alemanha, encontrou uma bactéria que decompõe poliuretano, plástico usado em calçados esportivos, fraldas descartáveis e espuma para isolamento térmico que hoje acaba nos lixões por ser dificílimo de reciclar.


Bairro homenageia cachorro que conquistou corações

ANIMAIS

Um cachorro de rua que ganhou o afeto dos moradores do bairro de Kalamaja, em Talin, capital da Estônia, recebeu uma estátua para homenageá-lo – e a todos os outros animais de rua.

Chamado de Zorik, o cão se tornou um participante muito amado da comunidade, e era visto com frequência deitado alegremente na calçada de um shopping próximo. “Ele também visitava nossos canteiros de flores, mas era muito bem-educado e nunca entrou no prédio”, diz Kai Reinfeldt, gerente de marketing do shopping.

A iniciativa do monumento partiu de Heiki Valner, que recolheu doações de mais de 60 pessoas. “É uma história de carinho e bondade”, conta ele. “Zorik só sobreviveu porque todos os moradores cuidavam muito bem dele. Não lhe davam apenas restos de comida, ele recebia os melhores filés do supermercado local.”


Pandemia ajuda fumantes a largar o hábito

FUMO

Um milhão de pessoas parou de fumar no Reino Unido na pandemia de Covid-19, segundo a entidade sem fins lucrativos ASH. O foco na proteção da saúde imposto durante a quarentena foi apontado como responsável pela mudança. Dados de um estudo do University College London mostra um aumento de quase dois terços no número de pessoas que tiveram sucesso na tentativa de deixar o cigarro.


Comunicação bilíngue torna o cérebro mais resiliente

LINGUAGEM

As pessoas que usam dois ou mais idiomas regularmente podem ter risco menor de declínio cognitivo associado à idade, dizem cientistas da Universidade de Barcelona.

Os pesquisadores estudaram um grupo de pessoas bilíngues na cidade para examinar com detalhes os possíveis benefícios neuroprotetores do bilinguismo. “Vimos que quem tinha grau mais alto de bilinguismo recebia diagnóstico de deficiência cognitiva leve mais tarde do que os bilíngues passivos”, diz o pesquisador Marco Calabria, que considera a ginástica linguística da troca regular de idioma um treinamento vitalício para o cérebro.


Maratonista ajuda estudante a realizar seu sonho

HERÓIS

Maratonista ajuda deficiente a realizar sonho. (© Marios Giannakou/@marios_giannakou)

O maratonista grego Marios Giannakou escalou dezenas de vezes o pico mais alto do Monte Olimpo. Assim, quando fez amizade com a estudante de 22 anos e deficiente física Eleftheria Tosiou e soube que ela sonhava em chegar ao pico, não hesitou em lhe oferecer ajuda.

Com Tosiou amarrada às costas numa mochila especialmente modificada, Giannakou e uma equipe de apoio fizeram a difícil ascensão de dez horas até o pico mais alto do Olimpo, o Monte Miticas, de 2.918 metros de altitude, e acamparam para passar a noite a 500 metros abaixo do topo.

“Nunca fiz nada mais lindo. Acho que isso me completou”, diz Giannakou, que atravessou a pé o Deserto de Al Marmum, em Dubai, e ganhou uma corrida de 144 quilômetros na Antártida. Extasiada, Tosiou revelou: “Fiquei feliz, comovida… Foi mais intenso quando descemos e percebi o que tínhamos feito.”


COMPILADO POR JAMES HADLEY

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados